Forza Horizon - Análise

O ponto de encontro para todos os entusiastas de automóveis.

Ficámos completamente rendidos com esta nova criação dos estúdios Playground e Turn10.

A série Forza Motorsport é nome que deve ser conhecido por qualquer um entre a comunidade de simulação automóvel. Num período de sete anos a Turn10 construir uma série que merece respeito e reconhecimento dentro do género, e com o último lançamento, Forza Motorsport 4, solidificou o sentimento de que esta é a melhor oferta dentro do género da simulação que vão encontrar no território das consolas.

Depois de Forza Motorsport 4 pouco ou nada resta para melhorar ou inovar, pelo menos nesta geração de consolas. O que fazer então, dado que a Microsoft quer prolongar ao máximo o ciclo de vida da Xbox 360? A resposta é Forza Horizon.

Forza Horizon abre os horizontes para a série da Turn10 e aventura-se em território desconhecido, agora pela mão de outro estúdio, o Playground Games. Pela primeira vez temos em mãos um Forza num mundo aberto e que foge ao mundo das corridas em circuito fechado. Mas onde fica a identidade da série, que desde o seu início está atada à simulação? Embora Forza Horizon não possa ser descrito como um simulador puro e duro, está longe de entrar na categoria de um Need For Speed. O que quero dizer é, não podem entrar numa curva a 200 KM/h, fazer um drift e continuar em frente nas calmas. Em Forza Horizon, ou reduzem a velocidade antes de uma curva, consoante o ângulo, ou vão ter um acidente.

De alguma forma, a Turn10/Playground conseguiu encontrar o ponto de encontro perfeito entre simulação e o estilo arcade. Forza Horizon é um jogo refrescante porque não vão encontrar nada igual. Para além de misturar na perfeição dois estilos de condução diferentes, Forza Horizon harmoniza o culto dos automóveis, música fantástica e conteúdos suficientes para sofrerem uma overdose de borracha queimada.

Deixem-se contagiar por Horizon.

Mais sobre Forza Horizon

Se gostam minimamente de carros, vão gostar de Forza Horizon. Ainda que não percebem nada de automóveis, não sabendo o que mais há num carro para além das rodas e o motor, se quando vão na rua veem um Ferrari, Lamborghini ou qualquer outro carro exótico e ficam pasmados ou olhar, e têm o desejo imediato de entrar nele e carregar no acelerador para ouvir o motor chegar às elevadas rotações, então Forza Horizon é um jogo que não vão querer perder.

A decisão de fazer o jogo em mundo aberto é uma das razões para Forza Horizon ser tão fantástico. Pegar no nosso carro favorito e explorar as estradas do Colorado, nos EUA, sem qualquer limitação, ouvindo unicamente o motor e a música do rádio (podem sempre desligar o rádio se quiserem), não havendo preocupação se estamos em primeiro ou em último, é uma sensação maravilhosa. Nestes momentos começamos a conhecer o carro, como se comporta nas curvas ou a sua aceleração em linha reta.

Forza Horizon trata-se de um festival de automóveis que acontece no estado do Colorado (Estados Unidos da América). As corridas do festival são perfeitamente legais, apesar de terem lugar em ruas públicas. Mas existe um lado obscuro do festival, que são as corridas ilegais. As corridas ilegais apenas servem para encher os cofres e juntar dinheiro para comprar novos carros. Para progredir no festival, que está organizado em vários níveis (quando sobem de nível recebem uma pulseira de cor diferente), terão que competir nas corridas oficiais.

A cada nível poderão competir numa grande variedade de eventos. Cada evento tem as suas restrições. Estas restrições podem limitar o uso de carros de uma determinada classe (as classes dividem-sem em E,D,C,B,A,S,R3,R2 e R1), uma marca específica, de uma determinada época ou nacionalidade. Forza Horizon tem carros suficientes para que em cada corrida haja variedade e várias opções abertas ao jogador. Além da grande variedade de carros, Horizon dá ainda a possibilidade de modificar mecanicamente os carros. Com uma visita ao mecânico de serviço do festival, podem facilmente transformar um carro de classe A em classe R3.

Nas modificações mecânicas vão encontrar a identidade simulação de Forza Horizon. Não basta apenas artilhar o carro com todos as peças de corrida que encontrarem na oficina, há partes que ao serem instaladas têm vantagens e desvantagens. Diminuir o peso do carro pode beneficiar o controlo nas curvas, mas diminui o poder de arranque. Substituir as jantes originais por umas mais "artilhadas" pode prejudicar o equilíbrio do carro. O jogo vai ao extremo de nos informar o peso das jantes dos muitos fabricantes presentes para que possamos levar ao máximo o desempenho do nosso bólide.

Comentários (67)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!