Feedback de jogos terminados Página 42

  • Página

    de 43 First / Last

  • DR--K3 16 Dez 2016 00:02:59 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    @Bernkastel A falta de puzzles foi o meu maior problema com o reboot, pelo menos na parte do singleplayer, que do multiplayer odiei tudo o que havia para odiar.

    Só por este novo ser estrictamente singleplayer já me dá um interesse renovado, talvez o compre antes do U4 até.
  • Izanagiko 16 Dez 2016 18:16:21 7,205 posts
    Visto 7 horas atrás
    Registado 5 anos atrás
    @Bernkastel

    Continua a ser básico e o level design é ainda pior é a tentativa de bosses continua uma anedota. No geral, é pior pois é mais do mesmo e continua a tratar o jogador de idiota. Só aquele início deu me vómitos...e o final é uma anedota.

    Bosta de jogo. E eu até curti o primeiro por jogar de forma errada lol
  • Izanagiko 17 Dez 2016 16:08:33 7,205 posts
    Visto 7 horas atrás
    Registado 5 anos atrás
    @Bernkastel

    Simplesmente não metiam bosses e pronto, melhor que a tentativa. Já sabemos que os ocidentais não sabem criar bosses em género algum.

    O jogo é uma bosta. Tudo aquilo que eu queria que mudassem no anterior manteve-se portanto, insta bosta.
    A única coisa de jeito é o rabo da Lara com as calças castanhas justas, mais nada :lol:
  • TL16199 18 Dez 2016 22:32:46 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Counterspy (PSVita): 7/10

    Pontos Positivos:
    + A história não têm grande foco neste jogo, por isso também não lhe vou dar muita importância. A história gira em torno de, durante a Guerra Fria, os Estados Unidos e a Rússia quererem destruir a lua com uma ogiva nuclear e nós, como um agente da C.O.U.N.T.E.R, temos de impedir que isso aconteça. A história é muito simples e não acontece mais nada sem ser o que eu referi mas dá suporte às missões do jogo que é por isso que lá está. Em termos de duração, é um jogo curto, mas como as missões são geradas aleatoriamente acaba por dar-nos a oportunidade de repetir o jogo várias vezes.

    + A jogabilidade é o ponto positivo mais forte deste jogo. Couterspy consiste em jogo de Stealth em 2D e dos melhores que se podem encontrar na PSVita. As mecânicas de Steath funcionam muito bem, temos uma boa variedade armas que vamos adquirindo explorando os lugares onde se passam as missões e a inteligência artificial dos inimigos também é óptima. O que torna este jogo diferente de todos os restantes jogos do género é que se tivermos muito tempo sem sermos Steath em tiroteios com inimigos, um deles irá aumentar o nível de DEFCON e se o nível chegar a 0 a ogiva nuclear é lançada e é Game Over. Se formos vistos por câmaras de segurança também aumenta o nível de DEFCON e para o diminuirmos ou ameaçamos um comandante com uma arma para ele baixar o nível ou usamos um perk específico. Acerca dos perks consistem em certos poderes especiais que podemos colocar na nossa personagem que facilitam as missões como por exemplo aumentar o tempo que demora uma câmera a detectarmos ou a nossa personagem resistir a mais tiros, entre muitos outros. Resumindo quem têm uma PSVita ou PS3 ou PS4 e gosta de jogos de Stealh este é um jogo recomendado.

    + Os gráficos deste jogo até são bons, especialmente devido à sua direcção de arte, mas o jogo está cheio de problemas técnicos na PSVita. A direcção de arte do jogo está muito boa e encaixa bem com o estilo do jogo. Como o jogo na sua maior parte passa-se no interior de bunkers os cenários podem ser um bocado repetitivos, mas no inicio das missões no exterior é que podemos observar a qualidade da arte do jogo. Em termos de som, a banda sonora é boa e encaixa com o tema do jogo. Não há vozes de personagens para avaliar e os sons ambientes também estão muito bons.

    Pontos Negativos:
    - A história é muito curta, mas como os níveis são gerados aleatoriamente aumenta a duração. O problema é que mesmo os níveis gerando-se aleatoriamente acabam por ser muito semelhantes entre si, só a posição dos inimigos e das salas é que muda, o que pode tornar o jogo enjoativo a longo prazo.

    - A versão PSVita está cheia de problemas técnicos como algumas quebras de fluidez bastante acentuadas e uns bugs (mesmo estes não sendo muito incomodativos).
  • TL16199 4 Jan 2017 22:24:02 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Mass Effect 2 (PS3): 9/10

    Pontos Positivos:
    + A história deste jogo é das melhores que já vi em qualquer jogo, muito por causa de um universo bastante rico que este jogo possui e das personagens mais marcantes de qualquer meio de entretenimento. A história em si até é bastante simples, o nosso protagonista têm de juntar uma equipa dos melhores combatentes e engenheiros para enfrentar um grande mal que está a regressar, mas o que torna a história especial é as suas personagens pois todas elas estão muito bem caracterizadas e não há nenhuma que não seja interessante. Ao longo do jogo teremos de tomar várias decisões e essas decisões não só afectam a história do jogo, como também afectam o destino das várias personagens, e esse aspecto é algo que deixa o jogo mais intenso pois começamos a ficar ligados às personagens e por vezes temos de tomar decisões que afecta essas personagens. Isto é bastante importante na missão final, que é das missões mais épicas de sempre no mundo dos videojogos e das mais intensas também pois um pequeno erro pode custar a vida de uma adorada personagem. A história no geral têm um bom ritmo e, tal como no primeiro, à medida que vamos encontrando documentos, falamos com outras raças e personagens e exploramos novos cenários vamos descobrindo mais sobre este universo que é bastante completo. Quem gosta de jogos com boas histórias e personagens carismáticas, este é mais do que recomendado, pois é sem dúvida dos aspectos mais positivos do jogo. Em termos de duração, eu demorei 25 horas para terminar o jogo e as missões secundárias de lealdade, mas deixei muitas missões por fazer e planetas por explorar por isso quem quiser terminar o jogo a 100% têm conteúdo para mais de 50 horas, ou seja em termos de duração é excelente.

    + A jogabilidade foi o aspecto do jogo que mais melhorou em relação ao primeiro, todos os aspectos foram aperfeiçoados. O combate foi o aspecto que mais sofreu alterações e todas para melhor, o sistema de cobertura está muito melhor (já não acontece como no primeiro que por vezes a nossa personagem não conseguia abrigar-se) e a mira também foi melhorada, sendo agora mais precisa e menos pesada. Também possuímos um maior número de armas e todas elas são bastante boas e variadas. O sistema de RPG ficou menos complexo, tendo agora menos atributos para evoluir na personagem e já não afecta tanto o combate como o primeiro, o que torna este jogo menos complexo para os novatos no género. A inteligência artificial, tanto dos nossos colegas, como dos inimigos é boa, assim como a variedade de inimigos que é maior neste jogo. No geral, a jogabilidade melhorou muito em relação ao anterior e é muito boa.

    + Os gráficos são bastantes bons para o ano em que saiu. As personagens estão bastante muito bem feitas e bem detalhadas, assim como os cenários que são também estão muito bonitos, detalhados e detalhados (pois, tal como no primeiro, existem planetas de todos os tipos desde gelados, vulcânicos, florestais,etc.). Este jogo possui uma grande quantidade de planetas e, tal como no primeiro, são muito variados e muito bonitos. Em relação ao primeiro, este jogo também possui menos problemas técnicos e um frame-rate um pouco mais constante (os loadings é que continuam enormes). As texturas também estão boas, assim como o sistema de iluminação que está excelente para a época. Em termos de som, a banda sonora é excelente, tal como no primeiro jogo, e as vozes também continuam a ser do melhor do mundo dos videojogos. O som ambiente e das armas também está muito bom. Em termos técnicos este jogo, também está muito bom, só peca por uns poucos problemas como os loadings.

    Pontos Negativos:
    - A versão PS3 possui alguns problemas técnicos como loadings demorados (20/30 segundos), várias quebras de fluidez e uns bugs ocasionais.

  • blueyes25 5 Jan 2017 09:41:16 641 posts
    Visto 1 dia atrás
    Registado 8 anos atrás
    @TL16199 Parabens pela aventura :wink:
    Vais continuar? o 3 tambem é excelente....tirando ,claro os momentos finais onde tudo descamba e as opinioes se dividem :confused:
    Mas a aventura ate lá...vale bem a pena!

    Bom ano e obrigado pelo feedback

    Editado por blueyes25 às 09:41:45 05-01-2017
  • TL16199 5 Jan 2017 19:46:01 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás
    @blueyes25 Muito obrigado :wink:, sem dúvida que foi dos melhores jogos da geração passada
    Eu já joguei o 3 e gostei bastante do jogo, não tão bom como o 2 mas não deixou de ser um grande jogo. Por acaso eu gostei do final do jogo (pelo menos o que eu escolhi), a única coisa que não gostei foi na missão final os colegas que escolhermos morrerem.

    Bom ano para ti também e no futuro deixarei aqui a minha opinião acerca do Mass Effect 3, mas a próxima será God of War HD ou Shadow of the Colosous.
  • blueyes25 7 Jan 2017 13:36:41 641 posts
    Visto 1 dia atrás
    Registado 8 anos atrás
    TL16199 wrote:
    @blueyes25(...) no futuro deixarei aqui a minha opinião acerca do God of War HD.
    Fico esperando :wink:
  • DR--K3 14 Jan 2017 16:06:48 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    Ontem finalmente terminei tudo o que queria fazer no FFXV, que já era para ter sido há 2 semanas mas acabava sempre por fazer mais qualquer coisa...

    Final Fantasy XV

    Tal como já é típico nesta série, um jogo altamente polarizador de opiniões - uns adoram (acho que ganhou a Poll da GameFaqs de melhor jogo 2016 ontem), outros odeiam (considerando-o das maiores desilusões do ano). Venho aqui clarificar as possíveis causas dessa divergência:

    O jogo tem bons gráficos, uma das melhores bandas sonoras de sempre, excelente design, animações de combate do melhor que há, bastante variedade de cenários (mas podia ter mais...), e um grau de polimento e atenção ao pormenor que dificilmente se encontra até nos AAAs de maior orçamento.

    Não é nenhum desses pontos que causa a tal polarização, mas sim, os dois pontos mais importantes do jogo (discutivelmente): a história e o gameplay.

    A história (e personagens) é uma componente demasiado subjectiva para dizer com certeza se é boa ou má, depende dos gostos de cada um. Mas realmente ninguém pode negar que tem 2 partes diferentes, e a 2a metade vai se sentir estranha à maioria dos jogadores. Não por ser mais negra (o que normalmente até gosto), mas por ser algo vazia, comparada com a 1a parte 'roadtrip'.

    Já na jogabilidade é que acho que o jogo foi injustiçado. Nos tempos de hoje, as reviews e conteudos sobre um jogo têm de estar online ASAP para serem relevantes, e muitas dessas opiniões iniciais foram de quem jogou sob pressão, e não explorou nem metade do que o jogo tem para oferecer.

    Apontam Sidequests aborrecidas e um combate demasiado fácil como defeitos. E de facto o jogo tem imensas fetch quests que me fizeram puxar cabelos, até a quem já está mais que habituado a isso em RPGs, e de facto, por o sistema de items ser uma autentica rede de segurança, não tive um unico Game Over em 120 horas, com 2 excepçoes - os crashes no carro voador e a última masmorra (opcional) - onde nao se pode usar items!

    O que não foi referido, e que só agora nestas semanas recentes é que tem começado a aparecer online, são opiniões mais positivas de quem está embrenhado no conteudo endgame, a caçar inimigos épicos, a pescar peixes que mais parecem bosses, em corridas de chocobo com "esteroides", a fazer masmorras diabólicas, e até achar um mini-game de apostas bem divertido que se calhar passou ao lado de muita gente por estar meio escondido numa área onde se passa pouco tempo na main quest.

    Resumindo, no final de contas isto é um RPG. Para quem só está interessado no "prato principal" e ir para o próximo jogo, este jogo é capaz de não ser uma boa escolha. Mas para quem gosta de explorar, e ter jogos com mais variedade no ritmo do que apenas 'fight fight fight' (cozinhar, acampar, viagens no carro a ouvir musica, andar nas fotografias, etc), é uma óptima opção, apesar de longe de ser perfeita.
  • TL16199 14 Jan 2017 17:13:17 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    God of War HD (PS3): 7,5/10

    Pontos Positivos:
    + A história não é das melhores de sempre, mas é interessante e dá suporte ao jogo. O protagonista Kratos é uma personagem bastante interessante e conseguimos compreender os motivos para o ele está a fazer. As outras personagens também são interessantes, e algumas delas são bastante intrigantes. A história têm um excelente ritmo, com alguns momentos bastante surpreendentes, e raramente têm um momento parado. Certos momentos que envolvem o passado de Kratos conseguem ser bastante tristes e emocionantes. Quem gosta de história que envolve a mitologia grega (como eu) vai ficar mais que satisfeito com a história deste jogo. Em termos de duração, demorei 10 horas a terminar o jogo, uma duração perfeita para o jogo que é.

    + A jogabilidade é sem dúvida o ponto mais positivo do jogo, sem dúvida das jogabilidades mais divertidas do mundo dos videojogos. A nossa personagem move-se de forma bastante fluída, o que dá bastante jeito com combates com inimigos em grandes quantidades ou de grande tamanho. Falando em inimigos, eles são bastante desafiadores e variados, o que torna o jogo sempre entusiasmante durante as suas dez horas de duração. Alguns dos bosses são simplesmente épicos e dá um gosto enorme enfrentá-los. Ao longo do jogo vamos encontrando várias magias e armas que deixam o combate ainda mais interessantes, pois há vários inimigos que se torna mais fácil combatê-los com uma certa arma. Este jogo também possui vários puzzles que são bastante interessantes e alguns até se tornam desafiantes quando não conseguimos encontrar a forma de os resolver. O sistema de combate deste jogo (e desta série no geral) é do mais divertido e desafiador que se pode encontrar em jogos deste género e sem dúvida que este jogo envelheceu muito bem, tendo em conta que já têm mais de 10 anos de idade.

    + Os gráficos eram impressionantes para a época, e este remaster ainda melhorou o excelente trabalho feito na época. Para a época, os gráficos estavam realmente excepcionais com excelentes texturas, cenários muito bem feitos com uma escala impressionante e umas expressões faciais muito boas para a época. As cutcenes também estão muito bem feitas (mesmo não terem sido muito trabalhadas no Remaster, notando-se a sua idade). O jogo também possuía uns efeitos de fogo e de água impressionantes para a época. O design das personagens também está excelente, já que a direção de arte deste jogo está excelente. Resumindo, os gráficos não rivalizam com os da PS3, mas para a época eram simplesmente maravilhosos, sendo dos jogos mais bonitos da PS2. Em termos de som, a banda sonora é simplesmente excelente e encaixa de forma perfeita no universo do jogo. As vozes também são de grande qualidade, assim como os sons dos inimigos e os sons ambientes.

    Pontos Negativos:
    - A câmera fixa por vezes atrapalha os confrontos, pois por vez foca em ângulos mortos e não nos permite ver os inimigos, mas não é algo que aconteça constantemente. Outra coisa que incomoda são as secções de plataformas, nas quais achei os controlos muito imprecisos.

    - Achei que o som nas cutcenes estava mais baixo do que no Gameplay. Assim como se nota que o Gameplay estava bem mais trabalhado visualmente (nesta remasterização) que as cutcenes.
  • akimoto 14 Jan 2017 17:32:35 4,360 posts
    Visto 2 horas atrás
    Registado 3 anos atrás
    @DR--K3

    DR, ainda não o consegui terminar sequer. Não tenho tido muito tempo para dedicar aos jogos.
    Mas deixa-me fazer aqui duas notas.
    Em relação a ser um jogo que se gosta muito ou odeia, já tinha comentado no tópico do jogo, há mais de um ano atrás, que esta espectacular franquia adquiriu esta particularidade recentemente.
    Final Fantasy tem pergaminhos muito importantes e é fácil criticar pelos seus elevados padrões. Não é fácil conseguir meio termo num jogo destes.
    O jogo até poderia valer um 8/10 (não é esta a minha classificação do jogo), mas para a critica e para os jogadores este 8 estava incrivelmente longe do 10, em comparação com um... sei lá... um Abzu, que poderia levar um 8/10 (também não é essa a minha classificação do jogo) e esse 8 estaria bem perto do 10 e as recomendações eram diversas.
    Não é fácil herdar um nome destes.

    Outra nota é o que o jogo oferece fora da "main road".
    Tu escreveste:

    Já na jogabilidade é que acho que o jogo foi injustiçado. Nos tempos de hoje, as reviews e conteudos sobre um jogo têm de estar online ASAP para serem relevantes, e muitas dessas opiniões iniciais foram de quem jogou sob pressão, e não explorou nem metade do que o jogo tem para oferecer.

    Apontam Sidequests aborrecidas e um combate demasiado fácil como defeitos. E de facto o jogo tem imensas fetch quests que me fizeram puxar cabelos, até a quem já está mais que habituado a isso em RPGs, e de facto, por o sistema de items ser uma autentica rede de segurança, não tive um unico Game Over em 120 horas, com 2 excepçoes - os crashes no carro voador e a última masmorra (opcional) - onde nao se pode usar items!
    Aconteceu, na minha óptica, o mesmo com Metal Gear Solid 5: The Phantom Pain. O jogo do Kojima tinha uma jogabilidade muito refinada, a melhor num jogo de acção em muito tempo. Há dias até escrevi que era a melhor da geração.
    Sim, podia ter missões extra muito repetitivas, mas era excelente controlar aquele personagem. Nunca me chateei por perder tempo em regressar à Mother Base depois das missões, mas perder horas e horas no terreno, usando o support para me rearmar e ir completando missões a percorrer todo o cenário foi super divertido.
    Mas a critica foi implacável porque "não tinha história". Mas isso deixo ao critério de cada um. Concordo contigo, depende dos gostos de cada um.
    Final Fantasy XV sofre de uma maneira parecida. A jogabilidade é muito boa e o combate também é fixe. Não me quero alongar no combate porque, como disse no início, ainda não aprofundei-o completamente.

    Mas concordo com a tua review.
  • DR--K3 14 Jan 2017 19:58:12 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    @akimoto Agora que vi a tua citação da minha review, reparei que podia ter sido mais claro, mas também a review já tava enorme.

    O que quis dizer sobre as criticas ao sistema de combate, é que como o main game e as sidequests "aborrecidas" não apresentam grande desafio, não forçam o jogador a explorar a profundidade do combate, e por isso disseram que este se limitava a carregar circulo para atacar e quadrado para se esquivar.

    Mas depois duma masmorra de 100 andares, queria ver se continuavam a dizer isso... Inimigos que te deixam em estado Danger num golpe, não podes cometer erros, aprendes a explorar os invicibility frames de algumas techniques e da animação de 'help a bro', e a usar as sinergias de cada tipo de armas em teu beneficio, aí sim um jogador sente que dominou o combate, porque o jogo lhe apresentou desafios e ele teve de os superar ao evoluir.
  • akimoto 14 Jan 2017 21:15:08 4,360 posts
    Visto 2 horas atrás
    Registado 3 anos atrás
    @DR--K3

    Mas eu entendi isso
  • feitio 28 Jan 2017 23:02:14 3,066 posts
    Visto 2 meses atrás
    Registado 9 anos atrás

    Se Ian Livingstone e Steve Jackson tivessem criado um jogo, seria The Banner Saga.
    Narrativa por texto com decisões tomadas pelo jogador e combates por turnos são elementos familiares a quem leu os livros da colecção Aventuras Fantásticas.

    Enquanto líder, tomar decisões não é fácil. O caminho escolhido quase sempre implica o sacrifício de algo importante.
    Nos confrontos, definir estratégias também não é tarefa fácil. Neste caso, muito por culpa de um tutorial pouco esclarecedor. Senti também a falta de mais opções de combate.

    The Banner Saga é indicado para quem gosta de jogos que não exigem reflexos rápidos e o premir constante dos gatilhos do comando.
    História envolvente com um bom conjunto de personagens, belíssima arte visual e banda sonora são motivos suficientes para recomendar esta aventura.
  • TL16199 29 Jan 2017 13:19:03 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Shadow of the Colossus HD (PS3): 9/10

    Pontos Positivos:
    + A história deste jogo é muito boa, mas é uma história interpretativa ou seja várias pessoas que jogaram o jogo podem interpretá-la de formas diferentes. Mas algo que é certo para toda a gente que joga o jogo é que a história deste jogo é muito bem escrita, com várias de reviravoltas e momentos chocantes. Mas a história deste jogo é muito difícil de entender totalmente, e têm que se estar bem atento para percebermos certos pormenores do jogo. Devido á natureza da história não há muito mais que possa comentar acerca dela, mas algo que posso dizer é o que o final é dos melhores que alguma vez vi num videojogo e também dos mais surpreendentes de qualquer jogo que tenha jogado até agora. Outra coisa que posso falar acerca da história é que a história fala sobre a nossa personagem, Wander, ter de matar 16 Collosi para ressuscitar a sua amada. Uma história que pode parecer simples, mas à medida que vamos jogando percebemos que a história é mais complexa e emocional do que ao ínicio aparenta ser. Quando matamos alguns dos Collossi sentimos pena pois ele são pacíficos e não nos querem fazer mal, e isso é um sentimento que muitos poucos jogos oferecem. Em termos de duração, demorei 13 horas para terminar este jogo, uma duração perfeita para o tipo de jogo que é.

    + A jogabilidade deste jogo, mesmo possuindo alguns problemas, não deixa de ser muito boa. A nossa personagem move-se de forma bastante fluída, os controlos do Agro estão excelentes e as secções de plataformas quando escalamos os Colossi também estão muito boa. Os confrontos contra os Colossi são das batalhas mais épicas que se podem encontrar no mundo dos videojogos, a escala é simplesmente impressionante pois a nossa personagem parece uma formiga a enfrentar um cão (neste caso um Colossi). Quando enfrentamos um Colossi o que temos de fazer é escalar o Colossi e encontrar os seus pontos vitais que se podem localizar em qualquer parte do jogo. Mas não é tão fácil como parece pois cada Colossi é diferente dos restantes, logo a forma de os escalarmos é também diferente. Ou seja, as batalhas contra os Colossi são um puzzle, pois em certas batalhas temos de explorar os cenário à nossa volta para descobrirmos como o escalarmos, enquanto que noutras batalhas temos de decorar o padrão dos inimigos para conseguirmos descobrir a altura certa para os podermos escalar. Resumindo, todos estes aspectos tornam o jogo extremamente divertido e mesmo com os seus problemas, não deixa de ser um dos melhores jogos da PS2.

    + Em termos de gráficos, é sem dúvida dos jogos mais bonitos da PS2 e este Remaster ainda o deixou mais bonito. O jogo possui uma direção artística simplesmente perfeita, todos os cenários do jogo são lindos e envelheceram muito bem com o passar do tempo. Todos os Colossi são todos fascinentes, seja pela sua dimensão impressionante como pela direcção de arte que os torna lindo. As personagens também possuem um excelente aspecto para a época em que o jogo saiu, e o nosso cavalo (Agro) é das melhores representações de um animal que alguma vez que vi num videojogo. As animações tanto da nossa personagem como do Agro são impressionantes para a época, há jogos lançados este ano nos quais as animações não conseguem ser tão boas como deste jogo com 11 anos. Todos os movimentos são realistas, tanto da nossa personagem, como do Agro, como dos Colossi. Em termos de som, a banda sonora é das melhores de sempre dos videojogos, sem duvida que torna as batalhas contra os Collossi ainda mais épica dos que já estão e também ajuda os momentos emocionais a ter mais impacto. O trabalho de vozes também está muito bom (mesmo as vozes estando todas em japonês) e os sons ambientes também estão excelentes.

    Pontos Negativos:
    - O jogabilidade têm vários problemas como a câmera que atrapalha durante os confrontos com os inimigos maiores e a inteligência artificial da égua Agro têm alguns problemas.

    - O jogo possui vários bugs e pop-ups nas texturas dos cenários, um problema normal para os gráficos que o jogo possuía na altura em que foi lançado, mas é algo que devia ter sido resolvido no Remaster.

  • DR--K3 17 Fev 2017 22:20:27 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    Gravity Rush Remastered

    Apesar de ter visto pouco dele, mal saiu na Vita foi daqueles jogos que tive a sensação que iria adorar... 5 anos depois, tive a sorte de poder jogar este port, e superou as minhas expectativas já bastante altas!

    O jogo brilha em todas as suas componentes principais:

    - a direcção de arte é fantástica, com as 4 áreas principais do jogo a terem o seu estilo próprio, onde até a cor do ar é diferente, mas tudo numa palete de tons suaves, que ajudam na sensação de ser leve que aqui é tão importante

    - a Kat e o Dusty são muito carismáticos e fáceis de adorar, e a maioria das personagens secundárias também são interessantes e originais, e dão origem a umas boas gargalhadas.

    - a história não é das mais originais, e pode ser criticada por deixar demasiados mistérios mesmo depois de completado, mas com o 2 já disponivel talvez isso faça sentido, e o que interessa é que o mundo do jogo é criativo e realmente queremos desvendar os seus mistérios.

    - e o melhor e mais importante para o fim - a jogabilidade. Temos um mundo aberto, com missoes, desafios e cenas para apanhar, nada de novo aí, mas com as mecânicas de gravidade no centro de tudo - o combate, a exploração e o simples 'ir de A para B' tudo se torna refrescante.
    Aqui o movimento realmente é 3D - podem "cair" em qualquer direcção, e essa jogabilidade vertical é dos meus aspectos favoritos, se calhar para alguém que não é um viciado na sensação de vertigem isto não seja tão agradavel como foi para mim.
    O jogo também tem elementos RPG, onde podemos melhorar as habilidades. O combate no chão não é dos melhores, mas no final já nem o usava, usando apenas os ataques no ar.
    Até os desafios, onde na maioria dos jogos acho aborrecido ir bater a score X, aqui adorei, com corridas e combates de variados tipos.

    - quanto à dificuldade, é bastante fácil do inicio ao fim, talvez apenas com algum atrito na habituação aos controlos. E quanto à longevidade, fica nas 15h (25/30h para fazer tudo), talvez menos que a maioria dos open worlds actuais, mas há que ter em conta que aqui nos deslocamos muito mais facilmente, até para mudar de área, é só ir para o ar e cair à velocidade máxima e em 20 seg tamos noutra parte da cidade, sem loadings (ou podem apanhar o comboio, se quiserem uma viagem mais sossegada :lol:)

    Altamente recomendado a todos, desde os mais casuais aos hardcore, especialmente para quem quiser sentir-se leve e livre, até zen :wink:

    Editado por DR--K3 às 22:20:44 17-02-2017

    Editado por DR--K3 às 22:21:48 17-02-2017
  • DR--K3 24 Abr 2017 23:08:00 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    Fogo, deixámos esta thread cair para a 2a pagina do forum, que vergonha, algo que devia tar pinned e tudo...
  • DR--K3 24 Abr 2017 23:08:40 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    Aqui vai o revive:

    Stories: Path of Destinies

    Comecei a joga-lo hoje... Já o passei 4 vezes. Yup, é um jogo fora do normal, onde uma playthrough se faz em menos de 1 hora, só 5 niveis de 10-15 min cada.

    O que o faz de especial, são as escolhas que fazemos. No fim de cada nivel temos escolhas para fazer, que determinarão o nivel seguinte para onde vamos e quem vamos encontrar, muito fixe.

    Há 4 "verdades" que temos de descobrir, cenas que depois de sabermos nos ajudam bastante com as decisões. No total há 25 "finais" possiveis, para descobrir a historia toda.

    Em gameplay é menos original, combina um combate simples mas competente com alguns puzzles, plataformas, elementos RPG e muita exploraçao - alias, também nos niveis temos caminhos alternativos por todo o lado, muitos dos quais só conseguimos abrir com espadas especificas que vamos desbloqueando.

    Outro aspecto a destacar é o humor, em particular do narrador e da personagem principal, sempre a quebrar a 4th wall e a fazer referencias e piadas com uma pitada de humor negro.

    Unico aspecto negativo é mesmo a repetitividade. Nas primeiras 2as playthroughs é tudo novo e excitante, mas chegando à 5a run (onde estou), ainda tenho imensas cenas de historia por fazer mas em gameplay já tenho praticamente tudo maximizado e já nao há grande motivação de repetir isto mais 19x por causa da história e da Platina :biggrin:
  • TL16199 4 Mai 2017 21:17:31 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Dead Space (PS3): 8/10

    Pontos Positivos:
    + A história é boa, mas têm um ritmo um pouco instável que lá para o meio de jogo me fez perder o interesse. Um dos maiores pontos positivos da história é o seu clima de suspense e mistério, com uns excelentes plot twists lá para o fim do jogo. As personagens são interessantes e elas são um dos principais motivos do suspense do jogo, pois ao longo do jogo começamos a apercebermos-nos que não devemos confiar em todas as personagens e isso torna a história mais interessante. Só é pena o nosso protagonista não falar, algo que lhe tira bastante interesse. Podemos identificar na história que este jogo se inspirou em vários filmes do Hollywood como Alien ou o Event Horizon, o que é algo bom, pois retirou alguns aspectos que tornaram esses filmes interessantes e tornaram a história do jogo ainda melhor. Algo que é extremamente importante para se perceber a história deste jogo é encontrar todos os documentos, pois estes contam o que aconteceu antes de nós chegarmos a nave e por isso ajuda-nos a perceber a história geral do jogo. Resumindo, para quem gosta de histórias de ficção cientifica ou de mistério, têm aqui um óptimo jogo, pois a história deste jogo é muito boa. Em termos de duração, demorei 11 horas a terminar o jogo, uma duração perfeita para este género de jogo e para quem completar tudo a 100% à dificuldades superiores, que só se desbloqueiam depois de terminarem o jogo pela primeira vez, que tornam o jogo mais desafiante por isso quem gosta de desafios têm aqui um jogo recomendado.

    + A jogabilidade é outro dos grandes fortes do jogo, é realmente muito boa. Algo que é totalmente diferente de todos os outros jogos de tiros na terceira pessoa é que para derrotar os inimigos não temos de lhes um tiro na cabeça ou no peito como é normal, mas sim disparar contra os membros para os arrancar e dessa forma matar os inimigos. Isto torna o jogo mais intenso, pois por vezes temos de matar vários inimigos ao mesmo tempo e como há pouca munição temos de ter uma boa pontaria. O jogo também têm uns bosses que são muitos divertidos de combater, mesmo que nenhum deles tenha oferecido grande desafio. Apenas possuímos 7 armas no jogo, mas como é um survival horror no qual o objectivo é deixar o jogador tenso com a falta de munições, logo haver poucas armas é um ponto positivo. E todas elas são diferentes uma as outras, o que é sempre bom. Os inimigos são uma espécie de zombies, logo não têm grande inteligência, mas costumam aparecer em grandes grupos para nos oferecer um grande desafio, o que é sempre bom. Aliás, esse é um dos grandes pontos positivos do jogo, a forma de como o jogo consegue deixar o jogador tenso, pois para além de aparecerem vários inimigos ao mesmo tempo e de vários tipos, como temos de lhes arrancar os membros deixa o jogo mais desafiante e mais assustador.

    + Os gráficos deste jogo eram impressionantes para a época em que o jogo saiu, e mesmo agora continuam muito bons. O jogo possui uma atmosfera verdadeiramente assustadora e os gráficos ajudam nesse aspecto, pois este jogo possui um excelente sistema de iluminação e uns efeitos de fumos e de sombras também muito bons. As texturas também são de excelente qualidade, assim como as personagens que têm um aspecto muito bom para a época. Os inimigos têm um design simplesmente aterrorizante e demonstram a qualidade da excelente arte deste jogo. Todo o cenário do jogo está muito bem feito e são todos muito variados, nota-se que a equipa que desenvolveu o jogo se esforçou para criar uma atmosfera verdadeiramente assustadora e este é sem dúvida dos jogos mais positivos do jogo. O som também é algo que ajuda a criar essa atmosfera assustadora, pois os sons do ambiente fazem-nos sentir que estamos mesmo naquele local ou sejam estão muito bem feitos. A banda sonora também é muito boa, assim como o trabalho de vozes que também está óptimo (mesmo que o nosso protagonista seja silencioso).

    Pontos Negativos:
    - A história demora algum tempo a arrancar, ficando desinteressante lá para meio do jogo. O protagonista ser silencioso também tira um pouco a emoção à história, pois em certos momentos não conseguimos perceber o que ele está a sentir. O jogo também abusa nos jump scares, já que inúmeras vezes durante o jogo eles colocam um monstro a aparecer do nada com um barulho altíssimo e chega a ponto que deixa de nos assustar pois já houve tantos que acabamos por nos habituar (mas mesmo assim não deixa de ser dos jogos mais assustadores da geração passada).

    - O jogo têm algumas quebras de fluidez, mas nada de muito incomodativo.

    Editado por TL16199 às 21:17:59 04-05-2017
  • DR--K3 4 Mai 2017 22:01:28 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    @TL16199 Quem me dera que houvesse algum jogo de survival horror, ou até mesmo TPS esta geração que chegasse aos calcanhares do Dead Space.

    Nao acho que a história fique desinteressante a partir do meio, até acho o oposto, e sabendo que continuaram com o arco que começaram, no 2, ainda é mais perfeita. Mas se nao gostas que o Isaac fosse um silent protagonist no 1, nao te preocupes que no 2 e 3 ele já fala, sempre que é preciso uma ridiculously badass line :wink:

    E raios me partam, se as 7 armas do DS nao valem por 70 de um shooter genérico. Já o joguei há uns 6 anos, mas nao só consigo dizer te de memória quais sao as 7 armas (e já agora, as 12 do 2), como consigo lembrar me dos alt fires e o que os nodes especiais de cada uma alteram (mas isso é no 2...). Isso sim é 'memorável'.
  • TL16199 6 Mai 2017 14:08:08 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás
    @DR--K3 Já saio o The Evil Whitin que tenho ouvido dizer boas coisas dele, mas como ainda não joguei não posso comentar se é melhor ou pior que o Dead Space.

    Eu se calhar expressei-me mal, o que queria dizer é que a história começa bem mas depois lá para o meio perde o ritmo, mas depois recupera para o final e fica muito boa e agora estou com grande vontade de jogar o 2 e o 3.

    Eu gostei bastante dar armas do DS e espero que o 2 tenha mais armas (eu não vi vídeos para não apanhar spoilers por isso é que não sei as armas).
  • DR--K3 6 Mai 2017 14:32:22 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    @TL16199 O 2 é o meu favorito. E tem mais armas, poucas mas boas.

    E a arma por passar o jogo em hardcore é das melhores que ja vi, mas é mesmo lixada de conseguir.
  • TL16199 6 Mai 2017 14:56:28 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás
    @DR--K3 Provavelmente o Dead Space 2 será dos próximos jogos que irei jogar, e ainda bem que têm mais armas, vai tornar o jogo mais divertido.
  • TL16199 20 Mai 2017 19:59:02 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    The Last of Us: Remastered (PS4): 10/10

    Pontos Positivos:
    + A história é das melhores alguma vez feita no mundo dos videojogos. Um dos grandes pontos que faz a história deste jogo ser tão boa são as personagens, que são simplesmente das melhores personagens algumas vez vistas num videojogo. Os protagonistas Joel e Ellie são sem dúvida o que faz este jogo brilhar, pois a forma como a sua relação e as personalidades vão mudando ao longo do jogo faz-nos ficar agarrados ao jogo e nunca mais o largarmos até a sua jornada chegar ao fim. As outras personagens secundárias também estão muito bem feitas e são muito interessantes. A história também têm um excelente ritmo, com vários momentos chocantes e umas boas reviravoltas que deixam o jogo sempre entusiasmante. O prólogo do jogo é simplesmente a melhor introdução num videojogo que eu vi até agora, pois é uma das cenas mais intensas e emocionantes que alguma vez vi num videojogo. O final também é dos melhores que alguma vez vi num videojogo, e sem dúvida que é um final que não vai deixar ninguém indiferente. Aliás a história deste jogo no geral não deixa ninguém indiferente, pois para além de ter vários momentos que emocionam o jogador, a sua mensagem também é tão forte que torna a história deste jogo inesquecível para muita gente. É por estes motivos que a história deste jogo é das melhores que já vi num videojogo. Em termos de duração, eu demorei 14 horas a terminar o jogo, uma duração excelente tendo em conta que é um jogo linear, e ainda há o Multiplayer que é muito divertido.

    + A jogabilidade é outro aspecto no jogo que está excelente. Este jogo têm um grande foco na sobrevivência, logo esse é um aspecto bastante importante para a jogabilidade. As nossas munições e mantimentos são limitados, logo temos de decidir se podemos ser furtivos e gastar o menor número de mantimentos possíveis ou vamos entrar a matar tudo e dessa forma gastamos mais mantimentos. Isso é um aspecto bastante positivo para o jogo pois nos deixa mais imersivos no mundo pós-apocalíptico do jogo pois é um mundo no qual não há muitos mantimentos e as pessoas nesse mundo têm de pensar em como e quando os utilizar para sobreviver, algo que é muito bem adaptado ao jogo. Há certos momentos em que somos obrigados a ser jogados de uma certa maneira, mas é necessário para contar a história. A inteligência artificial tanto dos inimigos, como dos nossos companheiros é muito boa (mesmo tendo alguns pequenos bugs, mas nada que incomode) e os cenários dão-nos espaço para escolheremos que abordagem queremos utilizar. Temos uma boa variedade de armas, e a jogabilidade é muito fluída (especialmente na versão PS4 que corre a 60 FPS) e os controlos funcionam de forma excelente. Resumindo, a jogabilidade deste jogo é realmente excelente, o que torna o jogo bastante divertido de se jogar. O jogo também têm um modo Multiplayer que eu acho excelente, pois é bastante equilibrado e mesmo não tendo muitos modos de jogo (apenas 3) os vários mapas que o jogo têm (na versão PS3 a maior parte são DLC) dá variedade suficiente para nos manter entretidos.

    + Os gráficos são simplesmente fantásticos, mesmo sendo um jogo de PS3, com todas as melhorias que sofreu neste Remaster parece um jogo de PS4 que poderia ter saido este ano e mesmo assim teria tido dos melhores gráficos do ano. Os cenários são simplesmente lindos, cheios de detalhes e com efeitos de luz, sombras e água simplesmente fabulosos. As personagens também têm um aspecto fantástico, com expressões faciais fabulosas que fazem as personagens parecerem pessoas reais e as texturas da roupa e do cabelo também estão excelentes. As animações dos movimentos da personagem também está muito bem feita e realista, assim como os efeitos das explosões também estão excelentes. Este Remaster trouxe várias melhorias que melhoram bastante os gráficos deste jogo, com a subida de fluidez de 30 para 60 FPS que fazem o jogo ficar muito mais divertido de se jogar e novos efeitos de luz, sombras e poeiras que nos fazem ficar mais imersivos nos fantásticos cenários do jogo. Alguns problemas técnicos que a versão PS3 tinha como bugs nas cutcenes ou quebras de fluidez desapareceram por completo, tornando este jogo uma experiência mais polida. Outro aspecto fabuloso no jogo é o som, a banda sonora é do melhor que já ouvi em qualquer meio de entretenimento. O trabalho de vozes é dos melhores que se pode encontrar no mundo dos videojogos, e é um dos motivos porque as personagens deste jogo parecem tão reais. Os sons ambientes, dos inimigos e das armas também está muito bem. Tecnicamente, é sem dúvida um jogo fabuloso.

    Pontos Negativos:
    - Uns poucos bugs na inteligência artificial, mas nada que afecte esta obra prima.


    Left Behind DLC: 9/10
    + Excelente história, que não vai deixar ninguém indiferente.
    + Algumas melhorias na jogabilidade, entre elas agora temos confrontos entre humanos e infectados ao mesmo tempo.
    + A banda sonora contínua fabulosa.
    - Muito curto (demorei 2h:03 min a terminar).



    Editado por TL16199 às 19:59:54 20-05-2017
  • TL16199 29 Mai 2017 22:16:22 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Game of Thrones: A Telltale Series (PS4): 8/10

    Pontos Positivos:
    + A história deste jogo é muito boa e encaixa de forma perfeita no universo da série em que é baseado. Este jogo é baseado na série Game of Thrones e conta a história dos vários membros da família Forester, uma família que não está presente na série. Como já disse a história é muito boa, as personagens estão muito bem caracterizadas e são muito interessantes, a história têm um ritmo muito bom já que não há nenhum episódio que seja desinteressante e que não avance a história. A história conta com várias personagens da série (que são os próprios actores que dão a voz) e elas encaixam muito bem na história deste jogo, sem afectar a história que decorre na série (este jogo passa-se entre o final da temporada 3 e a temporada 5). Neste jogo temos de tomar várias decisões que vão afectar o rumo da história e algumas realmente são difíceis de tomar e afectam o rumo da história. Só é pena outras não serem assim tão importantes e acabam por ser inúteis. Resumindo quem é fã da série, este jogo é mais que aconselhado pois a vamos participando em vários momentos importantes da série e também podemos interagir com várias personagens da série, para além de a história em si ser muito boa. Em termos de longevidade, este jogo possui 6 episódios e demorei por volta de umas 8/9 horas a terminar o jogo (é um valor aproximado pois não tive forma de contar as horas de jogo), uma duração óptima para um jogo deste género.

    + A jogabilidade deste jogo é simples, mas funciona bastante bem. Neste jogo nós andamos, falamos com pessoas no qual temos várias decisões que afetam o rumo da história e em certos momentos temos vários combates. Esses combates consistem em vários QTE nos quais temos de premir um certo botão no momento certo e não nos oferece grande desafio, mas como este é um jogo focado na história não é um problema. Os controlos funcionam bem e são simples. Como já referi a jogabilidade é simples, mas como é um jogo que é focado na história, funciona muito bem.

    + Os gráficos não são os melhores desta geração de consolas, mas não deixam de ter vários pontos positivos. Um deles são os cenários em que o jogo se passa que são bastante bem e detalhados e também são fieis à série. As texturas também têm um aspecto razoável, assim como o sistema de luz e de sombras. A direcção do jogo é boa, o que torna os cenários mais bonitos e dá um aspecto mais colorido ao mundo do jogo que torna o jogo mais bonito. Os gráficos não são nada de especial e o jogo têm vários problemas técnicos, mas não deixam de ser bonitos e de dar suporte ao jogo. Em termos de som, a banda sonora é boa (não consegue ser tão murmorável como a da série, mas dá um óptimo suporte ao jogo), assim como os sons ambientes também são bons. O trabalho de vozes é muito bom, pois para além de contar com vários actores da série a repetir os seus papeis da série e a fazerem um excelente trabalho de vozes, também têm vários outros actores a darem vozes a novas personagens que também fazem um trabalho muito bom.

    Pontos Negativos:
    - Algumas decisões não têm a importância que deveriam.

    - Os gráficos não são dos melhores desta geração, especialmente as expressões faciais que achei fracas. E o jogo têm vários problemas técnicos como alguns bugs ocasionais e várias quebras de fluidez.
  • TL16199 4 Jun 2017 15:59:31 1,813 posts
    Visto 5 horas atrás
    Registado 5 anos atrás

    Killzone 2 (PS3): 6,5/10

    Pontos Positivos:
    + A história em si é boa, mas têm alguns problemas. O argumento em si é bom, com momentos bastante surpreendentes e um final excelente. Algumas personagens são interessantes como o vilão Radec e o líder dos Helghast Scolar Visari (só é pena os protagonistas serem tão desinteressantes). Como já tinha referido, a campanha têm um bom ritmo e algumas reviravoltas que tornam a história mais empolgante e, desta forma, esta consegue dar suporte ao jogo e deixar-nos interessados e com vontade de continuar a jogar.

    + A jogabilidade é boa mas, tal como a história, têm alguns problemas. Um dos principais aspectos positivos da jogabilidade é a grande variedade de armas que possui e algumas delas (como uma arma de raios que se encontra a meio da campanha) são bastante divertidas de se utilizar. A inteligência artificial, tanto dos nossos inimigos como dos colegas, está excelente pois eles têm comportamentos bastante credíveis como abrigarem-se ou se rebolarem no chão para se desviar dos tiros. As sequências em que temos de controlar veículos ou armas montadas são das partes mais divertidas do jogo, pois são bastante entusiasmantes e os controlos estão excelentes. No geral, o jogo é bastante divertido, mas a jogabilidade possui vários problemas que afectam o jogo no geral.

    + Os gráficos são excelentes para altura em que o jogo foi lançado, sem dúvida que este foi dos jogos que melhor mostrou o poder da PS3 quando foi lançado. Os cenários são todos bastante detalhados, com excelentes texturas e um óptimo sistema de iluminação. As personagens também estão com bom aspecto, assim como as armas. Outros efeitos como da água ou da poeira também estão muito bem feitos. Resumindo, sem dúvida que para o ano que saiu (2009) era dos jogos com melhores gráficos na PS3. Em termos de som, a banda sonora é boa, assim como os sons ambiente. As vozes também não estão más, mesmo já ter ouvido muito melhor.

    Pontos Negativos:
    - A história têm vários problemas, o maior deles todos são os protagonistas que são bastante esquecíveis e os diálogos entre eles são desinteressantes e clichés. A campanha também é muito curta, tendo demorado 6 horas a terminar e o Multiplayer têm muito pouca gente a jogar.

    - Achei os controlos da personagem bastante imprecisos, algo que já eram no primeiro jogo mas como este era de 2004 dei-lhe o desconto, mas tendo em conta que quando este saiu já tinham saído FPS com Crysis, Call of Duty 4 ou FEAR que possuem controlos bastante fluídos, ou seja neste também deveriam ser mais fluídos, pois em momentos em que enfrentamos uma grande quantidade de inimigos os controlos acabam por atrapalhar e acabamos por morrer injustamente.

    - O jogo têm várias quebras de fluidez.
  • DR--K3 4 Jun 2017 22:52:53 3,668 posts
    Visto 3 horas atrás
    Registado 4 anos atrás
    @TL16199 Que coincidencia, acabei o Killzone 2 precisamente hoje! E concordo com a maioria dos teus pontos, mesmo sabendo que é um jogo de 2009, nao compreendo como é que teve ratings tão altos, achei os 3 Resistance bem melhores.

    No gameplay, acho que a falta de fluidez é propositada, e apesar de ser frustrante, dou lhes os parabéns por isso. Sim, porque na realidade se andares a correr e a disparar é normal a tua precisão ser muito pior, e mesmo os saltos e corrida parecerem lentos em relação aos outros FPSs, é porque é assim que um militar com equipamento pesado se move!

    Depois a AI está mesmo excelente, melhor do que em muitos jogos desta geraçao, o que está pior é mesmo a fisica e as hitboxes, entre NPCs a parecerem ragdolls e inimigos que tens de esperar que façam a animaçao de recuperaçao para lhes atingir novamente...
  • Página

    de 43 First / Last

Inicia sessão para responder