Eurogamer.pt

Dragon Ball Fusions - Análise

Tens de apanhá-los a todos.

Dragon Ball Fusions é um RPG apelativo para os fãs da saga.

Dragon Ball é uma mangas / anime mais exploradas no mundo dos videojogos. São dezenas de jogos que ao longo dos anos foram lançados em diversas plataformas, uns melhores do que outros. Dragon Ball Fusions é o título mais recente que aproveita o universo e personagens criadas por Akira Toriyama. Lançado originalmente no Japão em Agosto do ano passado, este jogo para a Nintendo 3DS só chegou à Europa em meados de Fevereiro e é uma surpresa agradável para os fãs de Dragon Ball. Fusions não é um jogo de luta, mas antes um RPG que tem como base as fusões, uma técnica que permite fundir dois lutadores para criar outro mais forte.

A história de Dragon Ball Fusions não interfere com os acontecimentos da manga / anime. À semelhança de Dragon Ball Xenoverse, usa as personagens deste universo para criar uma nova história que funciona como se estivesse isolada. Antes de começarem a aventura, têm que criar a vossa personagem. O editor permite que escolham a raça bem como o estilo de combate. Podem escolher ser um Terráqueo, Saiyan, Namekian, Offworlder (parecido com Majin Buu) ou Alien. No que toca ao estilo de combate, podem optar por Power, Technique e Speed. O editor permite criar personagens engraçadas e únicas, embora as opções de personalização não sejam muito extensas.

Quando acabarem de criar a vossa personagem, serão introduzidos a Pinich, o vosso melhor amigo. Juntamente com ele vão invocar Shenron e desejar um torneio de artes marciais em que o vencedor será declarado como o lutador mais poderoso do universo. Shenron diz que o vosso desejo está concluído e de repente serão sugados para um dimensão alternativa. As primeiras horas são uma espécie de tutorial em que, lentamente, são introduzidas as mecânicas essenciais de Dragon Ball Fusions.

O sistema de combate é um dos aspectos positivos de Dragon Ball Fusions. Os combates misturam o sistema por turnos com elementos de acção. Basicamente, cada personagem tem a sua vez para atacar, sendo que o momento em que determinada personagem ataca é definida por uma barra temporal na parte inferior do ecrã. As personagens mais rápidas movem-se mais rapidamente nesta barra e podem ultrapassar as personagens mais lentas. Há outra coisa a ter em conta. Os combates decorrem em arenas delimitadas, se conseguirem empurrar uma personagem contra a barreira, sai fora dos limites, sofrendo um pouco de dano e perdendo a vez de atacar na barra temporal.

" Os combates misturam o sistema por turnos com elementos de acção"

Nos combates também precisam de levar em conta os tipos das personagens - azul, amarelo e vermelho. Estes três tipos funcionam em triângulo - o azul é mais forte contra vermelho, que por sua vez é mais forte contra amarelo, que é mais forte contra o azul. Cada personagem pode ter até três ataques especiais. Existem vários tipos de ataque e, dependendo das estatísticas de cada personagem, uns são mais eficazes do que outros. No fundo, o sistema de combate de Dragon Ball Fusions faz lembrar Pokémon, no sentido de que é fácil de aprender, mas com pormenores que lhe dão uma grande profundidade.

O ponto forte do sistema de combate de Dragon Ball Fusions é que, apesar de ser por turnos, preserva os momentos espectaculares que seria de esperar das lutas de Dragon Ball. Os ataques são feitos através de curtas cinemáticas e podem lançar o adversário a voar numa de oito direcções, sendo até possível mandá-lo contra os companheiros de equipa para criar um efeito de ping-pong. O sistema também engloba uma mecânica de defesa. Quanto estão a ser atacados, têm que virar a personagem para uma de quatro direcções. Caso se virem para a direcção de ataque, vão sofrer menos dano. Inicialmente parece uma questão de sorte, mas na realidade existe alguma lógica (por exemplo, se estiverem perto do limite da arena, a IA vai tentar empurrar-vos para fora, portanto, têm que defender o lado vulnerável)

A aventura de Dragon Ball Fusions está espalhada por várias dimensões. Cada dimensão mistura áreas familiares do universo de Dragon Ball. Como seria de esperar de um RPG, existe a quest principal que avança com a história, mas se quiserem, há diversas quest opcionais. Nem sempre percebemos logo à primeira o que temos de fazer para completar quest opcionais, mas valem a pena. Existem quests opcionais que vos dão acesso a novas personagens para a vossa equipa. Recrutar novas personagens é obrigatório se quiserem avançar na história, visto que quantas mais personagens tiverem, mais energia conseguem acumular.

a

A fusão entre Beerus e Whis.

Existem cinco tipos de energia (cada uma associada a uma raça diferente) e certas quests requerem que tenham uma certa quantidade de energia para desbloquear barreiras que se encontram à volta de certos pontos das áreas. Como já referi, podem recrutar personagens através de quests, mas existe outra forma. Existe um ataque chamado Zenkai, que pode ser executado quando uma barra de energia associada aos combates (Ultra Gauge) fica meia-cheia. Quando usam este ataque para eliminar um adversário (apenas pode ser recrutado se estiver marcado com uma estrela), esse adversário é recrutado para a vossa equipa. Cada área tem várias equipas para defrontar, pelo que existem muitas oportunidades para aumentar a vossa equipa.

"Dragon Ball Fusions é uma espécie de jogo de Pokémon para os fãs deste universo"

Fazendo justiça ao seu nome, Dragon Ball Fusions deixa-vos fazer fusão a várias personagens. Existem dois tipos de fusão: a Ultra Fusion, que junta as cinco personagens da vossa equipa numa personagem super-poderosa (mas só dura 20 segundos), e as EX Fusions. Através deste último processo podem fundir duas personagens, mas não têm liberdade total, visto que nem todas as personagens são compatíveis. Ainda assim, a variedade de fusões é impressionante, daí a importância de recrutar novos lutadores. As EX Fusions são uma forma de obter personagens mais poderosas (os lutadores estão classificados na seguinte forma: C, B, A, S e G). Por exemplo, se fundirem dois lutadores da classe A vão obter um lutador da class S. Se não gostarem do resultado, as EX Fusions podem ser revertidas.

A história, para um jogo de Dragon Ball, é aceitável. Não vai ganhar nenhum prémio, é leve mas entretém. Tal como Xenoverse para as consolas caseiras, acaba por ser uma desculpa para conhecer e lutar contra várias personagens carismáticas de Dragon Ball, no entanto, há diálogos com piada e humor. Ainda assim, a força do jogo está na possibilidade de coleccionar lutadores, criar fusões mais fortes e nos combates. Também existe um modo multijogador, caso queiram competir contra outros jogadores.

De certa forma, Dragon Ball Fusions é uma espécie de jogo de Pokémon para os fãs deste universo, visto que há vários elementos semelhantes, como coleccionar lutadores e ensinar-lhes melhores ataques. A estrutura do modo aventura é um pouco repetitiva (não ao ponto de ser enjoativo), mas o sistema de combate é divertido, simples e profundo. Há bastantes conteúdos para descobrir e motivos para voltar a áreas anteriores. A grande possibilidade de EX Fusions é admirável e uma das razões para se continuar a jogar, sendo possível fazer combinações nunca antes vistas na manga / anime de Dragon Ball.

Dragon Ball Fusions - Análise Jorge Loureiro Tens de apanhá-los a todos. 2017-03-13T15:00:00+00:00 4 5
Publicidade

Comentários (11)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!