Alice: Madness Returns • Página 2

Um universo partido em dois.

Um dos maiores apelos de Alice Madness Return é na verdade a construção das personagens e as suas mecânicas. Acho fantástico o ambiente criado por American McGee, embora possa ser algo sujeito a críticas, principalmente quando faz uso de bebes e crianças, colocando-as em situações sexualmente implícitas. Visto de uma forma fria, "obrigar" o jogador a entrar por um buraco(leitor use de imaginação) de um gigante "nenuco" e sair pela boca do mesmo poderá repugnar alguém mais sensível. Mas se pensarmos no ambiente que o jogo decorre, uma Londres do século 19, onde os abusos são frequentes, talvez a mente de uma menina de um orfanato sujeita a todo o tipo de abusos e testes, não seja um palco saudável.

Questões éticas à parte, Alice não é uma menina bonita. Aliás acho que ainda poderia ser mais negra. O seu lado mais negro é revelado no ínfimo segundo quando estamos quase a morrer e ativamos o Hysteria, conferindo um aspeto preto e branco ao jogo onde apenas o vermelho do sangue se destaca. Neste momento somos invencíveis por um curto espaço de tempo. Aliás, o mundo de Alice é fantástico, leva-nos para diversos ambientes, onde a riqueza criada principalmente na nossa mente é algo brilhante. Mas tudo se resume ao, "Que fantástico seria se...". As ideias estão lá, como por exemplo um brilhante nível nas nuvens onde as plataformas são as conhecidas cartas do conto. A direção artística prima por tentar criar literalmente quadros artísticos, mas apenas fica-se por aí, salvo raríssimas exceções. Mas depois tudo fica numa monotonia que teima em permanecer no jogo.

Alice: Madness Returns - 15 minutos

Muitas vezes parece que o jogo foi construído aos bocados. Algo do tipo de uma reunião de equipa semanal, onde as melhores ideias foram usadas e acrescentadas ao que estava feito e assim sucessivamente. "Vamos colocar Alice a descer um escorrega. Boa... Agora fazemos isso em todos os níveis, exatamente igual. Boa, temos mais 5% de jogabilidade criada". Esta sensação é ainda mais evidente nos níveis de dificuldade. Tudo apenas se resume ao número de inimigos. Começamos apenas por ter que matar um tipo de monstro. Depois esse aparece com outro novo. Agora estes dois aparecem com mais outro. Por fim, já temos três ou quatro diferentes, agora o que fazer? "Vamos lá colocar três de uma espécie e mais dois de outra e mais um de um maior". Penso que já estão a perceber a ideia.

No fundo é uma dificuldade por quantidade e não por aumento dos poderes ou na forma de matar. Esta quantidade também é passada para as coisas que podemos apanhar pelo caminho. Eu gosto de colecionar coisas, mas quando isso trás real valor ao jogo. Temos os dentes que fazem melhorar as nossas armas, e sim é de enorme valor poder apanhar mais e mais. Ter o cavalo melhorado num nível avançado é simplesmente genial vê-lo relinchar. O mesmo não posso dizer das memórias, que são na verdade uma valente seca e pouco ou nada trazem de novo, ou as garrafas que apanhei aos milhares. Por isso pergunto para que afinal servem? No início ainda pensei que era a poção de ficar mais pequena que poderia acabar, mas testei ficar cinco minutos no modo ativado e nada, sempre pequenina.

"Muitas vezes parece que o jogo foi construído aos bocados. Algo do tipo de uma reunião de equipa semanal, onde as melhores ideias foram usadas e acrescentadas ao que estava feito e assim sucessivamente."

Como já devem ter reparado o jogo é um misto de sensações. É difícil não gostar de Alice Madness Return. Tem pormenores fantásticos, principalmente na agilidade e formato de todo o jogo. Alice é visceral, usando de forma hábil todas as armas que consegue adquirir. Todas as armas poderão ser melhoradas em qualquer altura, gastando a moeda de troca que são os dentes encontrados. Em cada nível Alice muda de roupa, própria de acordo com o cenário em causa. A luta contra os bosses é uma das melhores alturas onde o gameplay brilha. Os inimigos são ágeis, e temos que compreender muito bem onde está o seu ponto fraco. Algumas lutas duram bastante tempo, muito devido a termos que estar sempre a fugir e recolocarmo-nos em posições mais favoráveis de poder acabar com todos os inimigos.

Alice Madness Return acaba por ser um dos maiores jogos em potencial do ano. O que faz bem, faz muito bem, mas acaba sempre por abusar e tornar cansativo aquilo que é bom. É estranho, mas é um dos seus maiores erros. Acaba por cansar o jogador com o uso de forma rotineira de coisas que poderia ter deixado para trás. É um jogo de diferentes níveis, sendo que existem muitos locais onde simplesmente o jogo não está terminado. Isto em todos os aspetos. É um jogo aconselhado a amantes de plataformas, de puzzles, de um ambiente gótico e macabro, mas com muita cautela.

6 /10

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (19)

Sobre o Autor

Jorge Soares

Jorge Soares

EG.pt Master of Puppets  |  eurogamerpt

Sempre ocupado e cheio de trabalho, é ele quem comanda e gere a Eurogamer Portugal. Queixa-se que raramente arranja tempo para jogar, mas quando está mesmo interessado num jogo, lá consegue arranjar uns minutos. Tem mau perder e arranja sempre alguma desculpa para a sua derrota, mas no fundo, é o que todos fazemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (19)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários