Uma nova polémica eclodiu esta semana na indústria dos videojogos. Denominada #gamergate, é mais uma troca de argumentos que envolve produtores de jogos, jornalistas e jogadores. À semelhança de outras controvérsias que resultaram em pouco, é bem provável que daqui por umas semanas o assunto haja um regresso à normalidade, mas talvez menos normal. A diferença é que desta vez parece ser mais evidente a crispação entre jornalistas, produtores e jogadores, com os primeiros a tecerem diversas críticas aos comportamentos agressivos e nalguns casos violentos dos jogadores, ao ponto de admitirem que a definição clássica de um "gamer" está ultrapassada e com os últimos a colocarem em causa a imparcialidade e independência de sites e publicações relacionadas com os videojogos.

Dois rastilhos estão na base do fogo. Primeiro, o "escândalo" Zoe Quinn. Zoe é uma produtora de jogos indie, norte-americana, criadora do jogo Depression Quest e que tem ocupado o centro da polémica devido ao presuntivo favorecimento de algumas análises relativas ao seu jogo na sequência de relacionamentos amorosos mantidos com um jornalista e com um membro de um júri de um evento dedicado aos jogos independentes. Este efeito de projecção e benefício da sua carreira, terá sido motivado por Nathan Grayson (que publicou uma análise positiva do Depression Quest no Rock, Paper e Shotgun e outra no Kotaku) e por Robin Arnott, por ocupar um lugar relevante num evento de jogos independentes, onde constava o jogo de Zoe. Na esfera dos jogadores isto foi o suficiente para revelar como continuam a persistir favorecimentos em torno de certos produtores e editoras, especialmente na produção indie, num tempo de produção acessível. Empolando os efeitos da agitação, rapidamente se chegou ao ponto de alegar a falência de princípios como isenção e independência dentro de publicações respeitadas.

Para agravar ainda mais a situação, a crítica de videojogos Anita Sarkeesian lançou mais um vídeo da sua série Tropes Vs Women, no qual descreve a representação da mulher nos videojogos. Foi o suficiente para juntar mais uma onda violenta de reacções. Não apenas verbalmente mas também com ameaças que puseram em causa a segurança da autora do vídeo, ao ponto de ter que mudar de residência para evitar algo pior. Em resposta às reacções violentas de jogadores ao vídeo publicado por Anita e na sequência do escândalo Zoe, alguns jornalistas, alegando em defesa dos produtores de videojogos e da sua integridade publicaram artigos repugnando o "cyber bulling" e comportamentos sexistas por parte dos "gamers", chegando ao ponto de argumentar que a figura jogador como conhecíamos não existe mais.

Este é o ponto da situação, com um confronto mais evidente entre jornalistas e a comunidade de jogadores, motivado pelas reacções exageradas e violentas destes para com os produtores da indústria. Esta série de episódios culminou esta semana na publicação de uma carta aberta escrita pelo produtor indie Andreas Zecher e subscrita por centenas de produtores de videojogos, dirigida à comunidade de jogadores. E nesta sequência de "episódios" não é menos relevante o "caso" Phill Fish, também envolvido em argumentos violentos de jogadores em resposta a pequenos textos seus no "twitter" pouco abonatórios para a comunidade "gamer", como o não merecimento da sequela de Fez.

Os casos de Zoe Quinn e Phil Fish, apesar de partirem de motivações distintas, representam uma tentativa de quase controlo das suas produções por parte de segmentos da comunidade mais fervorosos. A polémica em torno do suposto favorecimento do jogo de Zoe Quinn é o caso mais flagrante. Desde logo porque é um assunto de natureza particular e nem sequer existe prova bastante da suspeita em como a carreira de Zoe foi efectivamente beneficiada através da relação amorosa que manteve com um jornalista e com um membro de um júri. Não resulta claro que o benefício e avaliação positiva do seu jogo não deixaria de ser atribuído por outros elementos. Além disso, como qualquer assunto que gera polémica, a tendência para a generalização e um pôr em causa a independência e ética de demais jornalistas deflagram e alastram como lume sobre palha seca.

Num tempo de fácil acesso a ferramentas destinadas a produzir jogos para smartphones, tablets, computadores e consolas, antevê-se que ligações dos criadores de jogos a publicações possam beneficiar de um encaminhamento mais rápido dos seus jogos, ganhando eco e cobertura, não se podendo confundir no entanto parcialidade com disponibilidade de informação e cobertura. É o risco destas polémicas, quase sempre exageradas, difusas e sem um fio condutor, partindo de casos isolados e pessoais para os dar como transversais, num tempo de grande aproximação entre os media e comunidade "gamer".

Pese embora a suspeita de violação dos princípios de independência e ética, o que esta polémica revela é uma tentativa de coacção e limitação à liberdade de expressão e opinião. As polémicas em torno de Zoe Quinn, Phil Fish e Anita Sarkeesian partem de contornos distintos mas em qualquer uma as intromissões dos jogadores são abusivas, pouco racionais e pouco motivadas, revelando quase ou nenhuma disposição para perceber a cultura dos videojogos. Se a comunidade gamer clama por mais independência e ética não pode fugir das mesmas regras. Afinal, os videojogos também são um passatempo.

Publicidade

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Mais artigos pelo Vítor Alexandre

Comentários (36)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados