Animal Crossing: New Leaf - Mesa Redonda

Estivémos em Londres com a directora e produtor do novo jogo para a 3DS.

A convite da Nintendo viajamos até Londres, mais precisamente a South Kensington, para uma mesa redonda com Aya Kyogoku e Tatsuya Euguchi, diretora e produtor, respetivamente, do jogo Animal Crossing: New Leaf, para a Nintendo 3DS. O evento decorreu numa sala de um luxuoso hotel londrino clássico, tendo sido montado para o efeito um cenário alusivo, onde abundavam objetos, gravuras, quadros, doces, bolachas da sorte, doces e muitos bonecos de peluche dos pequenos animais que preenchem o mundo Animal Crossing. Bem que tentámos trazer um Mr Resetti, mas só nos foi possível obter a informação de que estes bonecos podem ser adquiridos por via de lojas como a Amazon japonesa. Por instantes, era como se tivéssemos dentro do próprio jogo e, para responder às nossas questões, impressões e ideias sobre as funcionalidades do jogo, estavam diante de nós os responsáveis que fazem deste jogo um título altamente popular e bem sucedido no Japão.

1
Foi nesta sala que a Nintendo nos recebeu para a mesa redonda.

Esperando que a audiência ocidental possa compreender melhor e saber mais sobre este simulador que brinca com a vida real, os produtores presentes esforçaram-se por revelar as grandes funcionalidades de Animal Crossing: New Leaf. Entre elas está a nova atribuição delegada no jogador; o papel de presidente da edilidade que gere a vila. Destacado como titular máximo de uma povoação repleta de animais, às funções anteriores que lhe estavam incumbidas e que faziam parte das atividades do dia-a-dia, acrescem agora importantes decisões como são as obras públicas e as leis que definem o funcionamento das lojas instaladas na vila.

"New Leaf marca praticamente um "reset" na série. Não deixando de ser um Animal Crossing que traz consigo todo um legado especial e conhecido dos fãs."

New Leaf marca praticamente um "reset" na série. Não deixando de ser um Animal Crossing que traz consigo todo um legado especial e conhecido dos fãs, opera também uma divisão muito clara sobre os três jogos até agora disponibilizados. Desde o primeiro jogo lançado para a Nintendo 64, que um Animal Crossing não recebia tantas alterações. O desenvolvimento para a Nintendo 3DS terá facilitado a tarefa dos produtores na busca por novas ideias e por um incremento de objetos e móveis, mas também serviu de inspiração para superar as expectativas dos jogadores japoneses, tidos como a audiência referência nesta produção.

3
Isabelle será a nossa assistente nas tarefas ligadas à presidência da vila.

Parece-nos, porém que também existe um interesse claro em oferecer algo mais para a audiência ocidental. O respeito por tradições e eventos dos europeus e norte-americanos assinalados no calendário, é revelador da intenção em destacar significados culturais e não apenas os japoneses. A partilha dos calendários e festividades representa assim um estreitar de culturas, manifestado nos objetos que ganham relevância e que os jogadores poderão trocar e comprar a partir de funções como SpotPass e StreetPass.

Com efeito, a facilidade com que se liga uma 3DS à internet, estreita ainda mais a troca de dados entre os jogadores e cria uma maior necessidade de desenvolvimento da vila. Porque no final as possibilidades são quase ilimitadas e porque existe um conteúdo novo que se expandiu até aos 50%, este é daqueles raros jogos que não se termina numa semana ou num mês. Como uma experiência que se prolonga ao longo do ano e que funciona em tempo real, as constantes solicitações dos amigos para troca de items e acesso a novas peças de mobiliário, promovem muito mais o conceito do jogo e garantem-lhe uma expansão até hoje não concretizada.

Uma vila totalmente personalizada

Apesar do novo papel atribuído ao jogador, agora como presidente da vila, é a partir da casa que solicitamos na loja do Tom Nook, que vamos juntando peças de mobiliário, entre muitos objetos que recolhem as nossas preferências. Mas também é importante a decoração e o aspecto exterior da casa. Podemos até escolher o exato sítio onde a pretendemos implantar.

2
A diretora do jogo mostra-nos como está desenvolvida a sua vila.

Aya Kyogoku, a diretora de New Leaf, mostra-nos a sua vila e como a mesma está tão desenvolvida. Existem novas lojas, muitos pavimentos, flores alinhadas em zonas envolventes aos passeios e bastantes obras públicas concretizadas. Até parece que nem estamos a ver o mesmo jogo. Isso ilustra, desde logo, quão grandes são as possibilidades de desenvolvimento de uma vila em Animal Crossing. Um dos poderes que o jogador tem é a hipótese de mudar as cores de certos fundos e criar os seus designs. Desde os padrões da roupa que veste, até ao telhado e cores da parede da casa, tudo é personalizável e até podemos usar as obras públicas para retirarmos algum proveito: "enquanto detentora da função de mayor, devia ter colocado os postes públicos de modo a favorecer os residentes e habitantes da vila, mas acabei por colocá-lo à volta da minha casa, para a tornar mais bonita."

Em jeito de visita guiada, Aya Kyogoku mostra-nos a praia no sul da vila. Depois de chegar ao areal temos um pequeno cais onde, não desde o começo do jogo, mas a partir de uma fase mais avançada, estará o barco a motor de Kapnn, a personagem que nos levará até uma ilha tropical onde podemos jogar mini-jogos. "Claro que podem ir pela vossa iniciativa até à ilha e jogarem lá os mini jogos, mas se tiverem alguém a visitar a vila podem ir juntos e conectar-se com outras pessoas", salienta Kyogoku.

Diante dos produtores, numa mesa rodeada por jornalistas, estão três livros. Dois deles deveras volumosos Por se encontrarem em japonês, tivemos dificuldade em descobrir o seu conteúdo, mas enquanto os folheávamos, explicaram-nos que o seu sucesso no Japão é grande. Não só funcionam como guias, como disponibilizam códigos de realidade aumentada para novas personagens e designs exclusivos.

Salta para os comentários (9)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (9)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários