Tom Clancy's Ghost Recon: Predator

Predadores viram presas.

Quando esta actual geração começou a dar os primeiros passos, uma das séries que maior salto conseguiu dar foi Tom Clancy's Ghost Recon, a surgir na sua forma Advanced Warfighter em 2006. Conseguiu atrair a atenção das massas e conquistou para si uma imensa legião de fãs e o segundo não demorou muito a sair, tendo sido lançado em 2007. Desde então, a Ubisoft decidiu dar descanso à série em primazia para outras mas se em 2011 as consolas de alta definição vão receber o novo Future Soldier, para a portátil Sony o futuro é já agora e chega na forma de Predator.

Predator pretende recuperar tudo o que celebrizou a série G.R.A.W. nas consolas caseiras da era HD mas se a sua ambição parece ter sido gigantesca, a execução e o conhecimento das limitações da PSP parecem ser ainda maiores. Isto porque Predator falha em praticamente todos os aspectos e não cumpre sequer num género que entretanto já teve bons exemplos na plataforma. Optando por forçosamente integrar elementos base das experiências caseiras para melhor enquadramento no universo, a Virtuous esqueceu-se que já existem exemplos aclamados com esquemas que poderiam ter beneficiado muito o s jogo.

1
Algo mais se esconde no Sri Lanka...controlos horríveis.

O único ponto no qual Predator mostra que é um Ghost Recon e mais propriamente um jogo Tom Clancy é no seu enredo. Este leva-nos para as selvas do Sri Lanka onde a nossa equipa de Ghosts vai ter que descobrir se o governo deste país não sabe realmente mais sobre o que diz saber quanto a um ataque a navios Norte Americanos na sua costa. São parâmetros completamente identificáveis com a série que são desnecessariamente mal expostos e explorados ao longo da campanha para um jogador.

No entanto, o pior chega quando começamos a dar os primeiros passos no jogo propriamente dito. Ao contrário de enveredar por esquemas estabelecidos e reconhecidos como visto na série Syphon Filter ou Metal Gear Solid na PSP, Predator opta por um esquema próprio que falha a todos os níveis. Enquanto o analógico serve para controlar o personagem, os direccionais servem para dar ordens aos dois colegas controlados pela I.A. e para outras acções como recarregar ou trocar de arma e para agachar. Com o gatilho direito a servir para disparar e ainda com os botões principais a servir para entrar em modo de mira livre, alternar entre Ghosts e para dar ordens, o tutorial ainda chega a dar falsas esperanças que rapidamente se desvanecem.

Assim que entramos em confronto, as falhas do sistema escolhido inevitavelmente surgem e deixam o jogador mais perto da frustração e do desânimo. Acções que se queriam intuitivas, fluidas e naturais saem com dificuldade e vão ser preciso passar por uns bons trabalhos para começar a assimilar um esquema de controlo francamente desajeitado e horrível. Isto porque a liberdade que ganhamos no controlo do personagem fora dos tiroteios perde-se completamente durante estes mesmos momentos.

Um dos pontos bases da experiência GRAW é o uso do sistema de cobertura e aqui volta a ser essencial mas, também ele, vítima dos controlos desajeitados. Isto porque a Virtuous nega ao jogador a possibilidade de controlar a câmara algo que é natural neste género de jogos de acção na terceira pessoa. Encontrar cobertura e depois atacar deveria ser simples mas torna-se complicado pois para disparar temos que entrar no modo de mira livre, algo estranho pois fora de cobertura podemos atacar sem usar a mira. Ao entrar no modo de mira acabamos por ficar mais expostos aos inimigos do que deveríamos e todo o esquema fica demasiado complicado e confuso. A sensação é a de um jogo preso e no qual a tendência natural é tentar mover uma câmara que não podemos mover e no qual somos constantemente privados da melhor perspectiva para jogar.

2
A inteligência artificial é como se não existisse.

Para enquadrar mais os jogadores no espírito da série, os ícones e os menus são os tradicionais na série GRAW, o que quer dizer que a escolha de armas e armas secundárias é feita em tempo real, sendo também aqui possível escolher se queremos disparar várias balas ou apenas uma, para tiros mais precisos. É um elemento familiar e que enquadra bem os fãs mas também ele poderia ter sido implementado de forma diferente e sem comprometer outros elementos muito mais importantes.

A presença de dois companheiros poderia ser um factor diferenciador e deveria ser o factor a inserir a componente táctica que sempre teve grande papel na série. O problema com que o jogador se vai deparar é que tem uma inteligência artificial completamente ineficaz a seu lado. Não temos nenhuns exemplos a dar na sua defesa e contra si são mais do que muitos e as situações incómodas e irritantes sucediam-se muito mais do que as divertidas que nunca sequer chegaram a existir. É uma pena pois as situações ais quais o jogo nos propõe teriam sido muito beneficiadas. Serve o uso da opção de jogar em modo sem fios com outros dois amigos. A única variável interessante ao modo campanha já que a outra alternativa é jogar qualquer missão da campanha que o jogador já tenha jogado.

O toque final nesta experiência é toda a componente visual sem qualquer inspiração. Depois de exemplos recentes que verdadeiramente nos espantaram e nos deixaram nada mais do que admiração pela PSP, Predator é um jogo com um aspecto mediano e novamente, sem inspiração. As selvas do Sri Lanka poderiam oferecer locais interessantes e bons cenários para travar uma guerra "invisível", mas não nos é oferecido. Ambientes relativamente vastos mas com um design estranho são os mapas nos quais a acção decorre. O único ponto a assinalar é provavelmente as cutscenes em forma de banda desenhada que surgem para nos dar mais elementos da história.

Ghost Recon Predator é tão mau que a série Ghost Recon não merecia que lhe fizessem isto. Falha em todos os aspectos e somente um mais acérrimo fã da série poderá eventualmente encontrar forças para poder tentar enfrentar as adversidades que estão a caminho. Poderia e deveria ter sido muito mais, especialmente para fãs que esperam à 3 anos e vão esperar mais uns meses pelo regresso da série.

4 /10

Lê o nosso Sistema de Pontuação

Salta para os comentários (7)

Sobre o Autor

Bruno Galvão

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Conteúdos relacionados

Também no site...

Comentários (7)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

Ignora piores comentários
Ordenar
Comentários