Eurogamer.pt

The 3rd Birthday - Parasite Eve

Onze anos de espera. Este é o resultado.

Foram precisos onze longos anos para este momento. Parasite Eve, uma das séries favoritas da PSOne, está de volta. Porém, não é bem aquilo que todos esperavam. Parasite Eve é conhecido por ser um RPG e embora a Square Enix o descreva como um RPG de acção cinemático, The 3rd Birtday assemelha-se mais a um shooter de que a um RPG.

Outra particularidade de The 3rd Birthday é que saltou de uma consola caseira para uma portátil. Uma das primeiras coisas que me veio à cabeça quando comecei a jogar foi como seria o jogo para as actuais consolas caseiras. Já na PSP o seu aspecto é fabuloso, mas é difícil não pensar naquilo que poderia ser alcançado caso a Square Enix tivesse decidido produzir The 3rd Birthday para a PlayStation 3 em vez da PSP.

Mas não foi esse o caso por isso temos que nos contentar com o que temos, que é um jogo muito bem conseguido para uma portátil e com um nível elevado de polimento. Logo no início é apresentada uma cinemática espectacular onde vemos Nova Iorque a ser envolvida por uns tentáculos gigantes. Estes tentáculos tem o nome de "Babels" e vêm acompanhados de uns monstros chamados Twisted.

Mais sobre The 3rd Birthday - Parasite Eve

Aya Brea regressa mas com amnésia, não se lembrando de nada. A única coisa que se lembra é de acordar num vestido de noiva ensopado em sangue. Pouco tempo depois, Aya descobre que consegue viajar para o passado utilizando uma máquina chamada "Overdive System",

A jogabilidade funciona exactamente como um third-person shooter. No analógico controlamos o movimento de Aya, no gatilho esquerdo bloqueamos o alvo e no gatilho direito disparamos. Para apimentar as coisas, temos ao nosso dispor algumas habilidades especiais. "Overdive" é uma delas. Esta habilidade permite a Aya sair do seu corpo e entrar no corpo de outro humano e controlar as suas acções. Além de ser uma habilidade, é também uma mecânica essencial em The 3rd Birthday.

Quando em combate nunca estamos sós, somos sempre acompanhados por soldados. E é aqui que o "Overdive" começa a fazer maravilhas. Se estivermos prestes a morrer, saímos do nosso corpo e assumimos controlo de um soldado, e assim sucessivamente. O problema é quando os soldados se esgotam, aí não temos por onde fugir. Mas não pensem que The 3rd Birthday é um jogo fácil porque temos várias vidas e mira automática, pelo contrário, irão ver o ecrã Game Over com frequência.

O essencial em The 3rd Birthday é estar sempre em movimento e ser rápido, até porque Aya é bastante frágil, basta alguns ataques dos Twisted para que fique à beira da morte. É um jogo bastante desafiante, e apesar da sua jogabilidade simples, obriga-nos a usar tudo aquilo ao nosso dispor para termos sucesso. O "Overdive" desempenha novamente um papel crucial e implementa alguma estratégia. Assumir o controlo de certos soldados dá-nos acesso a armas que nos podem facilitar as coisas, como é caso dos snipers que se colocam em posições mais elevadas que permitem eliminar os inimigos calmamente um por um.

Publicidade

Comentários (14)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!