Entrevista a Nick Channon

Conversamos em Madrid com o produtor-chefe de FIFA 15

Nick Channon é o produtor-chefe de FIFA 15 e voltamos a encontrá-lo em Madrid, neste primeiro olhar sobre FIFA 15. FIFA 14 alcançou uma impressionante marca no Metacritc, um site agregador de análises, registando aí uma média de 87 e 88 em 100. Porém, o desafio passa por continuar a crescer e por dar ao novo FIFA uma nova apresentação e aos jogadores um jogo que lhes permita sentir o futebol. Com uma demonstração disponível que tivemos a possibilidade de jogar, por enquanto não nos foi possível obter informações sobre modos de jogo e outras funções que não estejam relacionadas com a jogabilidade e apresentação. Mesmo assim, temos já uma boa definição sobre o futebol virtual apresentado pela EA Sports para a próxima temporada.

Eurogamer.pt: Eu estive a jogar FIFA 15 por um bocado e fiquei com a sensação de que o jogo até parece mais rápido.

Nick Channon: Bom, a velocidade do jogo não mudou. Fizemos ajustes na resposta dos comandos mas o jogo tem a mesma velocidade. O que está é mais fluído e responsivo.

Eurogamer.pt: Outro detalhe que verifiquei é que para além dos novos movimentos dos jogadores, os seus contextos e objectivos foram alargados, o que gera mais alguma imprevisibilidade em lances ofensivos.

Nick Channon: Sim, uma das grandes mudanças este ano foi a redefinição que demos a certos sistemas. Anteriormente os jogadores tomavam certas decisões dentro de uma lógica de frame-rate. Com novo hardware nós passamos a dispor de mais processamento e podemos fazer coisas que até aqui não eram possíveis. Conseguimos tornar os jogadores mais inteligentes. Uma das coisas que queríamos fazer era tornar o comportamento dos jogadores mais humano. Por exemplo, se estiveres a jogar contra outra pessoa e a perder por 1-0, vais naturalmente mudar a forma de jogar e nós procuramos implementar essas reacções nos jogadores. Isso faz parte de uma das grandes mudanças para este ano.

Eurogamer.pt: Este ano FIFA apresenta-se muito forte do ponto de vista da apresentação e do que é sentir o jogo. Transportar toda a emoção foi uma das apostas para FIFA 15?

Nick Channon: É importante tornar o jogo mais fluído, conseguir que os jogadores se movimentem melhor e registo que tenhas verificado isso, é algo que queríamos para o jogo. Mas para mim, o futebol é o desporto mais emotivo do mundo. Há tanta paixão no futebol, tanta emoção que contagia a atmosfera no estádio e que se transmite aos jogadores. Ao criarmos o sistema de emoções, os jogadores são absorvidos por essa paixão. Eu penso que isso leva o jogo a outro nível

Eurogamer.pt: E depois há as claques, com o seu papel de apoio. Isto é uma tentativa para tornar o jogo de futebol mais atractivo?

Nick Channon: Sim, as claques são muito mais inteligentes este ano e também por isso o jogo está diferente. Não estamos só a falar no papel da inteligência artificial e como isso afecta o jogo mas também na atmosfera sentida no estádio que torna o jogo diferente cada vez que há um novo desafio.

Eurogamer.pt: Algumas claques receberam tratamento especial e podem servir até de incentivo para que o jogador opte por jogar com uma dessas equipas.

Nick Channon: Sim, o Liverpool tem o tema tradicional "you'll never walk alone". Uma das coisas é que isso tem influência sobre a intensidade de jogo.

Eurogamer.pt: O novo sistema de emoções dos jogadores produz novos comportamentos. Um avançado que falhe um golo é advertido pelos colegas e manifesta aquela reacção de desconsolo.

Nick Channon: Nós não quisemos seguir o modelo de mudanças dramáticas dentro da jogabilidade porque é algo perigoso de fazer e pode ser frustrante. Por isso optamos por modificar do lado visual e das animações, daí que essas mudanças sejam sobretudo nesse sentido, do contexto visual. Mais do que isso poderia afectar a jogabilidade.

Eurogamer.pt: Do ponto de vista do grafismo e dos visuais, o jogo está mais atractivo e bonito. Foi uma fasquia que impuseram quando começaram a trabalhar no jogo?

Nick Channon: O que nós mostramos só podia ser atingido com uma nova geração de consolas, é muito mais intenso e anteriormente não tínhamos o mesmo nível de processamento. Estamos a trabalhar neste jogo há 18 meses e os visuais operam uma mudança drástica. As emoções adquirem uma nova visibilidade. Os detalhes também prosseguem, como por exemplo ao nível dos efeitos de luz e também relvado. Agora os jogadores deixam ficar pegadas e isso é mais convincente.

Publicidade

Salta para os comentários (0)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

A Juventus é exclusiva do PES 2020

Será o único jogo com o nome do clube, o emblema e estádio.

PES 2020 - Demo chegará a 30 de Julho

Arsenal, FC Barcelona, Palmeiras, Flamengo e mais.

FIFA 18 - As melhores promessas e estrelas escondidas

Os jogadores melhores e com mais potencial com menos de 21 anos.

PES 2020 não terá o Liverpool licenciado

O contracto com a Konami terminou.

PES 2020 - Data de lançamento, Gameplay, Trailer - Tudo o que sabemos

O que esperar do novo simulador de futebol da Konami?

Comentários (0)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários