Eurogamer.pt

Digital Foundry - A Xbox One X consegue correr Quantum Break a 4K?

Jogamos o jogo.

Quantum Break terá suporte para a Xbox One X e tivemos a oportunidade de o jogar na Gamescom. A melhoria na resolução é palpável e a performance relativamente sólida. Umas semanas depois, conseguimos ainda mais tempo com este jogo que é um dos mais exigentes da actual geração. Em alguns aspectos, a conversão é mais impressionante do que pensávamos, mas em outros, esperamos ver melhorias até 7 de Novembro.

Primeiro, não é surpresa para qualquer um que esteja familiarizado com Quantum Break que não corra a nativa 3840x2160, por mais impressionante que seja a melhoria sobre a Xbox One normal. O que se passa então? Bem, Quantum Break usa uma técnica de reconstrução temporal, onde o jogo usa informação dos fotogramas anteriores para criar um resultado final que excede a qualidade da resolução nativa por si só. Na Xbox One, corre a 720p. Graças à multi-sampling, o resultado final é limpo mas muito esborratado.

O PC usa a mesma técnica, mas eventualmente, tornou-se possível desactivá-la para usar resoluções base superiores. Claro que isto é muito exigente para o PC, devido à ambição do renderizador. Quer uses reconstrução ou não, pode causar problemas mesmo em hardware PC poderoso. Para exemplificar, uma gráfica Titan Xp - a gráfica mais rápida que podes comprar - com o jogo com tudo perto do máximo a 60fps, consegue apenas 1440p com a reconstrução activa.

Eis Quantum Break na Xbox One X e as melhorias sobre a Xbox One normal.

Ao passar para a Xbox One, a técnica de reconstrução temporal regressa em pleno. Basicamente, temos um aumento de 4x na resolução sobre a Xbox One, a base é de 2560x1440. A reconstrução ajudar a criar a ilusão que corre numa resolução superior, mas ao contrário da checkerboard ou renderização por grelha, não tem a claridade e nitidez de uma imagem 4K. Neste caso, consegue pelo menos enquadrar-se com o design visual do jogo, que parece ser mais cinematográfico - isto é, recriar o aspecto de uma câmara, ao invés de uma imagem renderizada altamente nítida.

Além do aumento na resolução - uma grande melhoria por si só - o filtro de texturas foi muito melhorado, o que pode ser uma combinação do aumento na resolução e um filtro anisotrópico superior. De qualquer das formas, as texturas são mais nítidas. Visualmente, Quantum Break aguenta-se muito bem, com os seus personagens altamente detalhados, bela iluminação volumétrica, boa implementação de iluminação global e excelentes efeitos pós-processamento.

Mas a preocupação ficou para a performance. A Microsoft pretende oferecer um aumento de 4 a 5x na resolução, com o mesmo nível de performance. Quantum Break corre a 30fps mas com v-sync adaptável, introduzindo tearing se não conseguir cumprir com o orçamento. Os fotogramas são perdidos mas não é algo comum - o que não era o caso na versão Xbox One X que vimos, onde o combate era mais inconsistente do que na Xbox One normal, algo que confirmamos ao voltar a jogar o jogo na Xbox One original.

Xbox One X 1080pXbox One X 4KXbox One

Eis uma comparação dos modos 4K e 1080p presentes na X, comparado com a Xbox One normal. Mesmo no modo de baixa resolução, temos uma bela melhoria sobre a consola antiga.

Xbox One XXbox One

Esta imagem demonstra os benefícios da resolução superior. Na Xbox One X, os pequenos detalhes e o texto nas cenas estão legíveis e definidos. Também existem diferenças na luminosidade de algumas cenas.

Xbox One XXbox One

A maior resolução ajuda a criar cenas mais refinadas e permite reflexos melhorados, eliminado ainda o aliasing. Curiosamente, a Xbox One X não apresenta o efeito de grainha.

Xbox One XXbox One

Parece que os detalhes são levados mais além na X. Olha para a janela na escola, a árvore à distância e o detalhe adicional na textura visíveis à direita. A cena fica muito melhor.

As quedas não são muito fortes: temos altos 20s, mas esperamos ver mais optimização para o nível da Xbox One original com as melhorias gráficas. A sensação que temos é que é necessário cerca de 10% de margem de manobra para o mesmo tipo de performance consistente como temos na Xbox One padrão. Isso parece possível e devemos dizer que jogamos apenas os primeiros 40 minutos de jogo, as preocupações vão para as áreas mais desafiantes que surgem mais à frente. Para dar uma ideia da performance, as imagens nesta página sugerem que o código Xbox One X corre com definições de qualidade superiores às da Xbox One original. A iluminação está mais refinada e existe mais geometria nas cenas.

Persona 5: Todas as respostas dos testes Persona 5: Todas as respostas dos testes

No entanto, se o código não melhorar, existe outra opção. Ao aceder às opções, vimos uma opção de 1920x1080 ao lado da 3840x2160 padrão. É curioso pois esta segunda opção não corre a nativa 4K (está presente a técnica de reconstrução temporal). No entanto, a primeira parece operar a nativa 1080p. Apenas jogamos neste modo por alguns minutos, mas as capturas sugerem que é nativa com anti-aliasing temporal, sem reutilizar fotogramas anteriores. O nosso objectivo foi capturar o modo 4K, mas o modo 1080p também deverá apresentar uma performance sólida. Renderiza a 56% da resolução base do modo 4K e não emprega ciclos GPU na reconstrução. No entanto, não esperem conseguir 60fps - existe um bloqueio a 30fps nos dois modos.

É aqui que estamos com Quantum Break na Xbox One X. Os jogadores terão um grande aumento na resolução, mas se ficarem pelo modo 1080p, a versão Xbox One X ainda oferece uma boa melhoria sobre a versão Xbox One original - existe um aumento de 2.25x na resolução. É mais nítida e se não te importares com a performance, podes usar supersample do modo 4K - uma funcionalidade padrão em todos os jogos Xbox One X. Esperamos que o tearing e quedas na performance sejam minimizadas para a versão final: é um jogo lindo que beneficia imenso com o suporte 4K, um jogo que queremos voltar a jogar nesta sua nova versão.

Publicidade

Comentários (102)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!