The Last of Us podia ter-se chamado Mankind ou Americana

Naughty Dog conta que foi difícil escolher um nome para o jogo.

Numa entrevista com a revista EDGE, Bruce Straley da Naughty Dog revelou que não foi fácil escolherem um nome para o galardoado The Last of Us, e que entre muitos nomes com uma só palavra, estavam em cima da mesa nomes como Mankind e Americana.

"Escolher nomes é uma coisa que não gostamos nada," reconheceu Straley. "Coloca-os num papel e dizes a ti mesmo que este é o que tem o significado mais profundo e que te vais comprometer com ele para a eternidade. Por isso há muito peso nos nomes que se escolhem."

"Atravessas por um dilema difícil, mas o processo é bastante simples. Tivemos literalmente um documento no Word aberto onde eu criei 50 nomes, o Neil [Druckmann, director criativo] criou outros 50 nomes, e pedimos ao estúdio que nos dessem mais 50 nomes. A Sony também contribuiu com alguns nomes. Havia muitos nomes e estávamos abertos a tudo porque nunca se sabe de onde surge uma boa ideia."

"Penso que o nome que acabámos por escolher estava na lista original de Neil Druckmann. Demos uma vista de olhos à sua lista e eu e ele acabámos por escolher The Last of Us de forma independente. Penso que nem toda a gente gostou do nome, mas é uma daquelas coisas que podem ser lidas de várias maneiras. Podes pensar que faz referência à história pessoal de Joel e Ellie e de quem são, e também pode ter a leitura sobre o estado do mundo e da sua população... Mas também dos dilemas morais. É um nome que tem muitas capas e dimensões, é muito aberto."

"Manking foi um dos nomes que ficou-nos na retina durante uns tempos. Tal como Americana. Houve uma série de nomes só com uma palavra mas The Last of Us parecia encaixar bem. Por vezes na Naughty Dog compara-mo-nos com outros tipos de meios e os títulos dos livros raramente têm apenas uma palavra, às vezes têm títulos muito compridos e elaborados. Há nomes de filmes que são frases completas. Por vezes um parágrafo é o título do filme. Porque é que eles podem dar-se a esse luxo enquanto os videojogos têm de simplificar tudo?".

Salta para os comentários (16)

Sobre o Autor

Luís Alves

Luís Alves

Colaborador

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (16)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários