Em entrevista com a Joystiq, Eric Hirshberg, CEO da Activision Publishing, deu a conhecer a perspectiva da companhia sobre a enorme fuga de informação que afectou Call of Duty: Modern Warfare 3.

Hirshberg considera que a companhia optou por tornar o que poderia ter sido um saco de limões numa limonada e que muito poderiam ter feito para impedir a fuga naquele dia.

"Apesar de definitivamente não ser fixe roubar a propriedade intelectual dos outros, e apesar de definitivamente não ser fixe divulgar coisas que não são tuas, existem formas com que podes responder que na verdade tornam limões em limonada, e foi isso que tentamos fazer na Sexta."

Hirshberg partilha que seria fácil ficar obcecado com o evento, sobre como aconteceu, mas isso era focar no passado. Nesta era tão rápida nem sempre temos controlo total. Após o sucedido foi discutido numa reunião que nada fosse feito enquanto que outros sugeriram a divulgação dos teaser trailers para tornar tudo numa "vitória de marketing".

"Através dos nossos vários canais, através de Robert Bowling na IW, através do Facebook e do nosso canal Youtube, chegamos aos nossos fãs e dissemos, 'Olhem, não planeamos isto. Foi algo que não tínhamos planeado. Mas todos parecem entusiasmados, portanto vamos deixar-nos levar. Portanto aqui estão eles, um par de elementos que não estavam planeados para serem revelados até um par de semanas mais tarde, vamos lança-los hoje."

Os teasers de Modern Warfare 3 atraíram muito mais as atenções do que os dos dois anteriores jogos e a Activision pretende que o diálogo seja entre a companhia e os fãs e não através de quem divulga informação antecipadamente.

No entanto fica um aviso, nem tudo o que foi divulgado estava certo.

Publicidade

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Mais artigos pelo Bruno Galvão