Champions Online

Ser um herói não é assim tão divertido.

Versão testada: PC

Quando a Cryptic Studios criou City of Heroes, assim como City of Villains, tinha em mãos uma grande oportunidade de anular uma falha no universo dos Massively Multiplayer Online, mais conhecidos como MMO. Criar todo um universo onde o jogador pudesse interpretar o papel de um herói que salva o dia das investidas de um qualquer inimigo era uma ideia que, por incrível que pareça, pouco ou nada foi explorada dentro do género.

Vendo aqui uma oportunidade de sucesso e de um lugar ao Sol nesta vertente, a Cryptic Studios começa a criar em 2002 um MMORPG que vinha saciar a sede dos jogadores que procuravam viver as aventuras dos seus heróis de eleição. Saltar de prédio em prédio como Spiderman, perfurar os inimigos sem cessar com as garras de Wolverine ou, quem sabe, eliminar silenciosamente os nossos inimigos como tão bem faz a bela e mortal Elektra eram apenas algumas das situações que muitos desejavam poder realizar à sua maneira.

A escolha destes heróis para exemplificar a diversidade que a companhia decidiu dar ao jogador não foi feita ao acaso, bem pelo contrário! Talvez essa escolha seja tão intrigante como saber o porquê da Cryptic lançar um novo jogo que em tudo é idêntico aos dois títulos já lançados anteriormente e a que tantos jogadores dedicavam o seu tempo. A verdade é que a Marvel, detentora das personagens acima enumeradas, decidiu contratar esta companhia para criar um MMO baseado no universo que longo dos anos já tinha criado. Mais tarde, decidiram recuar nessa tentativa de entrar num género onde a competição é bastante feroz.

1

Heróis unidos, jamais serão vencidos!

Com uma base já bastante desenvolvida e agora sem forma de a usarem, a companhia decide comprar os direitos de Champions, um jogo role-play, e aproveitaram todo o trabalho que já tinham desenvolvido para lançar um novo título.

Factos históricos à parte, eis que chegamos a 2009, ao lançamento oficial de Champions Online, um sucessor espiritual de City of Heroes/Villains e que trouxe não só inspiração como tudo o resto que havia a trazer desses dois títulos.

Um dos aspectos que mais prazer dava ao jogador quando entrava neste novo mundo era a criação da personagem e essa funcionalidade continua a ser dos instrumentos mais completos, mais complexos e mais divertidos que actualmente se encontra num MMORPG. O jogador até se questiona se a criação de uma personagem deveria ser tão divertida ao ponto de perder mais de uma hora a ver e rever todos e quaisquer detalhes do nosso herói.

Passamos por algo simples como a altura, indo até ao mais ínfimo pormenor da cara, escolhemos o cabelo e as várias cores que lhe dão vida, a envergadura das pernas e braços, até à musculatura e definimos também as nossas origens, podendo o jogador optar por o convencional humano, o famoso elfo, o temível demónio ou algo entre uma serpente e um camaleão. Antes de tudo isso, escolhemos ainda qual o nosso poder, seja fogo, gelo, electricidade, armas brancas ou de fogo, algo ligado à robótica, magia negra, telepatia ou as simples artes marciais, mais uma vez a escolha é variadíssima. Mas não ficamos por aqui, isto seria pouco para as ideias megalómanas de qualquer jogador.

Comentários (4)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!