Eurogamer.pt

Lost Odyssey

Uma odisseia perdida repleta de magia e emoções

Lost Odyssey é uma fantasia de contornos épicos que chega até nós vinda do génio Hironobu Sakaguchi. Um dos nomes que revolucionou o género e deu forma a uma das séries de maior sucesso em todo o mundo, Final Fantasy. De regresso à Xbox 360 dá-nos a sua mais recente obra, um conto que se prolonga ao longo de 4 DVD`s com muita fantasia, mistérios e aventuras prometidas.

Quem conhece as obras de Sakaguchi sabe o quanto adora contar uma história, rica em emoções e sentimentos, e sempre demonstrou grande cuidado no desenvolvimento das personagens. Estes serão alguns dos pontos mais interessantes de conhecer nesta odisseia perdida, sendo incrível verificar o tom ao qual por vezes Sakaguchi eleva as emoções neste jogo. Talvez apostado em fazer na nova geração o que não conseguiu fazer nas anteriores, Sakaguchi leva mais além a exploração dos sentimentos humanos, abordando vários temas que tanto afectam as personagens como o jogador.

Esta fábula da nova geração tem início num enorme campo de batalha onde 2 exércitos se defrontam naquela que havia sido considerada como a batalha final dessa guerra. Mal sabiam que iria ser mesmo, mas não pelos motivos esperados pois quando um enorme meteorito cai sobre o campo de batalha, poucos são os que sobrevivem. Um dos poucos sobreviventes é Kaim Argonar, um imortal que vive há mais de 1000 anos. Afectado por perda de memória, Kaim nada sabe sobre si mesmo ou sobre os seus objectivos.

Será aqui que a nossa jornada irá começar, na procura da verdade sobre o que se passou naquele campo de batalha e o mistério em redor de Kaim e da sua perda de memória.

A história é contada através de sequências em CG ou então em cutscenes que usam o motor de jogo, e fornecem um pouco do que de melhor o jogo tem, mas também um pouco do pior. Enquanto as sequências em CG estão muito bem realizadas e apresentadas, algumas cutscenes são simplesmente arruinadas por momentos inoportunos e pouco mais conseguem do que nos deixar a pensar o quão horríveis estão. Misturar momentos de tensão com humorismo quase forçado não fica nada bem. Alguns movimentos mais estranhos e alguns diálogos de menor qualidade afectam aquilo que tinha potencial para grandes resultados e sem dúvida que uma melhor direcção neste sentido seria bem vinda. No entanto é reconfortante verificar que a qualidade é crescente ao longo do jogo.

Um bom RPG que se preze, faz do seu sistema de combate um dos seus maiores trunfos e Lost Odyssey assim o faz, sendo aqui que vamos poder encontrar algumas das melhores características do jogo. Os combates são aleatórios e por turnos, bem ao estilo tradicional dos RPG`s nipónicos, mas apresentam algumas ideias muito interessantes como suporte.

Para além da barra de energia vital e barra de magia, o jogo apresenta uma barra que corresponde à nossa defesa. Esta barra é constituída pela soma da energia vital dos personagens colocados na fila da frente na formação de combate. É muito importante que esta barra seja preservada pois assim que a perdemos, todos os membros da equipa sofrem danos na sua plenitude. Uma componente que confere um toque mais estratégico aos combates.

Outra característica muito bem apresentada em Lost Odyssey é a possibilidade de equipar anéis que nos oferecem diferentes capacidades. Uma vez equipado um anel, surge no ecrã um círculo em redor do inimigo e sempre que atacamos temos que pressionar no botão designado na altura correcta, para que o efeito tenha sucesso. Um pouco à semelhança do que se vê em Shadow Hearts, por exemplo.

Comentários (4)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!

  • A carregar...