Ninja Gaiden III

Ai abusa, abusa.

Ainda antes da E3 propriamente dita ter início, a Tecmo Koei permitiu a todos os presentes na conferência da Sony pré-E3, testar um pouco do novo jogo que vai marcar o regresso de Ryu Hayabusa às consolas de alta definição. A demo serviu para ter um pequeno gosto do que nos espera e também serviu para nos mostrar a direção que a Team Ninja está a dar ao primeiro Ninja Gaiden pós Itagaki. O tempo com o jogo foi extremamente curto, demasiado para o gosto que nos deu, mas acima de tudo deu para perceber que tudo está altamente familiar e podem contar com um jogo melhorado mas dentro dos parâmetros da série de referência.

O nível apresentado decorre nas ruas de uma cidade de tons Europeus, a lembrar Praga, durante uma noite muito violenta e ninjas envergando vestes militares, assim como um enorme robô são os principais adversários deste nível. Como deixado a sugerir pela equipa de desenvolvimento, o braço direito de Ryu está infetado mas tal não é só um "enfeite" visual. Hayabusa tem agora à sua disposição como que um lado maléfico prestes a tomar conta de si e que lhe abre porta a ataques mais poderosos e muito mais sangrentos. Sim, muito mais do que a já tradicional violência cheia de sangue a que a série nos habituou. Aliás, se tivesse que escolher, diria que as cores predominantes nesta demo são mesmo o vermelho e o negro, não só pelo fato e por decorrer de noite, mas porque todo o jogo parece ter um tom mais sombrio.

Assim que assumimos o controlo de Ryu percebemos instantaneamente que o esquema base está completamente igual. A forma como atacamos, a forma como os inimigos nos atacam e reagem, tudo parece altamente idêntico e assim que entramos no ritmo, Ninja Gaiden nunca recompensou quem martela os botões, sentimos que estamos perante o mesmo de sempre, o que é bom. No entanto, consoante os minutos vão passando vamos começando a perceber novidades e ajustes na jogabilidade. As execuções estão mais brutais e agora existe uma mecânica que entra em ação quando nos encontramos em determinados momentos, como executar um contra-ataque ou um inimigo tem pouca energia, nos quais temos que pressionar um botão para escapar a um ataque ou eliminar o inimigo mais depressa.

Todos sabemos que Ninja Gaiden sempre foi uma série carregada de profundidade no seu esquema de combate e desta vez a Team Ninja parece ter decidido elevar as coisas ainda mais. Ao contrário do anterior esquema de contra-ataque com um único botão, temos agora dois botões para suceder ao botão de defesa, um para os ataques normais e outro para os ataques fortes. Isto insere novas camadas de profundidade pois temos que estar ainda mais atentos e concentrados nos movimentos dos inimigos e faz com que seja ainda mais um jogo de ritmo e precisão. Os combos e ataques ganharam também acréscimos e visualmente são cada vez mais brutais e impiedosos.

A movimentação de Ryu está altamente semelhante à dos anteriores, ao início parece ligeiramente mais lenta mas é puro engano, o ritmo é alto e movimenta-se com toda uma graciosidade que foi com imensa pena que vi inúmeros problemas de câmara em várias secções. Seja a oferecer um bom ângulo nos combates ou a seguir o personagem pelos níveis, o trabalho de câmaras é para já o principal problema a apontar e algo que, tendo em conta o historial da série a este respeito, esperávamos não estar presente.

Visualmente tudo parece bem encaminhado, se bem que ainda um pouco flutuante. Ryu está altamente detalhado e o robô que nos ameaça constantemente ao longo do nível consegue surpreender, mas os cenários parecem ligeiramente inferiores ao resto e por vezes, mesmo num jogo com tanta ação e com um ritmo tão alto, os cenários surgem na vista e demonstram debilidades. São elementos que pensávamos terem sido corrigidos, mas ainda falta muito para o jogo ser lançado. Em termos sonoros tudo continua visceral e brutal quanto se podia desejar e aqui não temos nada a apontar.

Algumas das novas mecânicas de jogo envolvem um sistema mais dinâmico de gravar o jogo, agora temos um falcão que vem ter com Ryu e gravamos assim o jogo. As execuções e as sequências QTE abundam e aquele jogo de ação repleto de violência e com um estilo que apenas os melhores filmes de artes marciais de Hong Kong conseguem rivalizar está aqui e a ganhar contornos altamente interessantes.

Ninja Gaiden III está a caminho da PlayStation 3 e da Xbox 360 e esta oportunidade para jogar a demo foi um bom momento para conhecer o jogo numa fase ainda inicial. Conseguimos perceber bem o que a companhia e o estúdio pretendem, um jogo igual a si mesmo mas evoluído, mas não deixamos de assinalar que existem problemas a serem corrigidos já. Esperamos pelo evoluir do jogo nos próximos meses.

Salta para os comentários (6)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (6)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários