Street Fighter x Tekken • Página 2

O dragão x o Mal.

Existem três elementos que parecem ser a base de toda esta experiência, o motor de Street Fighter IV e a sua jogabilidade a 2.5D aliado à adaptação dos personagens Tekken que parecem mover-se de forma tão natural cujos golpes parecem ter sido mostrados em 2D desde sempre e ainda aos elementos de luta tag. A Capcom promete que a jogabilidade vai ser altamente familiar e para os fãs de Street Fighter isso é um dado adquirido e controlar os lutadores de Tekken da mesma forma que se controlam os personagens de Street Fighter promete ser tão natural quanto impressionante.

Já foi possível ver que os grandes combos dos personagens de Tekken foram trabalhados e ajustados para se tornarem em especiais ao jeito dos ultras de Street Fighter e tendo em conta as similaridades nos estilos de combate de alguns lutadores, parece promissor controlar Marduk ou Kazuya como se controla Zangief ou Ryu, respetivamente e a título de exemplo.

2
É Street Fighter e é Tekken mas também é algo novo: o entusiasmo é enorme.

O sistema tag em tempo real vai ser um dos elementos fulcrais e tal como em Tekken, entre as séries é aquele que tem um jogo associado ao sistema tag mais aclamado e icónico. Promete assim alargar o sistema de combate a níveis bem mais loucos do que os vistos tradicionalmente em Street Fighter. Ono confirmou que as equipas vão ser pré-definidas e cada uma vai ter a sua história, mas os jogadores podem escolher as duas parcerias à vontade. O convite e o desafio ao engenho e criatividade do jogador foi realizado com belíssimo efeito e a jogabilidade ganha aquela camada extra de profundidade que patrocina possibilidades simplesmente fora do alcance de jogos como Tekken 6 ou Street Fighter IV. Para a equipa de jogo, uma equipa pode ser tão óbvia quanto Ryu ao lado de Kazuya quanto pode ser algo mais estranho quanto Ken ao lado de King, o jogador vai ter total liberdade.

O esquema de seis botões de Street Fighter vai ser o esquema por pré-definição mas somente para os personagens da sua série pois os personagens de Tekken vão ter o tradicional esquema de quatro botões. Caso o jogador queira vai poder combinar as duas séries, tendo lutadores de Tekken a serem controlados com o esquema de seis botões. Ono confessa que mais do que "importar" Tekken para a fórmula Street Fighter, o pretendido é dar uma camada extra à sua jogabilidade e promover um conceito fácil para adeptos das duas séries de forma igual. Outra das formas de conjugar o melhor dos dois universos foi o equilíbrio entre o tom mais agressivo de Tekken e da jogabilidade mais pausada e pensada de Street Fighter. A equipa juntou os dois para dar um ritmo que se sinta Tekken e ao mesmo tempo Street Fighter, e ainda como algo novo.

Como pode ser visto, Street Fighter x Tekken recorre ao motor que deu vida a Street Fighter IV e à sua versão melhorada mas promete boas evoluções a nível gráfico. Mais do que isso, parece mostrar-se à altura de um esquema que permite trocar entre lutadores em qualquer momento e a um ritmo mais agressivo e ligeiramente mais elevado. Foi um dos principais factores que contribuiu para que Street Fighter IV fosse um espanto e se mostrasse tão aparatoso como algo fresco e sensacional. O jeito de desenho animado e as suas espantosas animações parecem imprimir o fulgor que este confronto tanto precisa.

Yoshinori Ono confirmou que tal como hoje, a Capcom vai revelar grandes quantidades de personagens de uma vez só em futuros eventos. Esperamos que na E3 Street Fighter x Tekken já esteja disponível em forma jogável e que muitos mais entusiasmantes personagens sejam apresentados neste confronto de titãs.

Publicidade

Salta para os comentários (8)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Eis a electrizante intro de Granblue Fantasy: Versus

Promissor fighting game da Arc System Works.

A Plague Tale a caminho do Game Pass na Xbox

Indivisible também chegará ao serviço.

ArtigoAs datas de lançamentos dos videojogos para 2020

O que mudou após uma semana de adiamentos?

Também no site...

Kojima quer fazer jogos mais estranhos

Death Stranding foi demasiado "normal" para ele.

Blade Runner é rico o suficiente para justificar outro filme

Denis Villeneuve quer voltar a esse universo.

Comentários (8)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários