FlingSmash

Alguém furou a bola.

Versão testada: Wii

A Nintendo apresentou o Wii motion plus há quase dois anos. Com o Wii motion plus a Nintendo pretende assegurar uma maior precisão na captação dos movimentos, a uma ligação correspondente de 1:1, que significa uma correspondência máxima. Há bastantes jogos que beneficiam deste extra, mas nem todas as produções lhe atribuem a melhor utilização. Alguns jogos colocam mesmo o acessório como extra, numa tentativa de pôr imediatamente o jogador a par da inovação e recorrer à melhoria. Com FlingSmash a ideia foi mais longe e a opção tomada foi a de incluir um Wii remote já com Wii motion plus integrado na embalagem. Isto significa que pelo preço normal do jogo não apenas ficam com o FlingSmash como também juntam um outro comando.

O que é desde logo uma boa parte do valor, pois de resto o veredicto quanto a esta proposta “first party” da Nintendo deixa muito a desejar. Teria sido melhor opção lançar o jogo através da loja on-line WiiWare (Wii shop channel), pois a sensação que fica é de um jogo muito curto, simples e acessível em tão grande parte do jogo (do primeiro ao sexto mundo), para depois ocupar alguns momentos de frustração particularmente no “boss” do sétimo mundo. Para os critérios da Nintendo é difícil perceber como foi dada luz verde para este projecto cuja lacuna mais relevante é mesmo a escassa dimensão. Três a quatro horas chegam para completar o jogo e sem outras opções de monta, diremos que lutar por melhores pontuações, não é propriamente o melhor entendimento para uma designação de longevidade.

1

Defende esta.

Na folha, Fling Smash podia resultar. Recuperar mecânicas de “pinball” e ténis para avançar em níveis horizontais e verticais, rebentando com caixas e recolhendo medalhas em prol da melhor pontuação, seria uma boa escolha para os métodos tradicionais do wii remote, melhorados com o wii motion plus. Contudo, o resultado final desfaz os propósitos iniciais.

Zip é uma bola saltitante, uma bola amarela com pequenos braços e pernas e a última esperança para salvar a ilha, depois de uma entidade malévola assolar o espaço paradisíaco e remeter a princesa da palmeira sagrada para um sono profundo. Cabe a Zip “rebentar” com oito mundos e recuperar a totalidade das pérolas colocadas em locais distintos. Dessa forma os espíritos da palmeira sagrada poderão afastar todo o mal que assola a ilha e trazer de volta a paz.

A percepção inicial do controlo de Zip causa alguma desorientação. A bola faz “tilt” nas paredes e percorre o espaço enquanto não lhe for aplicada mais uma pancada que a atire na direcção de um ponto específico. A diferença desta proposta para as máquinas de “flippers” e de ténis, por exemplo, é que a bola avança por um segmento horizontal (ou vertical) em constante movimento, o que significa que a bola nunca regressa a um ponto fixo, mas saltita pelo meio dos obstáculos e cabe ao jogador impedir que a bola se atrase e seja comida por uma espécie de monstro de duas cabeças ou fique encurralada entre blocos. E não só o jogador terá de ser lesto neste processo como deverá observar atentamente o cenário e remeter a bola na direcção de objectos valiosos que acrescentem mais pontos, devendo rebentar com pesados blocos ou descobrir chaves para abrir caminhos opcionais.

Comentários (6)

Os comentários estão agora fechados. Obrigado pela tua contribuição!