Se clicares num link e fizeres uma compra, poderemos receber uma pequena comissão. Lê a nossa política editorial.

A Sony acredita nas gerações para oferecer algo inovador e fresco

Diz que sentirás isso ao ter contacto com as funcionalidades da PS5.

A Sony Interactive Entertainment acredita que o conceito de gerações deve ser mantido como uma forma de assinalar a chegada de novidades e de refrescar a indústria com funcionalidades que geram entusiasmo.

Na mesma entrevista em que falou com o GI.biz sobre como a PS5 terá o melhor catálogo inicial na história da PlayStation, Eric Lempel, SVP e gestor do marketing geral na Sony Interactive Entertainment, falou novamente sobre como a Sony acredita no conceito de gerações.

Enquanto falava da forma como tentam comunicar a chegada de uma nova consola com novas funcionalidades em plena pandemia, Lempel comentou que a mais recente publicidade, a primeira da PS5, tenta mostrar como a consola assinalará uma nova geração entusiasmante com novas funcionalidades.

"A génese dela é que vamos passar para uma nova geração e para nós, as gerações importam. É uma oportunidade para subir as expectativas dos jogadores e realmente introduzir algo novo. Por isso, para esta publicidade em particular, o foco foram três áreas distintas: o feedback háptico, os gatilhos dinâmicos adaptáveis e o áudio 3D."

"Assim que tens todas as funcionalidades da PS5, que a tornam num verdadeiro produto de próxima geração, o conteúdo torna-se o foco," acrescentou Lempel enquanto falava do alinhamento inicial da consola.

Este é um dos temas que mais tem dado que falar nos últimos meses, especialmente porque mostra uma postura divergente entre a Xbox e a PlayStation, algo que será perceptível quando as consolas chegarem às lojas.

Marcado com
Sobre o Autor
Bruno Galvão avatar

Bruno Galvão

Redator

O Bruno tem um gosto requintado. Para ele os videojogos são mais que um entretenimento e gosta de discutir sobre formas e arte. Para além disso consome tudo que seja Japonês, principalmente JRPG. Nós só agradecemos.

Comentários