Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

Análise à Performance: Shadow of the Beast

O Digital Foundry olha para o exclusivo PS4.

Shadow of the Beast está finalmente disponível, mais sobre isso aqui, e o pessoal do Digital Foundry decidiu olhar para o exclusivo PlayStation 4, que é na verdade um remake de um jogo altamente difícil que foi lançado em 1989. Será um momento incrível para os nostálgicos que jogaram o original no Amiga enquanto para os outros poderá ser uma brutal curiosidade.

Tal como o original, Shadow of the Beast é altamente difícil e foram introduzidos diversos movimentos para aprofundar os combates, enquanto a modernização dos visuais permite alguns belos efeitos. Os visuais são um dos destaques do jogo e temos renderização por físicas, e efeitos como HDR e brilho que lhe conferem um aspecto distinto. Algo para o qual a iluminação trabalha imenso.

Motion blur e campo de profundidade são duas técnicas que ajudam a dar um tom visual mais apelativo e o gameplay a 60fps ajuda a tornar o jogo ainda mais divertido. Shadow of the Beast corre a 900p e apesar não envergar a nitidez de um jogo a 1080p, consegue cumprir e está repleto de bons momentos. Claro que o mais importante são mesmo os 60 fotogramas por segundo.

Ocasionalmente, quando temos muitos inimigos e efeitos alhpa, o rácio de fotogramas pode descer para meios 50s e a resposta dos comandos fica enfraquecida. No entanto, são momentos raros e a recuperação é rápida. Shadow of the Beast é um jogo sólido e a renderização suportada por efeitos complexos, ajuda a criar uma apresentação interessante.

Sobre o Autor

Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários