Eurogamer.pt

Football Manager 2017 - Análise

Treinadores de bancada.

Voltamos a ter mais um ano de história, mais um ano de futebol. Temos assim, mais uma edição de Football Manager, referente à nova época. Este ano voltamos a ter mais algumas mudanças (mas não esperem muitas - até porque, nos últimos anos, tem sido mais um "limar" de arestas do ano anterior), a começar pelos ecrãs iniciais do jogo. Visualmente ainda mais apelativo/suave do que o anterior, torna-se agradável navegar pelos menus iniciais. Na minha opinião, parecem-me ainda mais simples de navegar e mais bonitos.

Começamos, uma vez mais, pela criação do nosso avatar, possibilitando a escolha entre o sobretudo ou o fato de treino, bem como na definição das características enquanto treinadores. Podemos também definir logo aí as nossas responsabilidades enquanto treinadores. Passando a uma parte que teve alguns melhoramentos, foi a secção de "Conselhos" do nosso staff técnico, agora recebemos conselhos da nossa equipa e, se optarmos por concordar, podemos colocar-nos por nossa conta e risco. Sim, porque experimentei isto e, se já têm a vossa filosofia de jogo e seguem todos os conselhos, não se admirem se depois forem para o jogo com alterações, no mínimo, contrárias ao que pensavam. Gostei dessa secção, mas temos que analisar tudo muito bem.

1

A forma como os relatórios dos adversários foi redesenhada, tornando-se mais apelativo e real! Gostei bastante deste melhoramento, existindo também um ecrã de comparação entre as equipas, que também achei super interessante

As negociações com os jogadores sofreram algumas alterações, mas ainda ficam aquém do desejado. Anteriormente ao efectuarmos uma proposta por um determinado jogador, recebíamos um contacto do agente/jogador a dizer se estava interessado ou não. Esta parte sofreu uma pequena alteração, antes mesmo de o clube responder, o jogador aborda-nos logo para saber condições do possível contrato (ordenado, jogos, competições). Apenas se alterou a ordem do contacto com o jogador, mas o processo mantém-se mais ou menos da mesma forma.

O Brexit não foi esquecido e há cenários prováveis para a saída do Reino Unido da União Europeia, com influência clara no mercado de transferências em Inglaterra. Tanto podemos manter como está (sem alterações), como podemos colocar as coisas mais radicais e, ao invés de termos o plantel todo disponível, passamos a ter um "corte" no que toca à permissão de ter jogadores estrangeiros a jogar pela nossa equipa (seja ela qual for, em Inglaterra).

No campo, continuam os melhoramentos e são sempre de aplaudir, embora que sejam pequenas alterações. O motor 3D apresentam-se mais bonito, os jogadores e as animações cada vez mais reais. Recordam-se do famoso spray dos árbitros ao formar a barreira nos lances de bola parada? Pois bem, não se esqueceram dele e colocaram este pequeno detalhe no jogo!

2

Mais sobre Football Manager 2017

Ou até os nossos movimentos (treinadores), no início do jogo, com o famoso aperto de mão... ou o levar as mãos à cabeça quando sofremos um golo! Ou mesmo a substituição de jogadores durante os festejos de um golo... isto também acontece neste FM2017. Se no Football Manager 2016 as análises estatísticas eram reconhecidas como PRO ZONE, este ano passou para STATS e o trabalho é notável, sobretudo para aqueles que gostam de detalhes em tudo o que é pormenores. Além disso, é claro, nas análises pós-jogo podemos aprender mais sobre a equipa/adversários e tentar alterar aquilo que achamos que precisa ser melhorado na equipa.

Outro modo de jogo que testei nesta análise foi o "Criar um Clube" (já existente em edições anteriores), que permite criarmos o nosso clube, com os nossos jogadores favoritos. No fundo, podemos criar a nossa equipa de sonho. O Football Manager Touch, para surpresa de muitos, ficou separado do jogo principal, quero com isto dizer que, se quiserem jogar o Touch, terão de arrancar com o FM Touch (que irá aparecer na nossa biblioteca de jogos do Steam). Para mim, é quase indiferente, pois prefiro ter mais detalhes, dominar todos os campos possíveis do jogo, já no Touch, tudo é mais simplificado, o que tira um pouco o brilho do jogo... uma espécie de "space, space, space (avançar)" até aos jogos, com pouco ou nada para fazer.

Football Manager continua a ser um grande jogo de gestão de futebol. Uma vez fã deste tipo de jogo é difícil largar-se o vício, pois, a Sports Interactive continua a conseguir manter o seu grande leque de aficionados. É verdade que, um jogo como este, em termos de mecânica, não tem sofrido grandes alterações visíveis de ano para ano, mas uma coisa é certa, por mais pequenas que sejam as alterações, estas aparecem sempre com a intenção de melhorar a nossa experiência e, sempre no sentido de nos sentirmos treinadores a sério. Para os amantes desta série, certamente que vão perder muitos dias a jogar esta edição, pelo que é merecedora de tempo despendido a jogá-lo.

Footbal Manager 2017 é assim, um jogo viciante, alvo de melhorias significativas, que já tem em conta o Brexit, e cuja dificuldade/complexidade aumentou mais um pouco. Os adversários constroem as suas tácticas com base na nossa, e tornam a experiência mais apelativa. Pelo outro lado, existem aspectos a melhorar, como as conferências de imprensa repetitivas, a falta de imagens de jogadores, e a sensação de pouca inovação.

Football Manager 2017 - Análise Nuno França Treinadores de bancada. 2016-12-19T18:18:00+00:00 4 5
Publicidade

Comentários (6)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!