Super Mario 3DS

Goombástico.

Terá sido, muito provavelmente, uma das maiores ausências da lista de jogos de lançamento para a 3DS. É verdade que não foram muitas as vezes em que a Nintendo optou por lançar uma máquina tendo Super Mario na lista inaugural. Claro que há aquele momento perpetuado na história dos videojogos quando Mario 64 foi lançado em "bundle" com a N64, num jogo que viria a mudar determinantemente a composição dos jogos em cenários e com perspetivas tridimensionais. Ponto que viria a ser retomado com a mesma escolha para o lançamento do primeiro modelo da Nintendo DS. A recuperação do clássico Mario 64 acomodou as pretensões dos fãs, mas só mais tarde, já no advento da Nintendo DS Lite, a Nintendo abriu as portas para New Super Mario Bros, uma nova engrenagem a partir do clássico.

Agora, três meses depois do lançamento da 3DS, a Nintendo escolheu a E3 para mostrar ao mercado que haverá um Super Mario original sob a forma de jogo portátil até ao final do ano. Numa primeira vista descomprometida alguém ousará dizer que a Nintendo volta ao mesmo. Contudo, a grande especialidade da Nintendo é que para cada novo episódio da aclamada série consegue introduzir modificações e novas perspetivas sem prejuízo dos elementos que fizeram dos jogos passados e presentes autênticos prazeres videojogáveis.

Além disso, Super Mario é talvez a única mascote verdadeiramente representativa de uma marca em exercício, depois do declínio de Sonic, aquele que durante alguns anos foi o seu mais directo rival. Mas a diferença no tratamento entre as duas aclamadas personagens permite perceber o sucesso da Nintendo da e o declínio da Sega , já que isso reside no conhecimento e na capacidade para manter tradição e modernidade. É um risco grandioso para a Nintendo, mas cuja execução só reforça o seu estatuto na medida em que continua a privilegiar as linhas mestras dos seus clássicos com entusiasmantes e fórmulas inovadores.

A Nintendo já tinha explicado que não iria incluir muitos jogos "first party" no ciclo de lançamento da 3DS e que essa escolha visava dar espaço e margem para os produtos oriundos das "third party". Ao mesmo tempo ganhou tempo para cuidar de séries mestras como Super Mario ou Legendo of Zelda. A força criativa por detrás deste Super Mario provém da equipa que nos entregou Galaxy, pelo que Yoshiaki Koizume tem aqui o aliciante de trabalhar com uma nova peça tecnológica que é a 3DS. Há uns tempos perguntaram a Miyamoto como poderia superar a ausência de um segundo analógico para movimentar a câmara em torno de Mario. O giroscópio está lá e muito provavelmente terá aplicação nalgumas áreas de jogo.

Para já pudemos deitar as mãos a quatro níveis de jogo e descobrir como vai funcionar este novo super Mario. É seguro que este lançamento tem significativo interesse adicional para a marca pois é a primeira vez que um jogo proveniente de uma série que há muitos anos triunfou magistralmente ao romper por espaços e mundos totalmente tridimensionais irá ganhar uma composição tridimensional ulterior por força do ecrã superior da 3DS. Estamos assim perante um jogo construído em 3D e que poderá ser jogado ao abrigo de efeitos tridimensionais proporcionados pela consola. Apesar da aproximação a Galaxy em termos visuais e até por se tratar da mesma equipa que fez os dois jogos para a Wii, Super Mario distancia-se em certo modo e figura num ponto intermédio entre Galaxy, Super Mario Bros 3 e até Mario 64, contendo inovações, novos desafios e sobretudo o que é mais aliciante; novos mundos.

Salta para os comentários (21)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (21)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários