4 estúdios portugueses rendidos a Super Mario Maker • Página 2

Fomos a Lisboa conversar com os criadores e conhecer os resultados do desafio lançado pela Nintendo.

Entrevista a Diogo Vasconcelos - Nerd Monkeys

Eurogamer: Quanto tempo precisaste até concluíres o nível?

Diogo Vasconcelos: O total mais realista, cerca de 12 horas interpoladas. Mas se sair dessas horas tenho mais tempo, como a elaboração mental, o que vais fazer, o que podes experimentar.

EG: Usaste o formato papel e passaste depois para o Gamepad?

DV: Por acaso fiz directamente a partir do Gamepad. A partir do momento que eu decidi que queria fazer salas a primeira coisa que fiz foi fazer salas por todo o lado, assim como as dimensões que eu pretendia para essas salas. Depois fui preenchendo com as ideias e movendo, usando a função copy paste.

Quando trabalhas ao nível das salas, a função copy paste permite-te seleccionar as áreas que pretendes e copiar e colar esse trabalho. Depois pensei: se eu estivesse neste cenário, o que faria? E tento quebrar essa intuição que a pessoa que joga vai tendo, criando uma alternativa sala a sala. É assim que nasce o conceito de frustração máxima no Mario, que não era bem o objectivo que eles queriam quando me pediram para criar o nível, mas ainda assim diverti-me imenso a fazer isto e adoro ver as pessoas a sofrer.

4
Diogo Vasconcelos introduziu no seu nível influências do jogo The Stanley Parable

EG: Há pouco, durante a apresentação, disseste que o nível está por acabar. Ainda vais torná-lo mais hardcore?

DV: Se eu tiver mais umas horas para trabalhar eu consigo fazê-lo. Já vi níveis publicados bem sádicos. Agora na versão final, vou refazer tudo, durante o fim-de-semana. Faço a solução. Claro que podes editar mas mesmo que o faças não consegues ter a lógica toda, pelo que a ideia é mesmo conduzir a pessoa a passar pela experiência: sentir-se perdida e incapaz de encontrar a solução.

"a ideia é mesmo conduzir a pessoa a passar pela experiência: sentir-se perdida e incapaz de encontrar a solução"

EG: O design que tens no teu nível é do Super Mario Bros 3. É o que mais te agrada?

DV: Eu tive este jogo. Foi na altura um jogo que me custou imenso, porque não o consegui passar, razão pela qual uma experiência acaba por estar associada com a outra. É uma vingança. Joguei o Super Mario na NES, depois tive a SNES com um cartucho que tinha vários jogos. Já passaram muitos anos mas isso ficou-me na cabeça. Agora passo isso em Super Mario Maker.

5
Toda a área disponível foi aproveitada.

EG: Que impressões guardas do editor?

DV: Em termos de ferramentas, sobre o que é Super Mario, qualquer nível do Mario já criado consegues fazê-lo aqui. Ninguém é defraudado nesse sentido. É possível fazer todos os Marios 2D aqui, mas ao mesmo tempo é divertido a construir, fazer estes níveis e passá-los, ficar com a sensação de que eu consegui fazer isto tudo, da maneira como interages com os objectos, tens de os abanar, tens que interagir com eles quase por brincadeira. Ao mesmo tempo é acessível para a malta mais nova, para os miúdos. Eu dantes jogava Mario e pensava que o nível podia ter isto e mais aquilo. Agora, simplesmente fazes. Ponto final.

Salta para os comentários (5)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (5)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários