Dead Space iOS

Terror portátil.

Depois de agraciar a Appstore com versões específicas de jogos como Need for Speed: Hot Pursuit, Mass Effect, MMA, Mirror's Edge e Battlefield: Bad Company, entre outros, a Electronic Arts decidiu que os sistemas portáteis da Apple iriam receber mais uma das suas mais famosas séries, Dead Space. A série que se celebrizou no género survival horror nas consolas de alta definição e PC, e que já "saltou" para outros meios na forma de banda desenhada, filmes de animação e até novelas escritas, está agora finalmente presente numa versão portátil.

O trabalho ficou a cargo dos Australianos dos Ironmonkey Studios e apesar do nome o sugerir, esta não é uma versão adaptada do original, mas sim, como tem sido política da EA Mobile, uma versão específica e feita a pensar nestas plataformas tentando ao máximo preservar a essência dos produtos nos seus sistemas caseiros originais. Esse foi precisamente uma das maiores interrogações durante o desenvolvimento, face a uma plataforma portátil e às suas características especiais (sistemas Touch) como seria feita a adaptação da série para estes meios, principalmente pesando a existência de Extraction, lançado originalmente na Nintendo Wii e agora disponível na PlayStation Network.

Aparentemente o caminho mais fácil e tentador teria sido em apostar num jogo on-rails, uma vez que a série já se tinha apresentado nessa forma, mas a Ironmokey não cedeu a tal tentação e enveredou por uma experiência completamente Dead Space, quer isto dizer que Dead Space iOS é um jogo desenhado exactamente como um dos produtos base da série, excepto que é controlado pelo toque. Algo igualmente interessante pois mostra-nos o potencial para os próximos sistemas da Sony e Nintendo. Dead Space iOS (é melhor usar este nome para reforçar a ideia que não é um remake mas sim um produto original) desenrola-se como seria de esperar na série Dead Space, um jogo de acção na terceira pessoa no qual os ambientes desconfortáveis e as secções de tiros face a monstros são a essência.

1
Uma aventura original com toda a essência da série e bem adaptada.

Esta experiência portátil decorre depois dos eventos de Isaac Clarke a bordo da Ishimura e antes dos eventos vistos em Dead Space 2. Segundo a Electronic Arts é descrito como uma prequela ao recente jogo que em Janeiro chegou às lojas e nele assumimos o controlo de Vandal, um recém convertido à Unitologia. Enviado para as minas de Titã, uma lua de Saturno, Vandal tem uma missão desconhecida e aos poucos vai recebendo instruções que servem como um teste à sua convicção. Após um breve desenrolar de eventos, Vandal descobre que foi manipulado e que libertou uma vaga de Necromorphs nas minas.

A partir daqui temos que percorrer corredores escuros nos quais os inimigos podem surgir a qualquer momento. Os grandes confrontos surgem na sua maioria em salas maiores e específicas, nas quais temos que eliminar todos os inimigos para prosseguir, mas ocasionalmente surgem de forma inesperada. O jogo é baseado no esquema da série principal, directo e sem rodeios com a progressão a ter, no verdadeiro sentido da palavra, seguir em frente. Os infindáveis corredores escuros vão ganhando tons diferenciadores graças ao aceder de novos sectores e novos locais, cada um com as suas cores e ambientes.

Para obter uma experiência Dead Space nos sistemas iOS portáteis, a Ironmonkey optou por não colocar quaisquer ícones no ecrã e tal é extremamente benéfico para a imersão do jogador na experiência. Controlar através do toque um esquema como o deste jogo ao princípio levantou-nos imensas dúvidas mas após alguns minutos ficamos rendidos, e altamente satisfeitos.

2
Visualmente é espantoso mas esperem corredores estreitos e escuros do início ao fim.

Todos os movimentos errados e mal executados dos primeiros minutos transformam-se em sequências de acção completamente dominadas e tal é possível graças a um bom investimento nas mecânicas de controlo. Através do controlo por toque na parte esquerda (onde está situado o personagem) controlamos o seu movimento e o uso da técnica stasis para fazer os inimigos se moverem de forma lenta. O lado direito permite-nos controlar a câmara livremente e quando pressionado faz Vandal colocar a arma em riste e dá-nos acesso ao seu controle. O sistema de combate continua assente no "desmembramento estratégico" e temos que desmembrar os inimigos para os derrotar e tal vai-se tornando cada vez mais intuitivo e natural enquanto jogamos. Até mesmo o uso de disparo alternativo está presente e para tal basta apenas mover o dispositivo para o lado uma vez.

Vandal vai ter várias armas à sua disposição, a maioria vindas directamente das experiências caseiras, e também aqui podemos aceder à loja para comprar munição e aceder ao sistema de evolução para melhorar armas e claro, o fato de Vandal. Ao longo do jogo vamos recolhendo itens como munição e outros especificamente para venda que nos vão permitir comprar versões superiores do fato.

Dead Space iOS é sem sombra de dúvidas uma experiência Dead Space tal como a conhecemos, apenas em formato portátil e mais reduzido. Até os visuais são de elevado luxo e depois de títulos como Infinity Blade ou Hot Pursuit, Dead Space iOS é mesmo o senhor que se segue no departamento do impressionismo visual. Em termos sonoros é aconselhado o uso dos auscultadores para um melhor ambiente, se bem que alguns efeitos sonoros se vão tornando irritantes no decorrer do jogo.

Dead Space iOS é um jogo altamente recomendável para quem procura uma experiência mais séria e mais familiar aos jogadores tradicionais de consola pouco habituados aos coloridos dos títulos imediatos e casuais. O esquema de controlos conseguiu surpreender, mas pode colocar alguns problemas de adaptação, podendo pedir paciência a alguns. Não tem os contornos épicos dos títulos caseiros, mas tem todo o seu ambiente e a sua essência, em formato reduzido.

8 /10

Publicidade

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (12)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

RecomendadoA Plague Tale: Innocence - Análise - mundo apocalíptico

Amicia e Hugo fogem aos efeitos da peste negra.

Agony - Análise - descida aos infernos

Terror sem traço do passado.

Syndrome - Análise

Grito português no espaço.

Sundered - Análise

Lindo, mas inconstante.

Prey - Análise

Mimos no espaço.

Também no site...

Comentários (12)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários