Dragon Ball Z: Budokai HD Collection - Análise

Estão com saudades dos bons velhos tempos da PlayStation 2?

Parece incrível, quase impossível até, mas ainda não houve um único jogo de Dragon Ball nesta geração de consolas que fosse capaz de deixar os fãs satisfeitos. O que fazer então? Bem, o que a Namco Bandai decidiu fazer foi pegar nos títulos da PlayStation 2, que são indiscutivelmente os melhores jogos já lançados de Son Goku e companhia, e remasterizá-los em alta-definição. Esta não é talvez a melhor decisão para revitalizar uma série que está em decadência, mas pelo menos será uma melhor proposta que os títulos dececionantes que são lançados de ano para ano, ou assim parece.

O que vão receber, se por acaso decidiram comprar esta compilação, é Dragon Ball Z Budukai e Dragon Ball Z Budukai 3 em alta-definição, nada mais. Excluindo o aumento de resolução e melhoramento de texturas, que lhes garantem não fazer más figuras nas televisões de alta-definição, os jogos foram deixados intactos como eram na PlayStation 2. Não há multijogador online, nem a banda sonora japonesa (que é aquela que foi transmitida com o anime em Portugal).

Dragon Ball Z: Budokai HD Collection pode ser considerada como um fan service da Namco Bandai. Fartos de receber jogos que ficam aquém das expectativas, o fãs do anime acabaram por pedir que se lançassem os jogos da PlayStation 2 em alta-definição, e a Namco Bandai cumpriu. É, porém, é dececionante ver que pouca atenção foi dada a esta HD Collection. Nem sequer houve consideração para incluir uma opção de regressar ao menu de escolha, onde escolhem se querem jogar Budokai ou Budokai 3, e nos menus de cada jogo estão duas barras laterais para disfarçar que a imagem não foi re-trabalhada para preencher todo o ecrã da televisão. São coisas menores, mas que deixam uma impressão negativa.

Continuando, é no mínimo estranho que a Namco Bandai tenha deixado de fora Ball Z Budukai 2, que afinal de contas faz parte da trilogia Budokai, mas mais estranho ainda é optar por incluir numa coletânea dois jogos que são muito idênticos. Em outras coletâneas em alta-definição faz sentido incluir dois ou três jogos de uma série porque fazem parte de uma estória, como é o caso de God of War ou Prince of Persia, ou outros jogos. Este não é o caso. Todos os jogos Dragon Ball tentam recriar e permanecer fieis à estória do anime, pelo que esta é sempre a mesma. Além do mais, Budokai 3 é a evolução do estilo de jogo introduzido pelo primeiro Budokai, provocando uma perda de interesse no primeiro jogo, que oferece uma jogabilidade mais limitada e pior aspeto visual que Budokai 3.

Faria muito mais sentido retirar o primeiro Budokai desta coletânea e substitui-lo por Dragon Ball: Budokai Tenkaichi 3, que representa outro ponto alto dos jogos Dragon Ball na PlayStation 2, para além de que apresenta um estilo de jogo e mecânicas completamente diferentes da série Budokai. Talvez a Namco Bandai não tenha feito isto porque está a planear lançar uma coletânea em alta-definição de Dragon Ball Tenkaichi, se bem que duas coletâneas de Dragon Ball não faça muito sentido.

Sobre os jogos em si, um dos elogios que podem ser feitos é que não dão a sensação de serem antigos. O visual do primeiro Budokai denuncia-o, mas a jogabilidade não está má. Como já foi dito, Budokai 3 é superior e recria de uma forma melhor os combates intensos e espetaculares de Dragon Ball. É um jogo mais difícil do que parece. Dominar a mecânica de esquivar um ataque e de seguida fazer tele-transporte para as costas do inimigo para contra-atacar demora o seu tempo. É necessária uma atenção constante à barra do Ki quando transformados em Super Saiyan para não haver um regresso ao estado normal. E o ritmo que o jogo impõe é elevado.

Onde os dois jogos se distinguem é no modo estória, que no primeiro Budokai segue sem interrupções os eventos de anime, ainda que de forma muito resumida, e combatemos sempre na pele de Son Goku. O modo Dragon Universe tem uma perspetiva mais abrangente da estória de Dragon Ball e deixa-nos jogar com mais personagens para além de Son Goku, e conta com bem mais conteúdos para desbloquear.

"Foi uma surpresa agradável regressar aos jogos Dragon Ball Z da PlayStation 2 com Budokai HD Collection, mas por mais que tente, e sendo um fã incondicional de Dragon Ball, não me consigo convencer que esta proposta ofereça muito valor pelo dinheiro pedido"

No número de personagens jogáveis, ambos os jogos podem desiludir quando comparados com a série Tenkaichi, que no último jogo, Tenkaichi 3, tinha mais de 150. O primeiro Budokai tem pouco mais de 20 personagens para escolher, enquanto que Budokai 3 está acima das 40. Para um jogo de luta, não está mau, mas se contarmos as personagens do universo Dragon Ball, passa a ser um número pequeno. Pelo lado positivo, todas as personagens mais famosas estão presentes, inclusive algumas de Dragon Ball GT, que têm sido deixadas de fora nos jogos lançados para a PlayStation 3 e Xbox 360.

Na transição para as consolas em alta-definição, o primeiro Budokai faz uma má figura, enquanto que Budokai 3 destaca-se pela positiva com modelos de personagens mais detalhados e fieis ao anime, melhores cenários e em geral com uma palete de cores mais viva. Aqui sobressai mais uma vez a sensação de que o primeiro Budokai pouco interesse tem nesta compilação, e que seria de maior valor incluir outro jogo, como o já referido Tenkaichi 3. É estranho que enquanto estamos a jogar as duas barras laterais mencionadas em cima desapareçam, com as imagens a ocuparem o ecrã da televisão em toda a sua glória, mas quando regressamos aos menus, as barras voltam a reaparecer.

No final de tudo, um modo multijogador online era essencial para justificar este lançamento em alta-definição. Em conjunto, os jogos oferecem dezenas de horas de conteúdo, em grande parte devido ao extenso modo Dragon Universe de Budokai 3, mas sente-se a falta de poder competir online contra outros jogadores. Pelo preço pedido, 39.99 euros, bem que era merecido. Assim, se quiserem jogar contra alguém, estão limitados ao modo Duel e é estritamente necessário que esse alguém esteja do vosso lado.

Foi uma surpresa agradável regressar aos jogos Dragon Ball Z da PlayStation 2 com Budokai HD Collection, mas por mais que tente, e sendo um fã incondicional de Dragon Ball, não me consigo convencer que esta proposta ofereça muito valor pelo dinheiro pedido. É completamente transparente que esta compilação é um simples cash-in que se aproveita da nostalgia dos fãs e da fraca qualidade que os jogos desta geração têm apresentado. No fundo, acaba por valer a pena por causa de Budokai 3. Seria então preferível que este fosse lançado separadamente na PlayStation Network em formato digital.

6 /10

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (13)

Sobre o Autor

Jorge Loureiro

Jorge Loureiro

Editor

É o editor do Eurogamer Portugal e supervisiona todos os conteúdos publicados diariamente, mas faz um pouco de tudo, desde notícias, análises a vídeos para o nosso canal do Youtube. Gosta de experimentar todo o tipo de jogos, mas prefere acção, mundos abertos e jogos online com longa longevidade.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (13)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários