John Riccitiello da EA sobre atual clima político

Não é sobre os jogos mas sim um problema de perceção.

John Riccitiello, CEO da Electronic Arts, respondeu a uma questão sobre a atual controvérsia sobre a violência com armas de fogo e os videojogos na mais recente conferência de investidores da sua companhia.

Riccitiello disse que esperava não ter que responder a esta questão, mas revela que toda a controvérsia não tem suavizado as vendas no sector dos jogos de tiro na primeira pessoa.

"Diria que tenho um ponto de vista vantajoso ou único, por trabalhar na EA e pertencer à ESRB e ESA. Tenho uma exposição razoável aos acontecimentos em Washington. Quero sublinhar o primeiro ponto. A indústria dos jogos é uma indústria muito madura, uma indústria responsável, mais do que podem imaginar."

"Primeiro, estamos muito confiantes na qualidade do nosso conteúdo e na falta de real ligação factual a qualquer violência que acontece na América e mercados em redor do mundo. Portanto não existem dúvidas que nós, como vocês, ficamos espantados e horrorizados com a violência em Connecticut e no Colorado e noutro lado - em muitos outros lados ao longo dos anos. Mas existe uma enorme quantidade de pesquisa feita no campo do entretenimento à procura de ligações entre conteúdo de entretenimento e violência real. E não encontraram nenhuma."

"Podia dar-te longas histórias sobre como pessoas na Dinamarca ou Reino Unido ou Irlanda ou Canadá consomem tanto ou mais jogos violentos e media violento quanto nos Estados Unidos da América, e ainda assim têm uma incidência infinitamente mais pequena de incidentes de violência com armas, mas esse não é mesmo o ponto. O ponto é que estudos diretos que foram feitos, milhares de milhões de dólares em pesquisa, foram incapazes de encontrar uma ligação porque não existe uma. E isso foi até ao Supremo Tribunal neste passado Verão."

"Um número de pessoas sumarizaram os dados disponíveis, providenciaram-nos ao Supremo Tribunal, e o Supremo Tribunal foi a seu favor, dizendo basicamente que merecemos todos os direitos de liberdade da Primeira Emenda que estão acordados a qualquer media. E a parte importante disso, penso eu, ficaram convencidos com as provas que lhes foram apresentadas em todos esses estudos."

"Agora, tendo dito tudo isto, e com toda, se permitem, humildade sobre o mundo no qual vivemos, compreendemos que apesar de não haver um problema real, dado todo o apontar de dedo a decorrer na imprensa, parece haver a perceção de um problema, e temos que lutar contra isso."

"Não é sobre os jogos. Existe um problema de perceção. Podemos ser parte da solução, e estamos prontos para estar à altura de tal," disse Riccitiello, afirmando que a EA quer ser parte da solução a favor dos videojogos na atual perceção política de estes causarem violência.

Salta para os comentários (4)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Metro Exodus - Quais as melhores armas do jogo?

Explicamos-te ainda como personalizar e limpar as tuas armas.

Metro Exodus - Todas as localizações dos Postais

Descobre a localização dos 21 postais em Metro Exodus.

Metro Exodus - Onde procurar todos os Diários

Onde encontrar as 71 páginas de Diário em Metro Exodus.

Comentários (4)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários