Não vamos perder tempo com rodeios que ninguém quer ler e gastar parágrafos a expressar o furor em que esta série da Naughty Dog se tornou. Ninguém o quer ler e ninguém quer saber se eu gosto assim tanto do trabalho deste estúdio, para isso tem vários artigos relacionados com a série e até uma análise, caso queiram ler. A verdade é que não sou só eu mas toda uma geração se está a formar com Uncharted e Nathan Drake como ícones e pontos de referência. Não diria que está para a atual geração como Solid Snake esteve para outras anteriores mas provavelmente anda lá perto. Isto porque o personagem carismático, com um lado matreiro e repleto de charme para as senhoras sabe igualmente como disparar uma arma, escalar paredes difíceis de escalar e porque é na verdade uma espécie de senhor do desenrasque, faz o que for preciso quando for preciso, especialmente se esse preciso estiver relacionado com a sua sobrevivência.

Depois do anúncio do jogo, que deixou meio mundo em alvoroço por mostrar que Uncharted 2: Among Thieves poderia, e muito provavelmente iria, ser ultrapassado e fez pensar que a Sony estava mesmo altamente confiante, para anunciar um jogo deste calibre fora de um grande evento como a E3. Provavelmente é um misto derivado de dois pontos. Talvez o otimismo da Naughty Dog e o seu talento os deixe repletos de coragem para não terem medo de avançarem solitários para os holofotes da ribalta e por outro lado um produto desta envergadura provavelmente iria retirar destaque a tudo o resto presente num espaço Sony num evento como este.

Seja de que forma for, Uncharted 3: Drake's Deception não ficou de fora da E3 e é sem sombras para quaisquer dúvidas um dos mais espantosos jogos que tive o prazer de ver a correr aqui no evento. A nova aventura de Drake está, ou esteve, aqui presente de três formas: demonstração em tempo real durante a conferência da Sony, demonstração em tempo real à porta fechada para a imprensa e ainda jogável para todos no seu modo para vários jogadores que no próximo mês vai chegar a todas as consolas PlayStation 3 espalhadas pelo mundo fora que tenham a sensatez de a transferir.

Portanto vamos a cada uma destas partes por ordem para comentar aquilo que mais nos espantou e porque achamos que Drake's Deception pode não vir a ser só um dos melhores jogos da PlayStation 3, o melhor Uncharted da série e até um dos melhores jogos de todos os tempos. Entretanto deixamos aqui a promessa que vamos tentar uma entrevista com os produtores do jogo para colocar algumas questões, a ver se eles se descaem e nos contam algo de interessante.

Que este Uncharted aparente ter um tom e enredo mais sombrio que o tradicional aventureiro a piscar o olho a Indiana Jones todos já sabemos, mas o nível apresentado durante a conferência da Sony na E3 realmente levou-nos para um ambiente hostil e escuro. No meio do mar, durante a noite e sozinho, Drake tinha que enfrentar mercenários para poder escapar de uma situação que todos nós já sabíamos, iria ter que passar por muitos sarilhos para dela sair.

Assim sendo, Drake percorreu o nível despachando alguns inimigos e mostrando os novos movimentos e animações que ganhou na hora de despachar os inimigos. Com o destaque dado aos movimentos mais furtivos que eliminam os maus da fita com um golpe. Com tudo a correr tão bem não seria de esperar outra coisa, Drake é emboscado perto do final do nível e a Naughty Dog coloca em prática tudo aquilo que parece manobrar com mestria, uma alta intensidade na ação que imediatamente nos envolve.

Com o HUD escondido para propósitos da demonstração, Uncharted nunca teve qualquer tipo de barras de energia à vista mas sempre nos mostrou as armas enquanto se troca entre elas, Drake não se rende e quando o seu captor se aproxima ataca-lo e começa a disparar tiros depois de atirar a granada roubada ao agressor. Tudo isto mergulhado num brilhantismo cinematográfico raramente visto. Tudo o que se sucedeu foi Uncharted puro em verdadeiro modo cruzeiro, tiros e socos para todo o lado até que uma parte do barco não aguenta e cede a toda a violência.

Quando a água começa a entrar, Drake vê-se envolto numa corrida contra o tempo e quando a água começa a subir, sentimos a pulsação aumentar em desespero. É uma sensação de pânico completamente propositada e que faz parte das maiores produções. A água é usada como um elemento interativo na ação enquanto ao mesmo tempo afeta visualmente tudo ao nosso redor e após se livrar dos adversários, Drake foge desesperadamente para sobreviver. Debaixo de água, Drake nada enquanto aquela sensação de perigo iminente e que algo está prestes a acontecer para forçar o nosso Drake a novas habilidades está sempre presente.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão

Comentários (18)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários

Conteúdos relacionados

Uncharted 3: Drake's Deception - Análise

Confronto dos íntimos receios de Drake.

Filme de Uncharted perde novamente o realizador

Shawn Levy está mais interessado em Free Guy.

Filme de Uncharted está perto da produção, afirma realizador

Tom Holland é o escolhido para ser Nathan Drake.

Publicidade