F1 2009

Boas vibrações!

Este ano encontrei no paddock do WTCC, no circuito da Boavista, no Porto, o italiano Alex Zanardi. É um notável exemplo de combatividade. Para quem não sabe, este veterano ex-piloto da BMW viveu bons momentos quando passou pela Fórmula 1. Foi colega do nosso Pedro Lamy antes de passar pela equipa Williams. No entanto, o desporto automóvel envolve enormes riscos e no começo desta década escapou miraculosamente a um grave acidente que lhe ceifou as pernas. Mas sempre de olhos postos no asfalto voltou às pistas para fazer aquilo que mais queria: pilotar. E tem-no feito, ao mais alto nível, demonstrando um profissionalismo ímpar mesmo depois do traumático acidente.

A solução para lhe providenciar o total controlo do veículo passou pela reconfiguração do volante. Mudanças automáticas através de patilhas é algo recorrente, não o sendo de todo o acelerador e travão. Por alguns carros que tripulou, entre eles um Fórmula 1, os engenheiros providenciaram-lhe um volante com acelerador, deixando-o assumir a partir do volante a maioria das funções. Sempre a impor apreciáveis limites nas trajectórias, pôde assim encontrar uma forma para prosseguir a carreira, nos tempos recentes, dentro dos carros de turismo.

Se o Zanardi é um exemplo crucial e de superação perante as agruras da vida, não é menos, nos seus devidos termos, a forma como a Sumo Digital encarou a mais recente menina dos seus olhos; F1 2009 para a Wii e PSP, sendo que para aquela mole de produtores, os jogos de automóveis até se perfilam como especialidade da casa. Mas há muitas novidades aqui. Desde logo a Codemasters é a editora que detém os direitos de utilização do campeonato mundial de Fórmula 1 depois da passagem pela Sony.

1

Uma boa chuvada, embora não persistente como a da última corrida de 2008 em São Paulo que deu a Hamilton o campeonato.

De início pensava-se que o desenvolvimento do jogo baseado na temporada de 2009 teria o seu “ex libris” dentro das versões para a PS3, Xbox 360 e PC. Porém, a talhe de surpresa, a temporada de 2009 da F1, que viu coroado campeão um piloto improvável (Button) numa equipa pouco cotada (Brawn, ex-Honda), assentou na consola doméstica dententora da menor oferta de jogos de condução vistosos. Parece contraditório, mas não é, pelo menos tomando em conta o esforço da Sumo Digital.

As reservas ecoaram. A falta de “pedigree” da plataforma da Nintendo não é suficiente para caracterizar de forma laudatória o circo da F1. Em parte sim, mas pode isto resumir um jogo de fórmulas? Avancemos por isso para o âmago da questão, para os aspectos mais cativantes num jogo de certo modo circunscrito como este; poder de controlo e sensação de velocidade. A Sumo Digital percebeu as limitações de processamento da Wii, não sem deixar de fazer um esforço notável no sentido de reagrupar e estruturar o quadro geral das pistas, e apontou baterias para a interface, para a sensação de condução, configurada de acordo com as valências do controlador. E nesse périplo, bateram terreno suficiente para chegar à meta com um jogo mais que digno, uma cabal representação da modalidade para a Wii. Talvez boa parte deste sucesso se deva à concentração e trabalho em torno de poucas versões, mas também se vislumbra o esforço em fazer deste jogo não apenas mais um título com capa de um fórmula, mas aquele que devia chegar à Wii.

2

Brawn batalhando pelas melhores posições.

Substancialmente podem escolher duas configurações para controlar os veículos. A mais básica opera-se a partir do Nunchuck para controlar o volante do carro, sobrando o Wii remote para as mudanças manuais e sistema de aceleração e travagem. Assumindo o controlo dos veículos a partir desta configuração a experiência mostra-se perfeitamente banal com uma viragem que mais parece feita aos empurrões e tudo menos suave, se atentarmos particularmente no efeito visual da viragem do pneu cada vez que se prime o analógico em determinada direcção.

Contudo, se derem uso ao acessório que acompanha o jogo e que tem a forma de um volante a sério de F1, pondo o wii remote dentro do espaço que lhe é reservado, acedem à configuração mais avançada, aquela que atribui plenos poderes de condução. É nesta altura que o jogo quebra o gelo, afasta as dúvidas e em pouco tempo se percebe que F1 2009 para a Wii é uma opção séria, com qualidade e que leva em conta as premissas da modalidade que abarca, ainda que esteja circunscrito à licença oficial da modalidade. Com o volante nas mãos, sentir-se-ão um Zanardi.

Comentários (9)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!