ATUALIZADO: Parece que as razões que a Ubisoft apresentou para não incluir personagens jogáveis femininas não foram bem aceites, chegando ao ponto de um dos ex-funcionários da companhia francesa dizer que a mesma não está a dizer a verdade.

Jonathan Cooper, ex-funcionário da Ubisoft que trabalhou em Assassin's Creed III, contou no seu Twitter que acrescentar personagens femininos ao jogo não demoraria às equipas mais de dois dias.

"Na minha educada opinião, eu estimaria que isso seria um trabalho de um a dois dias," disse Cooper que agora trabalha na Naughty Dog. "Não é necessário uma substituição de 8 mil animações. Se eu tivesse um dólar por cada vez que a Ubisoft tentou vir com tretas para cima de mim sobre tecnologia de animação. "

"A Aveline de Liberation partilha mais animações de Connor Kenway de Assassin's Creed 3 do que Edward Kenway de Assassin's Creed 4."

Cooper momentos depois usou a sua conta do Twitter para falar sobre o ultimo protótipo em que tinha trabalhado para Assassin's Creed, "Colocando o teu nome como Aleissia permitia-te jogar como um personagem feminino."

A Ubisoft mais tarde enviou um comunicado sobre este assunto onde se podia ler: "Reconhecemos que existe uma preocupação valida em torno da diversidade narrativa do jogo. Assassin's Creed está a ser desenvolvido por uma equipa multi-cultural com várias religiões e crenças e esperamos que esta atenção à diversidade seja reflectida nas características dos nossos jogos e nos nossos personagens."

"Assassin's Creed Unity está focado na história do personagem principal, Arno. Quer jogues sozinho ou em modo cooperativo, tu como jogadores estarás sempre a jogar como Arno, com o seu amplo e variado conjunto de armaduras e habilidades que te farão sentir único."

"No que diz respeito à variedade dos nossos Assassinos jogáveis, tivemos a Aveline, o Connor, o Adewale e o Altair nos jogos Assassin's Creed e iremos continuar a tentar mostrar personagens diversos. Estamos ansiosos por apresentar-vos alguns dos personagens femininos fortes de Assassin's Creed Unity."

ORIGINAL: Numa entrevista com o Videogamer, James Therien, director técnico da Ubisoft para o desenvolvimento de Assassin's Creed: Unity, falou sobre a ausência de personagens femininos jogáveis no jogo.

"Estava na nossa lista de coisas a fazer até há muito pouco tempo, mas é uma questão de foco e produção," explicou Therien. "Queríamos garantir que tínhamos a melhor experiência para o personagem. Um personagem feminino significa que tens de refazer uma série sd animações, muitas roupas... Teríamos duplicado o trabalho em torno de tudo isso."

"Quero dizer com isto que ter uma mulher entre os protagonistas era algo que a equipa queria muito, mas tivemos que tomar uma decisão. É lamentável, mas é a realidade do desenvolvimento dos videojogos," comentou.

Uma vez que o jogo está a ser desenvolvido por vários estúdios da Ubisoft, o site apresentou o cenário da comunidade não aceitar bem essa explicação, ao que Therien respondeu:

“Gostaria de esclarecer que neste caso não se trata de uma questão de filosofia ou escolha. Sim, temos muitos recursos, mas estamos usá-los para este jogo, e temos equipas enormes, nove estúdios a trabalhar neste jogo e precisamos que todas essas pessoas façam aquilo que estamos realizar actualmente."

Assassin's Creed Unity será lançado no dia 28 de outubro no PC, PlayStation 4 e Xbox One.

Publicidade

Sobre o Autor

Luís Alves

Luís Alves

Colaborador

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.