Danny Bilson em modo core

Chefe da THQ fala das ambições da companhia.

Está na altura do "ou vai ou racha" por parte do responsável pelos jogos nucleares da THQ – e ele sabe disso.

2011 é um grande ano para a THQ. Depois de um ano fiscal de 2009 conturbado, a empresa fechou algumas divisões e reestruturou-se de forma considerável, e começou a dar prioridade à qualidade contra tudo o resto, enquanto minimizou simultaneamente os riscos. O portfólio deste ano – especialmente Homefront, mas também Red Faction: Armageddon, e esperamos, Saints Row 3 – necessita de traduzir em fortes vendas todas estas boas intenções.

Ninguém sabe melhor sobre os jogos nucleares que o vice-presidente executivo da empresa, Danny Bilson. Ele chegou na altura em que a THQ iniciou o longo caminho da reinvenção, e também tornou-se na imagem pública de todo o processo, evangelizando a falta de criatividade da empresa, uma abordagem colocando em primeiro a qualidade, e utilizando o seu background de Hollywood (juntamente com o seu companheiro de escrita, Paul DeMeo, Bilson escreveu o The Rocketeer, e produziu e realizou para a televisão) para levar a marca THQ para outros mediums. Ele também foi sincero, muitas vezes a fazer manchetes com os seus comentários saborosos sobre assuntos delicados (como as credenciais do software das third-party da Wii). É fácil imaginar que também ele poderia tornar-se o bode expiatório público se não correr como planeado - algo que ele admite.

Na semana passada tivemos a oportunidade de ter uma longa conversa com Bilson na THQ Gamer's Week em Nova Iorque - para descobrir como os vários projectos da THQ estão indo, e para ver como ele se sente sobre a sua empresa e o seu próprio desempenho.

Eurogamer Portugal: Será que Homefront conseguiu penetrar na consciência de jogo como Call of Duty e Medal of Honor o fizeram? O dinheiro que investiram já começou a ter retorno?

Danny Bilson: Bem, nós ainda não o lançámos.

Eurogamer Portugal: Está o nível de hype onde vocês querem que esteja?

Danny Bilson: Não. Não está onde eu quero que esteja. Eu quero que ele seja maior. Você está a brincar? Queremos sempre que seja maior.

Na realidade eu ainda não posso medir o quão bem sucedidos nós fomos, em quanta consciencialização existe na mente das pessoas sobre Homefront até que o vejamos a vender, e vejamos as pessoas a jogá-lo e a comentar e escrever o que acharam do jogo.

Se eu quero que ele seja considerado em conversas sobre Call of Duty e Medal of Honor? Absolutamente. Se penso que merece? Absolutamente. Na verdade é como vocês se sentem sobre ele, como vocês falam sobre ele, como as outras pessoas se sentem sobre ele. O jogo só tem que cuidar de si mesmo.

Quero que o mundo inteiro o queira e fale sobre ele. Mas, vamos lá. É o primeiro jogo. Call of Duty é o sexto, sétimo jogo. Se fizermos 20 por cento do que eles fazem vamos ter um grande sucesso. Sabe de uma coisa? Estamos a fazer o melhor que conseguimos, e nós amamos realmente o jogo e estamos a tentar que outras pessoas também o adorem, mas você não pode fazer isso até que o jogue.

Eurogamer Portugal: A data do anúncio da 3DS é na semana que vem. Irá a THQ apoiar por completo a consola?

Danny Bilson: Claro, Absolutamente.

Eurogamer Portugal: Vocês irão ter jogos no seu lançamento?

Danny Bilson: Não no lançamento, mais tarde. Não conseguimos preparar tudo para o lançamento, mas temos algumas coisas a que demos luz verde na 3DS. Adoro a consola, é realmente fixe.

Eurogamer Portugal: Têm alguns jogos PSP2 em produção?

Danny Bilson: Não comento.

Eurogamer Portugal: Acha que se houvesse uma PSP2 poderia competir com o Android e iOS?

Danny Bilson: Não comento. Não posso realmente comentar sobre hardware que vai ser anunciado em breve.

Eurogamer Portugal: Fiquei surpreendido pelo UFC Trainer ter apresentado um pouco de latência. Sei que a Ubisoft deu-se muito bem com Fighters Uncaged com o lançamento do Kinect. Agora que o Kinect atingiu os 8 milhões de unidades, deve querer terminar o jogo rapidamente.

Danny Bilson: Apenas vamos lançá-lo quando acreditarmos que estamos a competir no mais alto nível com as melhores experiências de fitness no mundo. Certamente que tem melhor aspecto que o produto dos outros tipos.

Apenas precisamos de mais tempo. Não somos uma companhia que embarca as coisas baseando-se numa data. Vamos lançá-lo quando o software for incrivelmente competitivo. Vai ser insanamente competitivo quando for lançado na categoria do fitness, e esperançosamente, vai interessar a pessoas de demografias diferentes que vão querer exercitar-se.

Vocês estão na Europa. O UFC é muito maior na América do Norte do que na Europa. Mas o Trainer é um produto de fitness excelente. Nem é suposto eu estar a falar dele porque penso que ainda não o anunciámos oficialmente.

Publicidade

Salta para os comentários (9)

Sobre o Autor

Jorge Soares

Jorge Soares

EG.pt Master of Puppets

Sempre ocupado e cheio de trabalho, é ele quem comanda e gere a Eurogamer Portugal. Queixa-se que raramente arranja tempo para jogar, mas quando está mesmo interessado num jogo, lá consegue arranjar uns minutos. Tem mau perder e arranja sempre alguma desculpa para a sua derrota, mas no fundo, é o que todos fazemos.

Conteúdos relacionados

Pokémon Sword & Shield Review - A série precisa de uma mega-evolução

A transição da Gamefreak para a Switch não é suave.

ArtigoTop 10: As melhores animes de sempre

A animação japonesa continua a encantar.

Disney+ regista 10 milhões de contas no primeiro dia

The Simpsons, The Mandalorian e Moana entre os mais vistos.

Promoções PS Store em mais de 100 jogos

Kingdom Hearts 3, Tales of Vesperia e mais.

Também no site...

Comentários (9)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários