Entrevista com Ashley Johnson - The Last of Us

A atriz norte-americana que dá voz e corpo a Ellie.

No seu primeiro trabalho para um videojogo, Ashley Johnson convenceu e conquistou, arrecadando o prémio Bafta, em 2014, pela melhor actuação, em The Last of Us, com a personagem Ellie. Veni, vidi, vici, talvez seja esta a melhor forma de classificar a sua entrada no mundo dos videojogos, dando corpo e voz a Ellie, uma das personagens principais do jogo da Naughty Dog.

A produção de experiências interactivas cinematográficas e realistas, das quais a Naughty Dog emerge como uma das principais impulsionadoras, dá a oportunidade para que actores e actrizes da indústria cinematográfica emprestem o seu talento e desempenho, tornando mais credível o guião mas também mais realistas e emocionais as "cut-scenes" e dentro do jogo.

O facto da californiana Ashley Johnson ser também uma fã dos jogos da Naughty Dog, terá contribuído para o sucesso da sua participação no jogo, embora o trabalho no estúdio, naqueles moldes, fosse uma descoberta.

Eurogamer: Gostaria de se apresentar aos leitores e comunidade do Eurogamer em Portugal?

Ashley Johnson: Sim, eu chamo-me Ashley Johnson e desempenho o papel de Ellie em The Last of Us e participei também na gravação de voz e captura de movimentos para a personagem.

Eurogamer: The Last of Us foi a primeira produção de videojogos em que participou. Desempenhou anteriormente algum papel que fosse próximo?

Ashley Johnson: Esta é a primeira vez que eu participo num videojogo. Já fiz alguns trabalhos através da gravação de voz, mas nunca estive num videojogo, nem cheguei a fazer captura de movimentos, o que faz desta uma experiência muito diferente.

1

Eurogamer: Atualmente, muitos jogos oferecem experiências realistas e cinematográficas. Como vê a diferença de trabalhar num filme e num videojogo?

Ashley Johnson: Eu penso que actualmente os jogos são criados com recurso às capturas em movimento e a diferença entre esse recurso e a gravação de um filme está, por exemplo, na ausência dos cenários habituais, tens de vestir estes fatos estranhos, com os quais se procede à captura dos movimentos, tens de imaginar o ambiente à tua volta porque não está lá nada. No essencial são essas as diferenças.

Eurogamer: Como foi trabalhar com a Naughty Dog, uma produtora particularmente conhecida pelas suas produções baseadas em argumentos e com uma componente cinematográfica e realista muito forte nos seus jogos? Foi fácil desde o primeiro instante que lhe pediram para desempenhar o papel de Ellie?

Ashley Johnson: Sim, eu já era uma grande fã da Naughty Dog devido à série Uncharted. Quando fiz a audição para The Last of Us e soube que a Naughty Dog era a produtora eu quis mesmo fazer parte, porque adoro os jogos que eles fazem.

Depois, quando entrámos na fase de produção, comecei a ir para o estúdio e a conhecer todas as pessoas envolvidas. A primeira semana de gravação foi contagiante, com um trabalho muito enérgico daquelas fantásticas pessoas e, no final, não posso esconder os elogios à Naughty Dog.

Eurogamer: Nesta versão remasterizada de The Last of Us, teve que gravar novamente?

Ashley Johnson: Bom, nós não fizemos mais gravações. Eles trabalharam em vários aspectos do jogo mas no que respeita às gravações áudio, não regravamos.

2

Eurogamer: Além disso, participou em mais algum elemento desta edição remasterizada?

Ashley Johnson: Na versão remasterizada eles adicionaram muitas coisas. Há um comentário com Neil Druckmann, Troy Baker e eu, onde observamos "cut-scenes" e cinemáticas, e conversamos sobre isso. É algo que nós adicionamos para a versão da PS4.

Eurogamer: Ellie e Joel são as personagens centrais em The Last of Us, que passam por uma grande aproximação mas também por momentos de grande tensão. Como foi trabalhar com Troy Baker e como estabeleceu esse equilíbrio de diferentes personalidades?

Ashley Johnson: O Troy é espantoso, é um actor muito talentoso e, obviamente, já participou em imensos jogos. Ao longo dos dois anos que trabalhamos no jogo ele é quase como família para mim. Aprendi muito com ele e de certa maneira isso afectou a forma como desempenhamos o papel das personagens.

Joel e Ellie têm de ter aquela conexão durante o jogo, pois de outra forma não funcionava.

3

Eurogamer: Referiu dois anos de trabalho no jogo. Ainda é bastante tempo.

Ashley Johnson: Bem, agora que penso melhor nisso. Nós começamos a trabalhar no jogo em 2010, o que é muito perto de três anos. Eu sei que já estava em desenvolvimento pela Naughty Dog alguns anos antes mas a minha participação esteve muito perto dos três anos.

"Eu teria gostado do jogo mesmo que não estivesse nele."

Eurogamer: Disse atrás que tinha jogado a série Uncharted da Naughty Dog. Costuma jogar outros jogos?

Ashley Johnson: Sim, também jogo outros videojogos.

Eurogamer: Como foi quando jogou The Last of Us, ao rever-se na Ellie, mas a comandá-la ao mesmo tempo?

Ashley Johnson: Foi bom. Eu teria gostado do jogo mesmo que não estivesse nele. Foi um pouco estranho ao jogá-lo, porque de certo modo não é a minha imagem, apenas os movimentos e a voz, o que torna a experiência interessante e estranha. Mas de um modo geral eu adoro o jogo e gosto de jogar.

Publicidade

Salta para os comentários (14)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

KartRider: Drift é basicamente um Mario Kart para PC e Xbox One

Será gratuito e tem imensas opções de personalização.

Shenmue 3 é um milagre e o seu criador explica o porquê

Yu Suzuki fala numa paixão que cresce com os pequenos detalhes.

Japoneses fazem fila para Pokémon: Sword e Shield

Lojas abriram mais cedo e têm espaços dedicados.

Comentários (14)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários