Criadores de Bulletstorm falam do excesso de FPS

Pensam que não existem tantos como dizem.

Em declarações à Eurogamer britânica, Adrian Chmielarz, director criativo da People Can Fly, e produtores de Bulletstorm para a Epic, negou que o género FPS mostre sinais de fadiga com os lançamentos actuais.

"Nunca ouvi ninguém a criticar um livro por ser outro romance de detectives ou um filme por ser mais um de acção ou um filme pornográfico por ter mais uma mulher com grandes mamas."

"Os jogos de tiros são divertidos e serão feitos até que as pessoas os comprem, é tão simples quanto isso. E já agora penso que esse grande mercado (em referência aos jogadores que acham que o género mostra fadiga) é um mito. Eu ficaria satisfeitíssimo se jogasse um grande shooter a cada duas semanas, mas isso não acontece. Por vezes só lançam um ou dois num quarto de ano."

"Eu sei que parece que existe uma montanha de jogos de acção no horizonte, mas não passa disso mesmo, é só no horizonte. Quando olhas para aquilo que é lançado no próximo mês ou no seguinte, é difícil dizer que estás inundado com shooters."

No que toca a Bulletstorm,Chmielarz afirmou que, "Para nós trata-se de ter certeza que o gore seja tão ridículo que não chegue a parecer real. Queremos que os jogadores se riam, e não que se sintam enjoados. Sim matas pessoas por pontos, mas são pessoas muito más, como tal penso que está tudo bem. Certo?"

Bulletstorm vai ser lançado em 2011 para PS3, Xbox 360 e PC.

Publicidade

Salta para os comentários (15)

Sobre o Autor

Luís Alves

Luís Alves

Colaborador

É o nosso super-homem. Não existe nada que o Luís não saiba e o seu conhecimento da indústria é longo, permitindo-lhe estar sempre à frente de todos. É o homem que nunca dorme.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (15)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários