Rumor: Desenvolvimento de Destiny 2 sofreu um reboot no início de 2016

Quando mudaram de director.

por Bruno Galvão. Publicado 3 Janeiro 2018

Destiny 2 chegou no início de Setembro para satisfazer o desejo de uma entusiasmada comunidade que desesperava por novidades significativas. Passados cerca de 4 meses, com muitas controvérsias e problemas, muitos Guardiões questionam-se sobre como a Bungie, aparentemente, não aprendeu nada com o desenvolvimento do primeiro jogo.

Segundo um recente rumor, via reddit, avançado por Jason Schreier do Kotaku, num podcast do Destiny Tracker, o desenvolvimento do jogo sofreu um reboot no início de 2016 e Destiny 2 teve um período de desenvolvimento muito mais curto do que previsto.

Publicidade

A carregar...

Schreier diz que Destiny 2 passou por um grande reboot nos inícios de 2016 e que o anterior director deu o lugar a Luke Smith, que tomou conta do desenvolvimento de Destiny 2.

"Aquele tipo foi colocado de lado e Luke Smith assumiu o controlo. Penso que foi em Abril de 2016, mas posso estar enganado. Não estou totalmente certo. Se pensares nisso dessa perspectiva, não tiveram muito tempo. Foi um período de 16 meses entre o reboot e o lançamento do jogo."

Schreier falou ainda sobre a controversa Eververse, sistema de micro-transacções implementado em Destiny 2 e que já gerou imensos debates em torno do trabalho da Bungie na sequela.

Publicidade

A carregar...

A Bungie sentiu imensas dificuldades em manter um ritmo elevado na entrega de novos conteúdos e procurou uma forma alternativa de gerar lucro adicional e recorrente para a Activision.

"A Bungie decidiu que não conseguia aguentar mais e era muito difícil, as ferramentas eram difíceis de trabalhar. Era difícil criar tanto conteúdo. Era difícil criar conteúdo no geral. Eles disseram que iam fazer coisas mais pequenas ou apresentar regularmente coisas mais pequenas e que iriam criar a Eververse para gerar dinheiro dessa forma, e a Activision concordou."

Segundo Schreier, desta forma conseguiram renegociar o contracto de uma forma que não precisavam de estar constantemente a criar tantos conteúdos.

Comentários (23) Lê o artigo em Eurogamer.pt

Loading…

Conteúdos relacionados