Bionic Commando Rearmed 2

Tempo de balanço!

Recuperar jogos clássicos pode ser uma tarefa tão ou mais complicada que criar um novo produto. Significa mexer nas memórias dos fãs, tentar replicar construções sólidas e seguras e, ao mesmo tempo, puxar pela evolução. Os recentes Mega Man 9 e 10 disponibilizados para as plataformas virtuais foram mais longe. Ambos consolidaram uma aproximação completa ao produto original, mantendo todos os predicados que caracterizaram a génese da série.

Mas a recepção pela critica e pela audiência deixou sentimentos distintos. Por vezes até parece que mexer em clássicos, nunca. Bionic Commando é outra série da Capcom que pegou destaque no final dos anos oitenta para a NES, muito por força do braço robótico do protagonista que lhe permitia lançar um gancho na direcção das plataformas e assim balouçar, num arco perfeito, em frente. A ausência do salto enquanto elemento de transição entre plataformas atribuía-lhe carisma, e que juntamente com outras particularidades lhe concederam um indiscutível estatuto.

Contudo, antes de 2008, a Capcom acordou com a produtora sueca Grin o desenvolvimento de dois novos Bionic Commando. Um deles designado de Rearmed, ancorado na essência do clássico, e um outro apontado às consolas da actual geração. No final resultados ambíguos, sendo que Rearmed foi o que teve melhores resultados. Dois anos depois do pontapé para a frente, a Capcom volta à carga agora com a Fatshark. Rearmed 2 é sequela e pretende marcar um ponto de evolução.

1
Chumbo neles.

Nota-se desde logo que a Fatshark não só conseguiu dar sequência ao trabalho desenvolvido no jogo anterior, como procurou reformular alguns conceitos e alterar algumas regras intocáveis na série. A inclusão do salto é o sinal mais visível da transformação operada na sequela. Isso acaba por modificar a forma como compreendíamos Bionic Commando, cuja progressão pelas áreas se fazia necessariamente à custa do braço biónico. Agora, com a possibilidade de saltar entre pontos, estica-se o conceito às plataformas, embora o braço elástico seja imprescindível em muitos momentos, seja na exploração para abrir portas e passar por pontos apertados, seja no avanço rápido entre secções. O que era agradável continua lá, simples demais se optarem por jogar nas modalidades casual e normal, embora sejam desaconselháveis por facilitarem sobremaneira.

Com efeito, boa parte do sucesso desta sequela reside na necessidade de descoberta dos caminhos a percorrer, sobretudo em fases mais avançadas. Os primeiros níveis revelam uma composição que se descobre com facilidade. Mas depois do trajecto inicial, o desafio ganha novo fôlego, exigindo boa preparação e técnica para lidar da melhor forma com as capacidades do protagonista, exigindo ainda uma actuação ponderada perante o posicionamento dos adversários. Algum descontrolo conduzirá a saltos para o abismo, levando a uma repetição que, goradas as 3 ou 4 vidas, implica um regresso ao começo do nível sem passagem por "checkpoints".

Há muitos níveis para percorrer e com conceitos distintos; selva, secções industriais, zonas militares, minas, estações de comunicações. A construção das áreas é fiel ao jogo anterior e o jogador terá de avançar de forma horizontal ou vertical, utilizando o gancho do braço para se segurar e avançar para uma plataforma mais elevada. A perspectiva é 2D, mas o cenário é modelado num 2D e meio, com alguma sensação de profundidade, ao jeito de outros títulos como Shadow Complex, sendo ambos próximos no estilo gráfico. Pessoalmente, não vou muito com esta moda. Continuo a preferir o efeito granulado nos gráficos e com sprites trabalhados, alusivos ao período 8 e 16 bit como fizeram com Ghouls'n Ghosts Extreme, o último Castlevania e até os Mega Man (9 e 10), assim como os saudosos Metal Slug, cuja animação ainda hoje é uma referência.

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (7)

Sobre o Autor

Vítor Alexandre

Vítor Alexandre

Redator

Adepto de automóveis é assim por direito o nosso piloto de serviço. Mas o Vítor é outro que não falha um bom old school e é adepto ferrenho das novas produções criativas. Para além de que é corredor de Maratona. Mas não esquece os pastéis de Fão.

Conteúdos relacionados

O que estamos a jogar - 24 Outubro

E tu, a que jogos tens dedicado o teu tempo?

GTA 3 Definitive Edition a caminho do PS Now e San Andreas Definitive Edition no Xbox Game Pass

Rockstar permitirá acesso fragmentado à trilogia nos dois serviços.

Jogos Project Zero poderão receber mais remasters

Koei Tecmo ficou surpresa com as reações.

Também no site...

O que estamos a jogar - 24 Outubro

E tu, a que jogos tens dedicado o teu tempo?

Cole Cassidy é o novo nome de McCree de Overwatch

Efeitos do processo legal que a Activision enfrenta.

Jogos Project Zero poderão receber mais remasters

Koei Tecmo ficou surpresa com as reações.

Comentários (7)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários