Valiant Hearts: The Great War - Análise

Um pedaço de história.

A sensação com que fico ao olhar para Valiant Hearts: The Great War é que o estúdio Ubisoft Montpellier simplesmente não consegue falhar sempre que usa o seu motor UbiArt Framework. Estamos afinal de contas a falar no estúdio e no motor interno que nos trouxeram os fenomenais Rayman Origins e Rayman Legends que tanta injeção de vivacidade deram aos jogos de plataformas. Depois de aclamado e consagrado, o motor foi utilizado em Child of Light pelo Ubisoft Montreal e conseguiu diversificar o potencial do motor levando-nos a novos parâmetros que provavelmente nem imaginaríamos possíveis olhando apenas para Rayman.

Provada a capacidade do motor para ir além do tom visual de Rayman conseguindo na mesma ostentar a sensação de um produto todo ele desenhado à mão, é inevitável que comece a análise a Valiant Hearts introduzindo primeiro o seu motor. Aliás, acredito que seja algo já normal e esperado pois o seu impacto na experiência é incontornável e por demais evidente. Isto porque a ideia de um produto cujos visuais foram cuidadosamente desenhados à mão é parte importante da alma deste novo produto da Ubisoft. A ideia de estarmos perante uma banda desenhada Franco-Belga é um dos elementos mais definidores da sua essência.

A guerra é algo feio, algo cruel e duro. A guerra é algo completamente desumano que felizmente a maior parte da população jamais irá conhecer. Provavelmente o maior feito do Ubisoft Montpellier neste Valiant Hearts é quase nos fazer esquecer que estamos a conhecer eventos inspirados e decorridos na Primeira Guerra Mundial pois existe diversidade e profundidade suficiente na história para nos fazer sentir bem e envolvidos. Apesar dos cenários consistirem na sua grande maioria em trincheiras ou locais devastados pela guerra, a humanidade presente neste conto é o seu maior triunfo.

Estes são os bravos corações numa aterrorizante guerra.

Inspirado em cartas reais partilhadas durante esta guerra, Valiant Hearts é um jogo no qual iremos resolver quebra-cabeças para progredir na narrativa. Cenários em 2D nos quais teremos que ultrapassar o obstáculo presente que nos impede de avançar mas infelizmente o desafio é raro. Existem pistas que podemos escolher ver ou não mas toda a informação visual é altamente competente para mostrar de forma intuitiva e fluída o que teremos que fazer. De igual forma, quase todos os quebra-cabeça estão contextualizados com o momento específico que estamos a enfrentar portanto torna-se quase instantaneamente óbvio a ação a executar.

O tom light permite que se instale a sensação dessa mesma banda desenhada que fica sugerida pelos visuais. Temos um tema série, um jovem Alemão que é obrigado a voltar para a Alemanha para combater numa guerra. Em França deixa a sua amada, um filho recém nascido e um sogro que o via como um filho. Esse sogro, é também ele obrigado a entrar na guerra e depois de conhecer um amigo Norte Americano, envolvem-se nas mais diversas aventuras ao longo de vários anos. É agradável ver Valiant Hearts, não me canso de referir, o problema é quando percebemos que não existe qualquer desafio.

Frequentemente temos níveis nos quais simplesmente temos que seguir em frente e executar uma qualquer ação para triunfar perante um obstáculo. Raramente temos um quebra-cabeças que nos faça pensar muito ou sequer perder muito tempo a pensar nele. A sensação que fica foi que de forma alguma quiseram desafiar o jogador a ponto de este se sentir ameaçado ou com desejo de parar de jogar. É tudo muito simples, muito direto, enquanto o jogo espera que o jogador fique envolvido com toda a alma do produto em si. As mecânicas parecem apenas existem para criar alguma interatividade.

Nos níveis em que sentimos que a visão do estúdio é executada em pleno, percebemos o valor das mecânicas de jogo, das funcionalidades que o gameplay tenta apresentar. Enquanto podemos facilmente separar os diversos elementos que o compõe e destacar um ou dois como mais fortes, é a combinação de todos que resulta da forma desejada e pretendida. Percorrer as diversas cidades de França mostra bons momentos mas no final do jogo fica a ideia que poderia ter sido muito mais apesar de o tom não ser propriamente errado ou de deitar fora.

Valiant Hearts brilha mesmo nos seus visuais que conseguem ser tudo o que queriam. Uma espécie de BD que capta toda a emoção e sentimento que este grupo pretendeu inserir no seu produto. Tendo em conta o forte empenho para apresentar factos históricos com sentimentalismo e para, através de textos acompanhados de fotos reais, aprofundar melhor os eventos factuais e os tentar contextualizar no jogo quando são utilizados como ferramentas de jogo, fica a ideia que Valiant Hearts é uma homenagem aos heróis esquecidos que travaram essa Primeira Grande Guerra. O jogador diverte-se imenso a jogar Valiant Hearts e a conhecer os diferentes cenários, ou a aprofundar os personagens apesar de estes raramente falarem, mas quando dá por ela o processo é todo ele praticamente igual de uma ponta à outra. Rapidamente se apercebe que existem itens históricos espalhados pelos níveis e que este é o processo de gameplay que será o único e principal responsável para voltarem a jogar.

Em cerca de 5 horas conseguem terminar o jogo, com praticamente 70/80% dos Troféus ou Conquistas, a partir daí trata-se de repetir alguns níveis que incluem feitos específicos e procurar os itens que nos escaparam. Dificilmente vão encontrar um nível que vos deixe vontade de o voltar a jogar só pelo prazer de tal. É algo que está inerente a estes jogos, descobrir as soluções para os quebra-cabeças é o objetivo e assim que desfeita a "magia" estamos simplesmente a repetir processos sem qualquer tipo de recompensa.

Valiant Hearts vale pela sua alma, vale pela sua fantástica capacidade de agarrar o jogador e na sua simplicidade o envolver na jornada emocionante de quatro personagens. Tem todo o tom de uma banda desenhada, uma boa produção e certamente teve no seu cerne um grupo dedicado de trabalhadores que desejou homenagear heróis de outrora. É um daqueles jogos que me deixa sempre um sabor amargo na hora de os analisar. Não fazem nada propriamente mal e até conseguem ter condimentos fantásticos mas que não evita deixar a sensação que mais deveria ter sido feito. Se as mecânicas de jogo e meio de progressão tivessem sido explorados de forma a dificultar de forma inteligente e válida o jogador, se houvessem mais recompensas e mecanismos para tornar interessante repetir os níveis e então seria fantástico.

Valiant Hearts: The Great War tem todo o mérito de pelo seu visual e pela sua narrativa conseguir oferecer uma história que consegue ser até bem humorada e até adorável mesmo decorrendo num dos períodos mais negros da humanidade. Dificilmente vão encontrar obstáculos a sério, a longevidade é aceitável e a vontade de jogar uma segunda vez é praticamente inexistente mas ainda assim, estes pesados condimentos encontram na balança o equilíbrio de outros bons feitos. A incrível sensação de uma banda desenhada Franco-Belga transformada de forma inteligente em videojogo é um dos seus feitos que melhores recordações me irá deixar.

7 /10

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (13)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (13)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários