A série Call of Duty tem ganho cada vez mais protagonismo ao longo dos últimos jogos da série dando-se a conhecer a um público cada vez mais amplo, e isso reflete-se e bem quando vemos os números de vendas.

A intenção da Activision é a de conseguir que cada vez mais pessoas possam usufruir dos seus jogos, esperando que a sua série Call of Duty se torne numa espécie de Star Wars, Harry Potter ou Lord of the Rings.

No entanto segundo Stephen Cheliotis, analista de marcas e perito em franquias, existe um risco inerente, uma vez que poderá "tornar-se genérico, é um pouco de tudo para toda a gente. É bom que não agrades a certas pessoas. Significa que tens um ponto de vista."

"Se tens algo que é tão genérico, sonso e aborrecido que poderá agradar a toda a gente, então estás em perigo de tornar-te tão aberto a todos que já não criarás seguidores a longo prazo. A Activision deveria concentrar-se naquilo que fazem melhor, apontá-lo e ser conhecido por isso. Para além de cultivar a personalidade da série."

Cheliotis assinalou que, "fora do circulo de jogadores realmente interessados, existe uma certa confusão entre os vários tipos de franquias de videojogos." O analista referiu que, enquanto Star Wars ou Harry Potter estão definidos dentro da sua área e "são poucos os que têm problemas para diferenciar uma serie da outra, os jogadores a part time ou que apenas tenham interesse não são capazes de distinguir por si, por exemplo, que Modern Warfare faz parte de uma franquia ou de um título único."

Publicidade

Sobre o Autor

Luís Alves

Luís Alves

Colaborador

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Mais artigos pelo Luís Alves