A Arte da Ilusão - a E3 está a chegar

A era em que temos a "nossa E3".

Eis chegada a tão desejada altura do ano. Junho, outrora significado de praia, férias para alguns, e calor a acompanhar dias de céu azul, é para outros tantos significado de Electronic Entertainment Expo, ou seja E3. É aquela altura do ano em que iremos tentar perceber em cerca de uma semana como serão os restantes seis meses do ano e quais as melhores escolhas a fazer já para ter as melhores prendas na árvore de Natal. O drama, o drama.

Claro que a E3 é também uma espécie de ida à Disneyland, uma terra mágica onde as ilusões e magias são apresentadas aos que já não são meninos mas ainda gostam e se sentem vivos com o que os encantava quando ainda o eram. Apesar de todo o espetáculo e toda a pompa do showbiz que existe em Los Angeles nestes dias, pelo menos naquele pavilhão em específico pois o resto deve ser o mesmo igual a todo o ano, a história tem-nos ensinado que o aparato é todo muito bonito para as editoras se colocarem em primeiro plano, mas o que interessa primariamente são os jogos.

Na grande maioria dos sites, fóruns ou o que quer que seja, o foco está todo concentrado nos jogos e apesar das editoras estarem a tentar equilibrar a balança, piscando um olho aos investidores e acionistas com fogos de artifício, e piscando o outro aos jogadores com o máximo que podem mostrar no tempo disponível na antecipação e preparação ao evento, são os consumidores e imprensa dedicados que irão passar mais tempo a medir o pulso das apresentações.

Claro que ter todas as principais cadeias de televisão Norte Americanas, e de todo o mundo até, a passar imagens das novas propostas Microsoft, Sony e Nintendo em horário nobre a custo zero é uma excelente promoção, mas apenas para quem não está atento e não se interessa a sério por esta indústria. Os que seguem fielmente este seu acarinhado passatempo sabem o que precisam bem antes dessa peça noticiosa. Ao ponto de ser o consumidor que decide o que quer ver e quando.

Desde 1998 que sinto um grande fascínio pela E3, desde que li um artigo numa revista Espanhola dedicado a Hideo Kojima e ao seu então aguardado Metal Gear Solid. Alguns certamente sabem como era a altura na qual tínhamos que esperar semanas pelos artigos das revistas especializadas e a informação era selecionada. Agora, com toda a facilidade da comunicação dos dias de hoje, não só temos a informação na hora, verdadeiramente ao segundo quase, como podemos selecionar a informação que se identifica com os nossos gostos, ou seja, ter a "nossa E3".

Enquanto longos anos foram passados à espera de informações de Shenmue, Final Fantasy X, Super Mario Sunshine ou Ninja Gaiden, apenas para referir alguns anos e até lembrar uma altura em que também a SEGA promovia a sua consola, só mesmo em 2005 a E3 começou a assumir a forma que tem hoje, no sentido de acontecimento global imediato. Foi o primeiro ano em que foi transmitida para todo o mundo e no qual me sentei em frente ao PC a ver a apresentação da Xbox 360 da Microsoft, da Revolution da Nintendo e da PlayStation 3 da Sony.

A E3 da infâmia, como alguns certamente se lembram, muito por culpa da Sony principalmente, com os seus vídeos PlayStation 3 pré-renderizados, assentou as fundações para os próximos oito anos. Desde então o foco tem estado na apresentação de jogos, títulos de peso com capacidade para vender consolas, acordos ou parcerias entre editoras de jogos e fabricantes de consolas, serviços multimédia, funcionalidades sociais ou online e claro, nesse tão e mais importante ponto, os videojogos.

Gears of War, Mario Galaxy, Resistance, The Legend of Zelda: Twilight Princess, MotorStorm, Final Fantasy XIII, BioShock, Call of Duty: Modern Warfare, Wii Fit, Killzone 2, Forza 4 e uma lista infindável de jogos que poderia referir foram todos apresentados ou destacados na E3 ao longo dos anos e ajudaram a definir esta indústria. Tal como os jogos, os anúncios importantes passaram pelos preços ou datas de lançamento das consolas e pela apresentação de serviços.

No entanto, atualmente o panorama mudou e existe um foco nos serviços multimédia, na combinação e integração de serviços extra jogos nas consolas dedicadas assim como uma forte presença dos jogos indie e mobile. "Pequenos" elementos que podem deixar os mais ferrenhos e dedicados um pouco desnorteados, especialmente quando passaram os últimos anos a ver companhias a apresentar controlos de movimento, serviços de vídeo e TV, subscrições para serviços de oferta de conteúdos, e jogos sociais para telemóveis a conquistarem destaque (imaginem que voltavam no tempo e diziam ao vosso eu numa altura que desejarem que uma das melhores séries destes últimos anos, de seu nome Deus EX: Human Revolution, iria regressar em jogo para smartphone e tablets)!

Assim sendo, é completamente normal que os adeptos dos videojogos estejam reticentes mas encorajados, basta olhar para as mais recentes indicações das editoras, fabricantes e estúdios. Sem a momento algum esquecer os baldes de água fria dos anos mais recentes. Com a PlayStation 4 e Xbox One a apresentarem-se pela primeira vez aos jornalistas e público em formato jogável, com o acerto dos detalhes principais que ainda faltam (datas e preços) e a apresentação de jogos disponibilizados nos meses de lançamento, é fácil perceber porque é que estas duas "casas" tem os seus seguidores mais do que atentos.

A Nintendo por seu lado tem a Nintendo Wii U para promover, e mesmo a sua decisão de não levar a cabo uma conferência dedicada não parece prejudicial para os jogadores. A Nintendo pode estar a perder audiência casual em horário nobre na CNN, FOX News, NBC e outras, mas está a garantir que poupa nos custos e chega na mesma ao seu público dedicado com os seus Nintendo Direct, mas primeiro vamos por partes.

A danosa e desastrosa apresentação da Xbox One foi tudo menos acidental por parte da Microsoft. Foi o que consideraria um risco calculado para colocar a consola no centro das atenções. Há muito que a Xbox 360 vem sendo apregoada como centro multimédia e tal parece continuar. Quando uma fabricante de consolas apresenta a sua principal série em formato televisivo e não em videojogo, é normal que a confusão se instale nas mentes dos jogadores. Mas tudo parece ser parte do plano da Microsoft para conquistar um público mais abrangente porque aliar Steven Spielberg a Halo é fascinante, não o podem negar.

Provavelmente os jogadores ficaram a pensar, 'faz tudo menos oferecer jogos', apesar de Quantum Break e Forza 5 mostrarem um pouco do que pode ser feito na Xbox One. A Microsoft prepara-se agora para sacar de todas as cartas e apresentar os principais jogos do lançamento da Xbox One para o final do ano e a esperança é que a sua capacidade seja reconhecida e atestada.

A fuga de informações sobre Titanfall, exclusivo Microsoft, do estúdio responsável por Modern Warfare, e a insistente procura de novidades antes do evento que oferece as novidades, é um exemplo que denota bem o quão ansiosos e impacientes os consumidores desta indústria se tornaram. Quase ao ponto de quererem a notícia antes do facto noticiado ter sequer acontecido. Algo assim. Numa era em que existe uma procura para saber tudo previamente, torna-se mais complicado ser surpreendido ou do outro lado, surpreender.

Salta para os comentários (47)

Jogos em destaque neste artigo

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

ArtigoQual a sensação de jogar The Last of Us: Part 2?

As nossas primeiras impressões da versão final.

Sony, Microsoft, Riot Games e Bethesda unidas contra o racismo

"Todas as vidas não importam até que as vidas dos negros importem"

Codemasters adquire a licença WRC

Acordo de 5 anos arrancará em 2023.

Também no site...

ArtigoQual a sensação de jogar The Last of Us: Part 2?

As nossas primeiras impressões da versão final.

Codemasters adquire a licença WRC

Acordo de 5 anos arrancará em 2023.

David Ayer diz que o seu Suicide Squad foi transformado numa comédia

A sua versão tinha inspirações nos filmes de Nolan.

Minecraft Dungeons terá crossplay

Primeiro DLC chegará em Julho.

Comentários (47)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários