Mighty Switch Force: Hyper Drive Edition - Análise

Servir a justiça.

A estética de Mighty Switch Force é abundantemente retro.

Versão testada: Wii U

Mighty Switch Force foi, no final do ano passado, uma das mais importantes ofertas para a Nintendo 3DS. Juntamente com PullBlox da Intelligent Systems, o jogo da WayForward Technologies saltou imediatamente para a linha da frente dos jogos essenciais da eShop. Combinando acção, plataformas e puzzles, com um seguro esquema de comando remoto de blocos e estruturas que se deslocam do fundo para a frente do cenário, boa parte do seu sucesso deveu-se também à estética old school e às duas dimensões como perspetiva de jogo.

No seguimento de Mighty Milky Way, Mighty Flip Champs e Mighty Switch Force, esta Hyper Drive Edition que partilha o primeiro nome com o jogo anterior é mais um exclusivo Nintendo, mas agora para a Wii U, com todo o fulgor da alta definição. Para muitos entusiastas das plataformas da velha guarda, ação e puzzles esta é uma oportunidade para experimentar um jogo bem construído e dotado de um “gameplay” refrescante. Para quem já possui a versão 3DS, Hyper Drive Edition ainda acrescenta mais alguns níveis bónus e um modo Hyper Drive depois de acabarem os dezasseis níveis do jogo.

Hyper Drive Edition dá sequência ao gameplay desenvolvido para o jogo da 3DS. O jogador volta a assumir o comando de Patrícia Wagon ao longo de 16 incidentes. Estes incidentes não são mais do que 16 níveis, sendo cada um composto por uma área que devemos percorrer com sucesso, detendo as Hooligan Sisters que se encontram espalhadas por vários pontos do nível. O objetivo não é lutar ou disparar contra elas, mas resolver os puzzles da melhor forma para conseguirmos chegar até elas. Tendo recuperado as Hooligan Sisters, só nos resta prosseguir para o ponto de recuperação onde somos transportados para o nível seguinte.

1

As Hooligan Sisters encontram-se espalhadas por vários pontos do nível.

A história é bastante simples e quase que nem se dá por ela, mas é o “gameplay” que torna tudo mais divertido, hardcore e acima de tudo viciante. Os jogadores que vierem da versão para a 3DS já estão acostumados às regras do jogo. Sem grande dificuldade, irão progredir entre as diversas missões, já que os níveis são os mesmos. No entanto, para quem não pôde jogar a versão portátil, vale a pena recuperar as regras de jogo.

Patrícia Wagon é uma polícia que possui duas únicas habilidades. Uma é a possibilidade de efetuar disparos horizontais (para a direção em que se encontra voltada) e a outra habilidade resulta das propriedades sonoras emitidas pelo seu capacete com pirilampo, que ora afastam do fundo do cenário ora aproximam do percurso, uma série de blocos. Ao afastarmos os blocos eles como que ficam transparentes. Em segmentos mais simples dos níveis, podemos usar esta técnica para saltar na direção de pontos elevados, ativando blocos transparentes ou então desativá-los para fazer cair uma Hooligan Sister que esteja sobre um deles. Mas cuidado para não deixar a personagem no seguimento de alguma estrutura amovível. Se o fizermos, ela será irremediavelmente esmagada. Felizmente existem vidas extra e checkpoints intermédios que nos permitem continuar quando estamos próximos de capturar todas as foragidas.

"Se Hyper Drive Edition perde nesta passagem para a Wii U os efeitos tridimensionais gerados pela Nintendo 3DS, ganha particular reforço nos grafismo, agora em alta dimensão."

Depois de percorridos os incidentes básicos, que servem essencialmente para efeitos de aprendizagem, vamos encontrar novas variantes, como as caixas de projeção. Se estas caixas estiverem em posição de fundo ou transparentes, podemos enquadrar a personagem na posição central da caixa e ativá-la. Neste caso a intrépida polícia será rapidamente projetada na direção designada. A partir daqui abre-se um leque de possibilidades, como atravessar várias caixas, usando o mesmo modelo de ativação. Neste caso a protagonista entra numa espécie de percurso rápido que exige reflexos acima da média para conseguir percorrer uma boa distância do nível.

Depois há que contar ainda com os inimigos, cuidadosamente colocados em certos pontos. Mas ao contrário dos jogos de ação, que nos levam a disparar para eles apenas com o objetivo de furar caminho, aqui a WayForward dá-nos algo mais inteligente e convida a que usemos os inimigos para desbloquear passagens. Nalguns pontos haverá blocos que não se desfazem com os disparos. Temos assim que encaminhar alguns inimigos, do tipo bomba, para a proximidade desses blocos, disparando sobre eles quando estiverem próximos. A força da explosão irá detonar essas paredes.

Outras vezes, podem atrair certas criaturas para alguns blocos de projeção. Uma vez que dispomos da possibilidade de os ativar e desativar, podemos colocar os inimigos a fazer o mesmo percurso, já que controlámos tudo à distância. Haverá inclusive secções em que entramos nestas caixas de projeção juntamente com alguns inimigos. A capacidade para agir no imediato e pensar de forma abstrata serão decisivas para se chegar a todas as Hooligan Sisters. Espantosamente, Mighty Switch Force dá-nos grandes variantes e mudanças através destas regras. Existem perigos nas áreas em que um toque sobre uma base de espinhos é suficiente para nos levar uma vida.

Mighty Switch Force! Hyper Drive Edition - Trailer

Cada incidente possui um tempo meramente indicativo para o fazer. Não raras vezes dei por mim, nos incidentes finais, a perder mais de cinco minutos, mas assim que descobrimos o segredo para alcançar os pontos onde se encontram as Holligan Sisters, conseguimos chegar até elas mais depressa. A dificuldade está em executar bem todos os passos para lá chegar. Se estivermos perdidos sobre o ponto onde se encontra a próxima Hooligan Sister, o jogo dá-nos uma ajuda ao colocar um ícone da personagem numa direção que devemos seguir. Findos os dezasseis níveis, existe ainda mais uma mão cheia deles para acabar em termos de bónus. Findando os incidentes extra, podemos repetir o jogo em modo Hyper, que significa as mesmas áreas, mas com diferente alinhamento dos blocos e mais dificuldade. Na sua globalidade, Hyper Drive Edition é um jogo bem maior que o original e que vos levará a repetir muitos dos níveis antes de completarem tudo.

Se Hyper Drive Edition perde nesta passagem para a Wii U os efeitos tridimensionais gerados pela Nintendo 3DS, ganha particular reforço nos grafismo, agora em alta dimensão. A estética de Mighty Switch Force é abundantemente retro, marcada por plataformas em duas dimensões sobre um cenário futurista e robótico. Dotado de um design particularmente atrativo e bastante detalhado, podemos beneficiar disso no conforto do ecrã, algo que confere mais algum estatuto à obra. Dadas as particularidades do GamePad, existe uma opção que nos permite desligar o sinal do jogo para a televisão e continuar a jogar através do ecrã do GamePad.

A WayForward deu-nos no ano passado uma indispensável versão 3DS de Mighty Switch Force. Levando ao limite muitas das mecânicas dos jogos passados, essa versão permitiu à produtora imprimir mais profundidade a uma jogabilidade que combina a tradição das plataformas, com ação rápida e puzzles técnicos, de forma altamente eficaz. A versão Wii U pode partir dos mesmos níveis da versão portátil, mas proporciona uma segunda vaga de níveis e mais conteúdos. É pena que não haja uma tabela de classificações on-line, quando o próprio jogo incentiva a superar os desafios dentro de um limite de tempo. Fica no entanto reforçado pela exibição de uma estética fortemente retro e abundante de detalhes no conforto da alta definição. Mais uma proposta da eShop, exclusivo Wii U.

8 / 10

Lê o nosso Sistema de Pontuação Mighty Switch Force: Hyper Drive Edition - Análise Vítor Alexandre Servir a justiça. 2012-12-19T17:29:00+00:00 8 10

Comentários (4)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!