Razer Thresher Ultimate - Análise

O melhor headset sem fios para a PS4?

por Jorge Loureiro. Publicado 20 Dezembro 2017

O Thresher Ultimate é o novo headset da Razer sem fios para a PlayStation 4. É um produto oficialmente licenciado e que se coloca no mercado como um dos dispositivos mais caros deste género para a consola, só ficando atrás dos Astro A50, que custam ainda mais. No que toca a headsets para videojogos, as escolhas são neste momento variadas e encaixam no orçamento de qualquer carteira. Até os simples auriculares que vêm com os smartphones servem para ouvir e comunicar. No entanto, se procuras algo mais avançado e sem fios, as escolhas não são assim tantas, e se realizares uma procura rápida num motor de busca, vais reparar que consegues contar as tuas opções com os dedos das mãos.

Existem duas peças fundamentais do Thresher Ultimate. Em primeiro, o headset em si, e em segundo, a base que serve de centro de comunicações e como suporte de descanso. A base tem uma porta USB, que serve como alimentador de energia e também para recepção de áudio, uma entrada micro-USB para colocar o fio que recarrega o headset, e uma entrada e saída óptica. A base também um pequeno interruptor, que permite alternar rapidamente entre os modos para a PlayStation 4 e PC, e um botão para activar o Dolby Surround 7.1. Tal como a maioria dos headsets no mercado, o surround do Thresher Ultimate é virtual, o que significa que existe uma emulação da direcção do som e não um posicionamento real de várias drivers sonoras nos auriculares.

Publicidade

A carregar...

Os puristas, os audiófilos, preferem a experiência do True Surround, mas para isso, têm que abdicar da conveniência de um headset sem fios. E o Virtual Surround do Thresher Ultimate é muito bom. Não é uma experiência idêntica ao True Surround, mas o efeito é surpreendente. A jogar conseguimos facilmente distinguir perfeitamente a direcção dos pormenores sonoros e as várias camadas que compõe a parte auditiva dos videojogos. A nitidez e a definição sonora é outra das forças deste headset. Há headsets que tendem a exagerar nos graves para dar a sensação de que o áudio é potente, mas isto pode resultar na perda de definição e na qualidade do som. O Thresher Ultimate apresenta um bom equilíbrio e não abafa os pormenores sonoros mais delicados.

Este é um headset pensado para videojogos, mas também é excelente para ouvir música. É comum estar a ouvir música enquanto estou a trabalhar e o Thresher Ultimate é o headset que tenho usado desde que chegou à nossa redacção. Os pontos a seu favor são diversos: é leve (pesa cerca de 408g) e confortável por longas horas, isola razoavelmente o ruído exterior e dá uma grande imersão. Ultimamente tenho ouvido músicas que me são muito familiares e fiquei maravilhado com as capacidades do Thresher Ultimante. A nitidez é espantosa e consegui distinguir melhor do que nunca os vários instrumentos e notas musicais. É uma pena que tenha pouca versatilidade. Sem Bluetooth e sem entrada 3.5mm, dificilmente o vais usar a não ser na secretária ou no sofá.

O conforto do Razer Thresher Ultimate é certificado pelas grandes almofadas revestidas a couro sintético, que envolvem graciosamente os nossos ouvidos, e pelo suporte automaticamente ajustável. Enquanto noutros headphones temos que puxar pelos auriculares para que o headset encaixe nas dimensões da nossa cabeça, o Thresher Ultimate tem um sistema automático que volta ao estado original assim que o retiram. É uma solução simples e eficaz. A maioria do headset é constituído por plástico para poupar peso, com excepção do arco que une as duas almofadas, que é feito em metal para que não haja risco do headset se partir ao meio. As dobradiças, que permitem que as almofadas rodem 90 graus, continuam a ser um ponto frágil nos headsets da Razer com esta particularidade.

O Thresher Ultimate recebe o áudio através de uma frequência de rádio de 2,4 GHz para diminuir ao máximo interferências e latência. Na nossa experiência não reparamos em nenhum destes problemas. No que diz respeito à bateria, a Razer dá uma estimativa de 16 por cada carga. Podemos assegurar que a duração da bateria corresponde à estimativa. Quando tínhamos o headset ligado à PlayStation, mesmo a jogar cerca de 3 horas por dia, foram precisos mais de cinco dias até que o headset desse o sinal de que a bateria precisava de ser recarregada. O headset pode ser recarregado quando não o estão a usar, portanto, dificilmente terão que se preocupar com a bateria.

Esta base é exclusiva da versão Ultimate. O Razer Thresher 7.1 também é wireless, mas não traz a base nem o suporte para colocar o headset em descanso.

O microfone incluído no headset pode ser retraído e cumpre na perfeição o seu propósito. Não é um microfone de qualidade profissional, obviamente, mas ninguém terá dificuldade em perceber as vossas palavras. O microfone não tem qualquer problema de ruído excessivo ou de estática incomodativa, e tem uma amplitude aceitável, o que significa que se aumentarem o volume da voz, o som não ficará horrivelmente distorcido. Resta dizer que todos os controlos do headset estão nos auriculares. Do lado esquerdo temos o botão para ligar e desligar (embora se desligue sozinho passado algum tempo) e o controlo de volume para o microfone. Do lado direito está o controlo para o volume de áudio.

Portanto, para responder à questão feita inicialmente, será que este é melhor headset sem fios para a PS4? Neste momento é o melhor que podem encontrar, mas isso vem com um preço elevado de €279,90 (este é o preço oficial, mas já o vimos à venda por menos). Para um headset deste preço, peca pela falta de mais opções de conectividade, nomeadamente de Bluetooth e de entrada 3.5 mm. No entanto, se estiverem dispostos a abdicar da base e do suporte para o headset, podem optar pelo Razer Thresher 7.1, que custa €169.99 e tem as mesmas capacidades. Neste caso, perdem ainda mais conectividade, visto que a comunicação é feita através de um pen USB. É uma poupança superior a 100 euros, pelo que nos parece uma troca razoável para quem está à procura de um headset sem fios.

Razer Tiamat.

Comentários (10) Lê o artigo em Eurogamer.pt

Loading…

Conteúdos relacionados