A semente está no atrevimento e a recompensa pode vir a longo prazo. Foi este o pensamento que me passou pela cabeça assim que foi anunciado R3, o nome deste novo projeto dos Portugueses da Seed Studios para os sistemas iOS. É certo que esta fase introdutória do artigo precisa de uma palavra de apreço e elogio para os membros do estúdio, é um misto de graxa e de genuína admiração por este pioneiro estúdio que já deu cartas na PlayStation Network, mas devo confessar que já me tornei fã da Seed. Under Siege foi uma espantosa experiência repleta de boas ideias e que deixou boas indicações para o futuro, a ideia que mais do que o valor do jogo em si, está ali qualidade para uma série crescer. Após passar algum tempo de volta de R3 a ideia foi exatamente essa, apesar de em escalas diferentes mas mais do que o valor do jogo em si, são as boas ideias aqui presentes e as possibilidades para crescer que me deixam espantado.

Under Siege é um jogo impressionante, do melhor que podemos encontrar no serviço onde foi lançado, mas qualquer um que o jogue certamente vai perceber que o futuro à sua frente pode ser bastante especial. O mesmo posso dizer de R3 que apesar de um título bastante simples deixa boas perspetivas para o futuro e demonstra potencial para uma grande profundidade. Algo que não é nada de trivial tendo em conta o formato em que foi lançado, os sistemas iOS da Apple, repletos de popularidade e mercado de enorme oferta e diversidade.

R3 é então um jogo de condução desgarrada e sem quaisquer valores pela segurança rodoviária. O louco personagem monta-se numa lambreta e parte sem reservas a toda a velocidade apenas com a estrada à sua frente. A estrada e uns quantos obstáculos que surgem para tornar a sua viagem ainda mais atribulada. A nossa tarefa é bastante simples, temos que movimentar o personagem de um lado para o outro (deslizando o dedo em qualquer ponto do ecrã ou então através de um analógico virtual) evitando os veículos que vêm na direção oposta e algumas barreiras que ocasionalmente, e estranhamente, surgem bem no meio da estrada.

1

Pelo meio temos que ter em conta a quantidade da gasosa no depósito, afinal de contas esta é uma época de crise, e podemos apanhar nitros para uma escalada imensa na velocidade e uma espécie de imunidade ao choque com os veículos. Todo o esquema é tão simples quanto isto e a dificuldade chega com a crescente velocidade e a motivação é alcançar uma maior pontuação. Se bem que a variedade é pouca e o esquema das pistas é simplesmente em linha reta. O problema de R3 é este, torna-se demasiadamente igual demasiadamente depressa. Os cenários, apesar de todo o design ter bom estilo e ser visualmente apelativo é extremamente simples e o tom cartoon é mesmo o seu grande trunfo.

O jogo de ritmo entre apanhar nitro, recolher gasolina para poder chegar ao fim do nível e desviar dos veículos é interessante mas é algo básico entre o que se vê atualmente nos iOS. Uma estrutura mais diversificada na construção das pistas, diferentes obstáculos para além de barreiras, como animais ou buracos e até adversidades climatéricas com os seus respetivos impactos na jogabilidade e R3 teria ganho um pouco mais de merecida profundidade.

De igual forma, uma verdadeira diversidade nos visuais e nos cenários, assim como maior riqueza nos mesmos, possibilidades de personalização na lambreta e no personagem, diferentes modos de jogo e até quem sabe uma pequena história e R3 teria sido muito mais do que um interessante jogo arcade para os sistemas iOS. A existência de diferentes power-ups, ou de reais alternadores de jogabilidade para além de um simples nitro, e toda a experiência poderia ter adquirido uma interessante profundidade. Até um simples sistema de colisão com os veículos quando em modo nitro teria sido bem-vindo e a perda de pontos quando tocamos nas barreiras que acompanham a pista é uma amostra de como a presença de fatores como este podem influenciar a experiência e motivar os comportamentos no jogador.

2

O principal problema de R3 é a sua falta de diversidade em praticamente todos os aspetos, o que inevitavelmente afeta o seu nível de profundidade e a consequente diversão que o jogador recebe. Para todos os aspetos de R3 ficamos com a ideia que há espaço para muito mais e ficamos a desejar esse mais. É a ideia que podemos estar perante o primeiro degrau de algo muito maior que nos deixa motivamos e por enquanto R3 quase que mais pode ser encarado como uma curiosidade. Nem que seja para ver ovnis.

Por 0.79€ R3 é uma compra praticamente obrigatória para qualquer Português com um sistema iOS e o espírito patriota não vos vai trair. Até nem precisa de ser o principal motivador, R3 tem qualidade e diversão que chegue mas ainda precisa de mais e de maior profundidade para se tornar num título de eleição. Existe a sombra, ou molde se preferirem, para algo em grande e é precisamente isso que queremos ver no futuro, um R4.

6 /10

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (1)

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Criador de Gears of War não criará mais nenhum jogo

Cliff Bleszinski parece farto da negatividade na indústria.

Final Fantasy 14: Shadowbringers anunciada

Nova expansão agendada para o Verão de 2019.

Anime de Devil May Cry a caminho

Do responsável pela anime de Castlevania.

Just Cause 4 recebe novo trailer explosivo

Loucura em mundo aberto levada a um novo nível.

Fortnite considerado o jogo do ano nos Golden Joystick Awards

Red Dead Redemption 2 foi a escolha da crítica.

Últimas

Criador de Gears of War não criará mais nenhum jogo

Cliff Bleszinski parece farto da negatividade na indústria.

Final Fantasy 14: Shadowbringers anunciada

Nova expansão agendada para o Verão de 2019.

Anime de Devil May Cry a caminho

Do responsável pela anime de Castlevania.

Just Cause 4 recebe novo trailer explosivo

Loucura em mundo aberto levada a um novo nível.

Fortnite considerado o jogo do ano nos Golden Joystick Awards

Red Dead Redemption 2 foi a escolha da crítica.

Publicidade