Eurogamer.pt

SNES Classic Mini - Análise

Regresso ao passado com os convenientes da actualidade.

A consola é compacta e fácil de arrumar.

O apelo retro nunca esteve tão em alta nos videojogos. O sucesso de produtos como a NES Mini, que chegou às lojas no ano passado e esgotou num ápice, e de jogos modernos que optam por um estilo artístico pixelizado, são uma prova disso mesmo. O regresso do retro não é exclusivo do mundo dos videojogos. Se olharmos para a música, cinema e até para a moda, é comum encontrarmos referências ou até tentativas de replicar o que já foi feito antes. Se olharmos para os pés da maioria dos jovens de hoje, vamos encontrar uns quantos pares de Adidas Stan Smith ou Converse All Stars, sapatilhas que poucas alterações sofreram face aos modelos originais lançados em décadas anteriores.

No caso dos videojogos, a Nintendo não foi a primeira companhia a apostar no retro, mas com a NES Mini foi a primeira a relançar uma consola antiga de forma oficial. Antes da NES Mini, foram lançados inúmeros dispositivos e consolas de imitação compatíveis com os jogos da antiga consola da Nintendo, mas um produto oficial tem muito mais valor logo à partida pela garantia da qualidade e fidelidade da experiência. Com a SNES Mini, a Nintendo quer replicar o sucesso do ano passado e recorreu praticamente à mesma fórmula. A SNES Mini é uma versão em miniatura da consola original que vem com 21 jogos pré-instalados. Seria fantástico se a consola também fosse capaz de ler os cartuchos dos jogos originais, ou pelo menos, que mais jogos pudessem ser instalados através da Internet, mas tal como a NES Classic Mini, não é possível.

A SNES Classic Mini inclui dois comandos, garantindo diversão para dois jogadores, e com cabos consideravelmente maiores aos comandos da NES Mini, que era demasiado curtos para quem tem televisões grandes. Na embalagem também vão encontrar um cabo HDMI e um cabo USB, que é necessário para transmitir energia para a consola. Convém sublinhar que não há transformador USB. Ou seja, é necessário comprar um ou usar o que veio com vosso smartphone e tablet. Um transformador USB é barato, no entanto, não faz sentido que um produto não traga tudo o que é necessário. No entanto, não é a primeira vez que a Nintendo opta por excluir o transformador. Vários modelos da portátil 3DS também não trazem transformador para carregar, sendo necessário comprar em separado e gastar mais dinheiro. É basicamente um pequeno custo escondido.

Tirando isto, estamos perante um produto honesto e directo, que faz precisamente aquilo que é suposto. Oferecer uma experiência retro por um preço acessível. A escolha de jogos é satisfatória, mas obviamente que não agradará a todos. Certamente há jogos que vos marcaram mas que ficaram de fora da lista, no entanto, o leque escolhido pela Nintendo é abrangente. Temos acesso a grandes clássicos como Super Mario World, EarthBound, Mega Man X, The Legend of Zelda: A Link to the Past, Donkey Kong Country e a vários outros. O que é realmente fantástico na SNES Mini é que se trata de uma experiência retro com os benefícios da actualidade. A consola vem com uma funcionalidade que permite parar um jogo em qualquer ponto e continuar mais tarde, mesmo depois de desligar a consola.

"Estamos perante um produto honesto e directo, que faz precisamente aquilo que é suposto"

Guardar o progresso dos jogos em qualquer ponto é importante, mas também podes rebobinar o progresso até cinco minutos. Uma grande parte dos jogos de antigamente tinham uma dificuldade imperdoável e pontos de gravação demasiados espaçados ou escassos. Um excelente exemplo no leque de jogos da SNES Mini é Contra 3, em que o primeiro nível nos recorda imediatamente da elevada dificuldade dos velhos tempos. Felizmente, as funcionalidades da consola tornam estas experiências mais toleráveis. Para além disto, a SNES Mini também permite escolher várias molduras, visto que a imagem não preenche completamente a televisão, e o formato da imagem. Se quiseres uma experiência realmente retro, até podes ligar a consola a uma televisão antiga e optar pelo formato 4:3.

A maioria dos jogos continua jogável, isto é, a experiência não foge muito aos padrões de hoje, enquanto outros envelheceram mal. Star Fox é um destes casos. Embora a experiência fosse impressionante para a altura, com a inclusão de elementos 3D, tive dificuldade em perceber o que estava a acontecer no ecrã. A sequela, Star Fox 2, que nunca foi lançada e é um jogo inédito da SNES Mini, passa pelo mesmo problema. Ainda assim, é valioso ter acesso a estes jogos e verificar o quanto os videojogos evoluíram desde então. Por esta óptica, a SNES Mini acaba por ser também um pequeno museu e um produto que mostra uma pequena parte da história dos videojogos. Secretamente, todos queremos voltar a ser crianças, nem que seja por uns minutos, e a SNES Mini consegue criar esse efeito.

Para quem procura uma experiência retro, a SNES Classic Mini é um produto fantástico que, por um preço razoável, nos leva de volta para o início da década de 90. A consola inclui 21 clássicos de diferentes géneros e traz funcionalidades valiosas como a gravação do progresso a qualquer momento e possibilidade de rebobinar até cinco minutos. De realçar que os comandos são muito fieis aos originais, fortificando a experiência retro que a consola procura oferecer. Resta esperar que desta vez a oferta seja capaz de corresponder à procura.

A SNES Classic Mini estará disponível a 29 de Setembro e custará 89.99 em Portugal. Consulta a lista completa de jogos da SNES Classic Mini.

Publicidade

Comentários (12)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!